Tag: psicologico

Como funciona a reencarnação?

Muitas religiões falam da evolução espiritual: de que voltaremos a viver novas vidas, com corpos diferentes, sexo diferente e até orientação sexual diferente. Algumas falam que já vivemos como animais – outras até falam que a forma mais pura do ser é finalmente encarnar um animal.

Mas como escolher quem você vai ser na próxima vida? Como funciona a dinâmica complexa do voltar a viver num mundo totalmente diferente? Se o propósito é a evolução da nossa consciência, como sabermos que vida viver?

No espiritismo é explicado que planejamos nossa vida futura com outros seres divinos, mas como saber em que família nascer, que experiências teremos para evoluir e qual a melhor estratégia de eventos em nossa vida fará com que haja desafios não tão fáceis assim a ser conquistados em prol da evolução pessoal?

No outro mundo (céu), o espiritual – ou na outra dimensão, como alguns costumam dizer – teria que ter uma espécie de computador que praticamente tocasse o tecido do universo. Seus circuitos seriam o próprio mundo ou tudo seria feito a partir da própria consciência em contato com o todo, pois nenhuma máquina conseguiria calcular tantas coisas a não ser que ela   

Saberíamos dizer que tipo de família nos daria amor – ou traumas. Que tipo de família nos incentivaria ou, simplesmente, que tipo de família nos esqueceria.

Continue reading

Kung Fu x Musculação

bruce-lee kung fu filme martial art www.destruidordedogmas.com.br

Todo mundo conhece alguém que faz academia, seja para ter saúde, um corpo em forma, ou simplesmente uma insatisfação constante com o seu corpo.

Já conhecer alguém que faz kung fu, ou outra arte marcial com filosofia, é raro.

A resposta talvez esteja nas coisas mais básicas das duas atividades, eu mesmo já pratiquei as duas e tenho que confessar que academia não me satisfez nenhum pouco.

Mas vamos as diferenças que percebi nas duas práticas. E claro, há exceções para tudo.

Continue reading

Documentário: Homem Premonição – Premonition Man

Sinopse:
“O Homem das Premonições” conta a história de Christopher Robinson, uma pessoa comum, dessas que encontramos todos os dias. Ele não é um místico ou religioso, mas desde 1989 vem sendo perseguido por premonições e sonhos premonitórios regularmente.
Conhecido como o “Detetive dos Sonhos” Christopher vem tendo premonições de acidentes de avião, atrocidades terroristas e assassinatos, há mais de vinte anos.
Os sonhos começaram em 1989, quando a Inglaterra estava sofrendo com o terrorismo irlandês e vivia sob ameaça constante da organização conhecida como IRA. No primeiro sonho Christopher ficou assustado e horrorizado, ele havia sonhado com uma bomba explodindo e, mais tarde, iria ler sobre o mesmo evento no jornal do dia seguinte. Ele prontamente contatou a polícia e foi tratado inicialmente com descrença e, quando suas previsões se tornaram realidade, foi detido e acusado inicialmente pelo atentado.
Não demorou muito para que as autoridades percebessem que Christopher não era o autor do crime, mas apenas um inocente mensageiro, tentando convencê-los de que eu não era louco, e que havia tentado mudar o curso dos acontecimentos. Os sonhos raramente são simples, mas ao longo dos anos Christopher aprendeu a ler as mensagens enigmáticas e muitas vezes entender seus significados.
O Homem das Premonições” contém entrevistas com cientistas, investigadores psíquicos, psicólogos e jornalistas, que já cruzaram o caminho de Christopher e confirmaram suas premonições extraordinárias. Em Abril de 2001 Christopher, em uma tentativa de ter seu dom cientificamente testado, contatou o professor Gary Schwartz, da Universidade do Arizona. Schwartz é um cientista publicado e respeitado especialista em indivíduos que parecem ter habilidades psíquicas.
Schwartz foi cético em relação às afirmações de Christopher, mas finalmente concordou em fazer algumas experiências. Schwartz construiu uma experiência em que Christopher teria que sonhar com dez destinos durante dez dias, antes que o destino fosse escolhido por uma terceira pessoa, que os sortearia de um total de 20 possibilidades. Esses testes ficaram conhecidos como os “Experimentos do Arizona”, e foram realizados em agosto de 2001. Os resultados, que foram reconstituídos e examinadas em profundidade, são extraordinários.
“O Homem das Premonições” examina as “Experiências do Arizona”, e também premonições lúcidas e aterrorizantes de Robinson de atentados do IRA, 11 de setembro, os atentados em Londres em julho de 2007, e a morte da princesa Diana. Um filme essencial para qualquer pessoa interessada na natureza e dinâmica dos sonhos e da própria realidade.
Fonte: DocPrimus
Crítica:
Eu achei o documentário muito lúcido e sem sensacionalismo, que é o que acontece geralmente nesse tema. A interpretação do sonho como Christopher Robinson faz pode talvez servir para muita gente que ainda não sabe desse recurso. Eu mesmo já tive coincidências que pensei um pouco antes naquilo, acho que todos já tivemos, mas o que Christopher Robinson faz é algo extraordinário, com uma riqueza de detalhes absurda.
Acho interessantíssima a pergunta que os entrevistados levantaram sobre de onde e quem manda as mensagens para ele, pois se ele não as compreende de primeira provavelmente alguém as mande, já que estão pensando no fator espiritual como alavanca da premonição, mas o subconsciente está no meio do processo para dificultar as coisas. Mas uma outra visão para isso seria a que nós temos essa conexão incosciente do meio em que vivemos e quando deixamos o ego e nossas barreiras sociais de lado podemos alcançar, ou sentir a realidade sem a formatação que usamos no mundo quando estamos em estado de Vigília. Explicarei isso nos próximos posts.
Trailer (Legendado)
Dados do Arquivo:
Direção: Steve Gammond
Qualidade: TVRip
Áudio: Inglês
Legenda: Português (Embutida)
Tamanho: 699 MB
Duração: 00:55:22
Formato: AVI
Servidor: Depositfiles (DF) | Rapidshare (RS)
————————————————————————————————————————————–
Download (DF)
Download (RS):
————————————————————————————————————————————–

Laços – Uma Evolução Geométrica


A vida social se mostra algo muito complexo nos dias e hoje, são muitas as variações de situações, os obstáculos e os tipos de pessoas que se encontra por aí, e essa grande teia de vidas e acontecimentos ainda aumenta muito nas grandes cidades, onde há maior impacto/atrito social, claro, nem sempre resultando em algo ruim como a palavra atrito pode sugerir, mas também em algo cheio de descobertas sobre o comportamento humano e do mundo.

Conhecer pessoas é um processo delicado, muitas pessoas levam com leviandade, outras sou espontâneas e nem se preocupam com ele, apenas agem de forma instintiva, outras, como eu,  gosta de construir/planejar essa fina linha da construção de uma amizade, não que seja algo demorado, na verdade é algo bem parecido com o espontâneo, mas mais pensado do que instintivo. Claro, existe muitos outros tipos de pessoas, mas esse na minha opinião são os que mais aparecem por aí.

E geralmente para essa inter-relação existe do que eu chamo de uma “evolução geométrica” ou “evolução de formas”, sendo essa evolução o aumento de pontas, arestas e vértices de uma forma geométrica. A maioria das pessoas passa por esse processo quando se conhece alguém ou um grupo de pessoas.

Primeiro geralmente começamos “redondos”, não nos mostramos muito e tentamos ser agradáveis a ponto de tentar não causar atrito nas outras pessoas, as vezes até aceitando certas peculiaridades que não nos agradam em primeira instância, pois queremos ser aceitos pela pessoa ou grupo social em que estamos no momento, e relevamos certas coisas que não aceitaríamos com nossos amigos mais próximos. Depois de estarmos um tempo como forma “redonda” nós começamos a mostrar nossas particularidades, e pouco a pouco mostramos nossas pontas arredondas que tem grandes chances de serem aceitas, pois não provocam nenhuma grande reação das pessoas, seria algo simples como “eu pratico esportes freqüentemente” ou “eu faço aulas de yoga e gosto de pintar” , coisas que singelamente ti definiriam, seria muitos mais coisas relacionadas a ações do que pensamentos, ou ideais, que seria a terceira parte, quando mostraríamos nossas pontas, falaríamos quem realmente somos e o que pensamos, teríamos que ter construído uma boa base nas outras duas fases para começarmos a mostras nossas pontas, algumas delas muito afiadas e cheia de espinhos, dependendo da forma que as outras pessoas estariam você poderia ser muito bem aceito e fazendo ótimos amigos que gostariam de você, mas também poderia causar uma grande aversão deles se não tomar cuidado com o modo de demonstrar tudo isso, alguns temas podem causar esse tipo de situação, como por exemplo ideais políticos, vegetarianismo, religião (altas chances), aborto, drogas, ou mesmo simplesmente o modo como você olha a vida, como você lida com situações, que tipo de humor você tem, são muitos as linhas perigosas, mas para se dar bem num grupo social não é preciso entrar em assuntos “cabeças” e sim saber lidar com eles, aposto que todos temos amigos que nunca ouvimos a opinião dele sobre assuntos importantes, mas gostamos muito de te-los ao nosso redor.

Agora, devo falar que muitas das pessoas mais interessantes que encontrei na minha vida, e acredito que seja assim em todo lugar, não tem medo de demonstrar suas pontas logo na fase Redonda (primeira fase), pois ele sabe lidar com essa situação, não é algo a se temer e esconder até se sentir confortável, e sim, faz parte dele desde o começo, e mesmo que isso não seja de agrado da maioria, o assunto (ponta específica) é apenas deixado de lado, pois não vai ser a crença em um Deus diferente, ou um ideal de vida que vai afastar pessoas que se dão bem.

O triste mesmo são as pessoas que se travam muito nas primeiras fases, e vivem/demonstram uma vida totalmente “plástica” e de pouca profundidade. Enquanto também existem pessoas que começam logo com as fases das pontas e causam grande desconforto no grupo de social, chegando até ser odiado ou simplesmente afastado, pois ele não está  em sintonia com o resto do grupo.

Saber lidar com suas pontas e chegar até elas é uma arte no meio social, é preciso um cuidado muito grande com esse percurso, pois não se pode chegar rápido demais ou estagnar em certas situações.

O ideal mesmo seria todos sabermos lidar com nossas pontas, e não haver necessidade de passar por essas fases, sermos verdadeiros no primeiro instante, e não esperar para tal, só não o fazemos por causa do pensamento alheio que pode ser gerado.

Infelizmente o fator determinante social ainda é os outros para a maioria dos casos.

Facebook