Tag: netflix

O covarde só se revela quando exigido coragem

Esse texto é sobre todos os seres vivos que sentem medo.

Por vivermos em uma sociedade estável muitas vezes não sentimos o medo como ele é de verdade. Estamos acostumados a aquele medo tímido sempre presente, que questiona nosso futuro e nossas decisões, nada entre a vida e a morte, esse medo, inunda o nosso corpo de stress, nos tensiona para o abate como última forma de defesa. Claro, existem também condições psicológicas que simulam tamanho stress.

O medo é uma sensação biológica, evolutiva, tem sua função de avisar o corpo do perigo eminente e assim perpetuar nossos genes, que no final das contas é o objetivo da nossa existência biologicamente falando.

E muitas pessoas tem um grande desejo de sobrevivência dentro de si, claro, existe um elemento social também que pode potencializar o medo.

A falta de medo pode nos colocar em situações frágeis,  e delicadas, o medo nos alerta pelo o que está por vir, e isso é ótimo para nos sairmos bem de qualquer situação.

O medo na natureza serve como defesa, animais fingem de mortos, porcos espinhos se fecham, assim como as tartarugas e se protegem, gatos acionam um reflexo tão grande que pulam de forma desajeitada apenas para sair do mesmo local que estavam e assim continuar a jornada de sobrevivência.

Um dos personagens mais medrosos que apareceu nesses últimos anos é Arthurito, de La Casa de Papel, uma pessoa que abusa de seu poder, e visa apenas proteger o seu lado, essa atitude covarde visa garantir a sua sobrevivência e assim perpetuar seus genes futuramente. Pensa em abandonar a todos para sobreviver sozinho, e são inúmeras as vezes que isso teve sucesso no curso da história Humana.

Vamos dizer que é uma estratégia válida para sobreviver, não que eu concorde, ou que eu incentive, mas ela tem sua chance de dar certo caso todos estejam condenados.

Por isso a coragem é algo incrível, pois quando se tem coragem se tem medo, mas há movimento e impulso apesar do medo estar ali, o medo não o paralisa.

E estamos em constante medo, são tantas as pressões em nossas vidas, para dar certo na carreira, nos romances, nos projetos pessoais, família, autoestima e por aí vai.

Estamos sobrecarregados de medos.

Bene Brown, uma psicóloga que estuda a coragem e vulnerabilidade (tem vídeo no netflix) fala muito bem sobre como é preciso se deixar vulnerável para ter coragem, vocês acaba se expondo, não é atoa que em assaltos eles falam:  – Não banque o herói.

O herói fica sempre em perigo, quem tem coragem se expõe pelo bem dos outros, ele tem outra lógica, não é a mesma que a do covarde que pensa apenas em perpetuar seus genes, ficar vivo, ele pensa no grupo, sua preocupação está no meio social, nas pessoas que quer proteger.

Temos umas palavra até para o herói que morre nesse ato de coragem, o mártir.

Resta saber que tipo de pessoa você é, ou que tipo de pessoa você pretende ser.

Não há vergonha em ser covarde, é uma resposta natural do corpo, ter medo.

Mas, como o título desse post diz, é preciso o momento exato em que vai ser exigido que tipo de pessoa você é de verdade.

Não quer dizer que você não possa mudar.

O que é um “homem de verdade”? – Dica de documentário e websérie

O que é um homem de verdade?

São tantas as coisas que definiriam o que é um homem de verdade, e devo dizer que com certeza não seria uma só coisa que definiria o que é ser um homem, ou o que é a masculinidade.

Felizmente esse é um assunto muito abordado hoje em dia, mas ainda não o suficiente ainda, e podemos ver esse documentário sensacional que está na Netflix, The Mask you live inque aborda como o padrão de masculinidade sufoca e limita o homem, mostrando que muitos de nós, somos sensíveis e que não encaixamos nesse molde que a sociedade criou desde a antiguidade.

Devo também falar do porquê temos seguido esse padrão, e não só ele, temos seguidos milhões de padrões desde que o ser humano era macaco, ou até antes, e tudo isso serve para se organizar a sociedade, seguimos esse grupo de regras para podemos nos comunicar e nos entender, até hoje buscamos nos entender e buscar o que nos conecta como um todo, seguindo esse mapa invisível de comportamento, mas agora estamos recriando esse mapa, repensando suas formas e caminhos, e como sabemos, todo local novo ou situação nova assusta.

Devo citar aqui também outra feliz dica de um leitor, o Kaique Rezende, que é a websérie que está no Instagram chamada Homem de verdade, que também discute sobre as relações de gênero no mundo atual, em situações do dia a dia. Realmente muito rico.

Somos seres fluidos hoje em dia, como diria Bauman, estamos nos reinventando e isso causa certa perturbação dessa harmonia social.

E devemos saber que não há como frear isso, e mal sabemos o que está por vir, provavelmente essa será uma das muitas mudanças desse século, ainda teremos humanos com partes robóticas, manipulação de DNA, BODY HACK, e por aí vai.

Essa é só uma das primeiras, melhor ir se acostumando com mudança.

 

E se nós fôssemos os alienígenas?

Nos perguntamos como seria encontrar seres de outros lugares, outros planetas, dimensões há milênios e isso mostra o início de um ponto de vista, o da raça humana e o que vemos como centro do universo e “real”.

Entendemos o que é observável e mensurável, por enquanto achamos que somos a única raça inteligente viva no universo, mas e se enxergamos tudo isso errado?

Como diria Aldous Huxley, e se aqui for o inferno de outro planeta?

Enxergamos o mundo de forma objetiva, cima, baixo, esquerda, direita, mas e dentro? Quantos dentros existem?

Na série da Netflix Stranger Things nos é contado que existe uma realidade espelho, Chico Xavier nos fala, através de André Luiz, que existe uma realidade das almas sobre a Terra, cima de nós, como se fossem de outra densidade e não conseguíssemos enxergá-los.

O mundo dos mortos vem sendo examinado desde que a humanidade se organizou em cidade, e como se acredita, os mortos podem ver a gente, mas a gente não pode ver eles.

Isso tudo é especulação claro, mas cientistas estão descobrindo que talvez a resposta que queremos está dentro das coisas e não fora, como boson-higgs e como a matéria escura.

Talvez realmente seres menos densos possam enxergar mais dimensões que nós, talvez até nós poderemos um dia, talvez caminhemos pra isso na evolução, seja ela programada ou não.

Em outra série da Netflix, The OA fala sobre pessoas que voltam da morte e experienciam o outro lado, muitas pessoas que tiveram Experiência de Quase Morte, a EQM, voltaram diferentes, com habilidades, pessoas que bateram a cabeça começaram a falar outras línguas, de onde vem essas informações transferidas para nosso cérebro?

Asimov, escreve em seu livro “Os próprios Deuses”, que um outro universo pode ser menos denso que o nosso e como seria as criaturas dessa universo, podendo atravessar coisas, e outros seres também, aliás, é assim que fazem “sexo” na história.

As questões são muitas e talvez estejamos vendo que talvez sejamos o inferno dos outros, talvez não consigamos ver o que se passa em outras densidades, a não ser, como afirma o espiritismo, através de projeção astral.

Como diria a ciência, o mundo é fractal, e como diria Hermes trimagestro, tudo que está em cima está embaixo, e como diria a bíblia, assim na terra como no céu, talvez a resposta que estejamos procurando não está assim, mas embaixo, na terra, e nós, dentro de nós.

No meio de tantos “talvezes” imagine o quão estranho deve ser para um ser olhar para o seu lado e ver pessoas humanas se movendo, civilizações, e elas não conseguem se comunicar conosco, fazemos o que bem entendemos e não o que eles querem, erros ou acertos, te lembra algo?

Tudo isso se baseia no hipótese da transcendência que você pode aprender sobre no vídeo abaixo.

Esse é um vídeo que pode explicar científicamente o que estou falando.

Facebook