0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

E você, caro leitor.

Esses são os principais fatores de uma comunicação/compreensão, é a pessoa que escreve, com o que escreve, como escreve e como é rebido pelas pessoas.

É preciso ter conhecimento desse processo, pois faz parte de um aprendizado, muitas pessoas já devem ter conhecido aquela pessoa que já leu de tudo, livros teóricos, romances e de história, mas infelizmente essa pessoa não tem a competência/consciência de conseguir usar essa informação que seja de agrado para as pessoas ou de utilidade, essa pessoa passou, mas não intencionalmente muitas vezes, atropelando uma ordem e uma valorização do comportamento antes da informação.

Como disse Charlie Chaplin:

“Mais do que máquinas, nós precisamos de humanidade…”

“Mais do que inteligência, nós precisamos de carinho e compreensão.”

É urgente uma preparação/amadurecimento pessoal para recebermos certos tipo ou quantias de informação, muitas pessoas se desesperam ou começam a agir inadequadamente quando isso acontece, é normal. O ser humano é muito fraco hoje em dia, pos há uma distorção do que se deve ser valorizado na vida, e isso gera uma confusão e muitas vezes isso é levado de forma “infantil” adiante.

A maioria das pessoas tem certas informações/apredizado úteis, mas não tem a sabedoria de utilizá-las, e outras não tem, mas se vem em situação de utilizar o pouco que tem, mas acabam por atrapalhar a sociedade.

Vemos um exempo perfeito disso no governo brasileiro, as pessoas que lá estão não estão a se preocupar com o bem estar do povo em sua grande maioria, estão lá pelo poder, pelo status, e esse posto dado a pessoas não preparadas mentalmente acaba por anular qualquer tentativa de melhoramento do país. Não adianta colocar pessoas famosas no poder, colocar médicos ou outras funções, mas sim pessoas que tenham um perfil psicológico que saiba tomar a decisão certa de forma a beneficiar a maioria, não simplesmente que nem acontece hoje que apenas assinam papéis sem ao menos ver o que está escrito como mostra o programa de número 100 do CQC.

Muito antigamente eram as pessoas mais velhas que gerenciavam a vila ou cidade, pois não existia uma distorção dos valores, as pessoas valorizavam muita mais a experiência do que simplesmente a leitura de livros.

Até quando vamos nos separar das outras pessoas?

Como na metáfora de Nietzsche:

Os porcos-espinho têm um sério problema: eles se sentem solitários e isolados e querem muito se aproximar uns dos outros. Entretanto, toda vez que tentam, acabam se machucando por causa de suas defesas – os espinhos – e isso lhes causa uma intensa frustração, uma frustração que muitas vezes lhes parece pior que a solidão. Cansados de se machucar, os porcos-espinho reforçam suas defesas eriçando ainda mais seus pêlos pontiagudos, ou desistem de se aproximar. Alguns chegam a convencer a si mesmos que é melhor ficar longe dos outros.

Mas claro, nós não somos porcos espinhos, escolhemos ter espinhos em vez simplesmente aceitar o outro, há um medo das reações, é como se ao pressentir a presença de alguém se aproximando o porco-espinho vai lentamente subindo seus espinhos para se proteger de algo.

Deixe-me expressar uma finalização em forma de conto:

Era um dia de sol, e os jovens estavam prestes a sair da sala de aula.
Victor chegou para Caio no final da aula e falou que ia passar a noite decorando as fórmulas de geometria, triângulo para ser preciso, para a prova de amanhã, Caio falou que ia apenas ver tevê, pois ia passar  um filme que ele gostava, Victor preocupado com o amigo chamou-o para estudar junto, mas Caio não deu muita importância e se despediu de Victor. No dia seguinte 30 minutos depois de ter começado a prova Caio entrega ela e Victor cansado por não ter durmido muito esta noite levanta a cabeça e pensa que Caio deve ter deixado muitas questões em branco para entregar tão rápido, e ele termina a prova 40 minutos depois de seu amigo. Caio chega em Victor e pergunta – E aí foi bem? – Victor responde que sim, mas não conseguiu fazer uma, e uma achou que tinha errado, e perguntou a seu amigo se ele tinha ido bem, ele respondeu que sim, fez todas e acha que tirou 10, Victor assuntado pergunta – Como assim? Você nem decorou as fórmulas para a prova!!! – E ele responde – Mas eu consegui entender como
Pitágoras pensou para chegar na fórmula.

A pessoa que só tem informação só consegue fazer aquilo que lhe é ensinada, a que tem sabedoria muito mais.

Chalie Chaplin Diz:

“Nós desenvolvemos a velocidade, mas nos fechamos em nós mesmo…”

“…Máquinas que nos dão abundância, nos deixaram em necessidade…”

“…Nosso Conhecimento nos fez cínicos, nossa inteligência nos fez cruéis e severos…”

“…Nós pensamos muito e sentimos pouco…”

Fonte: Filme “O Grande Ditador” – altamente recomendado.

Post semelhante: O Conto dos Três Ignorantes