Tag: poesia (page 2 of 2)

Ignorância Sábia

velho-da-praca

Sim, estamos numa constante mudança.
Mas para o que visamos, sendo que andamos sempre a esmo
cavaleiros errantes auto questionadores da verdade
que a cada cidade visitada, uma gota é acrescentada ao vaso do conhecimento
em que insistimos pensar que está sempre quase cheio,
quando na verdade isso só impossibilita o abastecimento continuo da sabedoria
seja humilde o bastante pra falar que não sabes tudo,
é o unico conselho do sábio, pois nem ele sabe tudo,
mas é um dos poucos que não para (de abastecer)
por causa disso.

O Castelo, O Tijolo e Os Manipulados

castelo-2

Sempre me disseram para tirar notas boas
e ser um advogado ou um médico quando crescer
sempre me disseram pra não ficar muito tempo atoa
e pra evitar pensamentos dificeis quando isso acontecer

Mas não estamos 24 horas monitorados
e um dia atoa eu vi acontecer.
esse não é o jogo que quero jogar
Não é nesse compasso que minha vida vai tocar
isso é uma coisa que me vem sempre a cabeça
como aquele pernilongo numa noite de verão
e você não dorme até conseguir acha-lo.

Os chefes do mundo querem que você não pense
querem que siga o manual do cidadão
mas o que é ser um cidadão perfeito?!
não seria a mesma coisa que anular toda a minha potencialidade
e a complexidade dentro de mim para finalmente ser
Apenas um tijolo desse castelo
em que o rei não nos mostra as caras
apenas manda mais cimento e nos aglomera paralisados, petrificados.

Mas mal sabe ele que trabalhadores mal incentivados
não fazem seu serviço direito.
e que não precisa de muitos tijolos soltos pra tudo desabar.
E implodir. Implodir.

O Estagnado Feliz e o Insatisfeito Ganancioso

praia

“Quanto menos consciência você tiver de sua existência ou do que acontece ao ser redor mais feliz você será. E isso é inversamente proporcional.”

“Tem gente que se contenta com o que tem e estagna pela vida inteira, realmente não sei se a natureza humana de ganância é a certa, pois quem se estagna pelo menos está contente, estado esse que o ganancioso só alcança por alguns segundos.”

Esses dois pensamentos meus realmente me colocam em cheque, e a única saída possível que vejo é que podem existir os dois ao mesmo tempo, apesar de existir uma linha tendenciadora de estilos de vida, a essência das pessoas continuam em uma correntes, o Estagnado Feliz, e o Insatisfeito Ganancioso.

O Estagnado vive sua vida tranquilamente, sem se preocupar muito com o futuro, gosta de aproveitar os momentos simples e geralmente não se envolve com projetos grandes, e trabalha em lugares em que não se exija muito esforço, que não gere stress, afinal o que importa para ele é a qualidade de vida.

O Insatisfeito evita vida tranquila, está sempre atrás de coisas grandes, e grande maioria se apega aos valores que a mídia e a sociedade passa, muitas vezes sendo extremamente fútil e materialista, ele também tem a irritação/mania de querer impor seu estilo de vida (ganancioso) para o Estagnado que não ouve ele, pois suas realidades são completamente diferentes, mas o Insatisfeito nunca desiste e sempre pressiona o Estagnado.

E é uma batalha para ver quem domina quem, de um lado ataques psicológicos do outro, a compreensão de que se deve valorizar outras coisas.

Um que se move tranquilamente num ritmo hipnotizante no outro o que precisa do vento para rastejar e mudar sua direção.

Talvez apenas a penumbra de areia molhada seja o certo, o equilíbrio.

Sentindo Momentos.

dancarina-no-chao

A saliva incontrolável emocionalmente
voava em minha direção acompanhada
de sons e palavras, verdades que não vou esquecer
me atingindo e com um susto me congelando
por instantes após as ondas sonoras atingirem meu labirinto

A tinta raivosa de uma caneta dizia
coisas horrendas sobre você
mal sabia ela que estava errada
mal sabia a mão que a segurava
que quem a manipulava se enganava

A luz entorpecida, rapidamente formava
uma imagem embaçada de seus pés
logo em seguida suas pernas
correndo contra minha direção
percebendo o ocorrido
forcei-me a ver a escuridão

O sal tristemente senti em meus lábios
e cada instante lá ele me fazia lembrar
o quão triste foi o meu dia

Em seguida sinto um abraço
um perfume, e carinhosas palavras
sendo sussurradas em meu ouvido
em forma de consolo,
ainda na escuridão sinto gosto de morango
por instantes parei de sentir e nas trevas
permaneci por mais um momento
até quando percebi que o morango se foi
a luz espetou minhas retinas,
e percebo que ela se foi
levando consigo um pouco de sal

Hoje mais calmo, consigo traduzir o que foi sussurrado em meu ouvido
“Adeus Meu Amor”
______________________________________________________________________

Parece com o Livro Contra-Ponto de Aldous Huxley, ele exagera bastante no detalhamento.
Eu gosto disso.

É meio romantico, mas esse nem foi o fator que quis usar e sim essa linguagem.

Caminhos a Escolher, Mas Ancorado.

dois-caminhos2

As vezes a fogueira deixa de queimar
As vezes o vento deixa de soprar
As vezes o mar te deixa ancorar

A vida pára, o relógio parece que o segue
pessoas andam, mas niguém o percebe
a bandeira não é mostrada, pois o vento não a asteia

O grito não sai da garganta
o punho não mira os ceus
as primeiras flechas voltam com gosto de fel

A fogueira da paixão é só faísca agora
se somos como Deus aonde está o que dizem que valem a pena morrer?
por o que devemos viver? Por o que devemos lutar?
Aonde está nossa crença? Aonde devo me focar??

Se deus não existe posso andar com minhas pernas
posso sair dessa prisão, posso ser senhor do meu templo.

Depois da calmaria vem a tempestade
mas e agora vem o que? A espera da idade?
pois a vida cabou…
Não há desafios, conflitos,nem novidades,
me sinto morto me sinto sem vida.

O que nos faz sentir vimos são os sentimento
É qndo sentimos o frio o desfrutamos de um luar
ou até de um grande dia ensolarado quando ouvimos
passáros cantando parecendo que o mundo acabou de nascer
e vemos eles cantando com tanto empenho e parecem
que nossos problemas não são nada, e são nada mesmo.

Cansei de andar, cansei de respirar
só quero deitar e fingir que morri
se não há prazer em viver não há porquê
continuar.
espero um dia achar isso.
Feito em 2005

________________________________________

Me falaram para eu comentar as poesias,

Assim como Nietzsche eu tive muitas fases de pensamentos e focos criativos, mudei muito desde 2002 (15 anos), que foi quando comecei minha introdução a saída da Matrix, e essa poesia foi numa época triste, o pior ano da minha vida para ser específico, mas faz tempo já.

Foi minha época ateu rebelde, apesar de não demonstrar meu estado atual de consciência, eu gosto de reler ou escrevir coisas como se fosse outras pessoas, se você conseguir pensar como ele, fica muito fácil argumentar.

E também acho fundamental como Soldado Anônimo/Destruidor de Dogmas que vocês entendam o personagem, foi reconstruí-lo com o tempo.

Queime Sua Chama!

450528

A vida é que nem uma vela na janela,
a qualquer momento o vento pode bater e apagá-la,
as vezes a pessoa prefere concentrar sua chama pra

queimar devagar e durar muito tempo,
mas de tão concentrada ela fica pequena

e pode ser mais facilmente apagada,
mas também existem as pessoas

que queimam sua chama com toda a força,
e intensidade acaba mostrando sua luz pra todos

a seu redor podendo as vezes apagar,
mas com certeza qndo isso acontecer é porque a vela acabou…
não porque teve medo de queimar ou iluminar…

Como você queima sua vela ???
Como você vive sua vida ?

texto de 2005

Funções e Disfunções da Engrenagem

relogio2

Uma engrenagem sozinha
asas numa pedra
pessoas tem seus dons
mas como usa-los nessa era?!

relogio sem uma engrenagem
um anjo sem asas
todos acabam perdendo sua função
por perderem sua essência

dia sem noite
divindades sem fé
acabam sendo apenas ilusões
deixadas aos seus pés

o tempo sem momentos, a memória sem lembranças
um deus sem seguidores, pessoas sem esperanças
chegam por eliminar sua caracteristica crucial
pega essa engrenagem e ponha em seu local

máquinas voltam a funcionar
sonhos a realizar
basta apenas detalhes para que se possa voar
numa noite com estrelas, esperançoso de algo Dele
que talvez nunca virá.

Poesia de 2005/6

Newer posts