0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

Todos estamos sujeitos as formatações que nossas famílias, escolas, amigos, e religiões nos fornecem nas primeiras décadas de nossas vidas, e no meio disso tudo está o nosso ser, esperando a hora em que a vida faca sentido pra gente, esperando entrarmos em ressonância com o universo em vez de levar pancadas dele e nos desafinarmos.

Estramos em conflito e ficamos com stress, sofremos ao tentar sobreviver nessa armadilha que nos apresentaram como vida.

Muitas pessoas demoram décadas, outras conseguem antes da vida adulta atender ao chamado.

O Chamado (não o filme) é o ponto de virada, é o acontecimento, percepção ou/e sentimento que irá fazer você se desprender dos grilhões invisíveis, perceber o universo na sua forma crua e bela.

Apesar de muitos gostarem de estar presos, assim como o cachorro que traz a coleira feliz na hora de passear, elas não tem consciência da prisão, acham que a vida é assim e que estamos aqui apenas para vive-la, ou melhor, passar por ela.

Tive a sorte, ou melhor, o privilégio de ter atendido ao meu chamado aos 15 anos, e a partir de momento não ser passivo com relação a tudo.

Mas quantas pessoas perderam seu primeiro chamado, é preciso dar esse salto quântico para sentir a liberdade, sentir o quão pequeno e quão grande você é, e como você é parte do todo, e esse todo vem se movimentando desde sempre.

Se Deus é o verbo você é a realidade desse verbo, a ação , a ressonância, o eco desse primeiro movimento que saiu da ordem Fiat Lux, Faça-se a Luz, o som antes da imagem, a base da música e do equilíbrio do universo, pois tudo é organizado através da organização sonora, ou seja, matemática.

Portanto o chamado está aí, e ha muito tempo, faz parte de todos esse movimento do universo vivo, basta o desejo de saltar, de criar seu caminho, e não se preocupe se passou muito tempo, de que você se considerava um idiota antes, tudo é o movimento, esse site é o movimento, esse texto, esses tempo em que dedico para escrever isso enquanto entrevisto um jornalista de guerra aqui em Nagorno Karabakr, pais ainda não oficial.

Abra seus ouvidos.

E ouça a música!