Quando cientistas e astrônomos procuram sinais de vida em outros planetas primeiramente há uma suposição de que tem que ter água para existir vida, mas seria vida igual a nossa, organizada e construída igual, mas esquecem de mencionar que podem existir outros tipos de vida, aqui mesmo no nosso planeta existem seres que não precisam de oxigênio.

Há uma ilusão de que dificilmente acharíamos lugares com vida, consequentemente lugares com água, mas isso está bem longe da verdade. Só agora a pouco (menos de 10 anos) nossos satélites conseguiram enxergar planetas quase do tamanho da Terra e isso deve representar a maioria dos planetas lá fora.

E nesse ano há apenas 750 ano-luz de distância acharam água em uma estrela sendo expelido para o espaço interestelar a 199 mil km/h. Claro, cientistas que não são de empresas renomadas como o Nassim Haramein já discutia ter achado água saindo do nosso próprio Sol por uma singularidade, um buraco que ele tem que a ciência normal não explica, Nassim explica.

A quantidade de água que é expelida por essa estrela é igual a quantidade do Rio Amazonas inteiro a cada segundo. Isso explicaria o porquê de cometas terem gelo, eles talvez passem por essas “fontes” espaciais de água e leva algo para os planetas em que colidem, distruibuindo assim “vida” para o espaço.

Outra descoberta muito importante é que foi achado a maior e mais antiga massa de água detectada no universo, uma nuvem gigantesca de 12 bilhões de anos, abrigando 140 trilhões de vezes mais água que todos os oceanos da Terra juntos. Continue reading