Tag: geométrica

Laços – Uma Evolução Geométrica


A vida social se mostra algo muito complexo nos dias e hoje, são muitas as variações de situações, os obstáculos e os tipos de pessoas que se encontra por aí, e essa grande teia de vidas e acontecimentos ainda aumenta muito nas grandes cidades, onde há maior impacto/atrito social, claro, nem sempre resultando em algo ruim como a palavra atrito pode sugerir, mas também em algo cheio de descobertas sobre o comportamento humano e do mundo.

Conhecer pessoas é um processo delicado, muitas pessoas levam com leviandade, outras sou espontâneas e nem se preocupam com ele, apenas agem de forma instintiva, outras, como eu,  gosta de construir/planejar essa fina linha da construção de uma amizade, não que seja algo demorado, na verdade é algo bem parecido com o espontâneo, mas mais pensado do que instintivo. Claro, existe muitos outros tipos de pessoas, mas esse na minha opinião são os que mais aparecem por aí.

E geralmente para essa inter-relação existe do que eu chamo de uma “evolução geométrica” ou “evolução de formas”, sendo essa evolução o aumento de pontas, arestas e vértices de uma forma geométrica. A maioria das pessoas passa por esse processo quando se conhece alguém ou um grupo de pessoas.

Primeiro geralmente começamos “redondos”, não nos mostramos muito e tentamos ser agradáveis a ponto de tentar não causar atrito nas outras pessoas, as vezes até aceitando certas peculiaridades que não nos agradam em primeira instância, pois queremos ser aceitos pela pessoa ou grupo social em que estamos no momento, e relevamos certas coisas que não aceitaríamos com nossos amigos mais próximos. Depois de estarmos um tempo como forma “redonda” nós começamos a mostrar nossas particularidades, e pouco a pouco mostramos nossas pontas arredondas que tem grandes chances de serem aceitas, pois não provocam nenhuma grande reação das pessoas, seria algo simples como “eu pratico esportes freqüentemente” ou “eu faço aulas de yoga e gosto de pintar” , coisas que singelamente ti definiriam, seria muitos mais coisas relacionadas a ações do que pensamentos, ou ideais, que seria a terceira parte, quando mostraríamos nossas pontas, falaríamos quem realmente somos e o que pensamos, teríamos que ter construído uma boa base nas outras duas fases para começarmos a mostras nossas pontas, algumas delas muito afiadas e cheia de espinhos, dependendo da forma que as outras pessoas estariam você poderia ser muito bem aceito e fazendo ótimos amigos que gostariam de você, mas também poderia causar uma grande aversão deles se não tomar cuidado com o modo de demonstrar tudo isso, alguns temas podem causar esse tipo de situação, como por exemplo ideais políticos, vegetarianismo, religião (altas chances), aborto, drogas, ou mesmo simplesmente o modo como você olha a vida, como você lida com situações, que tipo de humor você tem, são muitos as linhas perigosas, mas para se dar bem num grupo social não é preciso entrar em assuntos “cabeças” e sim saber lidar com eles, aposto que todos temos amigos que nunca ouvimos a opinião dele sobre assuntos importantes, mas gostamos muito de te-los ao nosso redor.

Agora, devo falar que muitas das pessoas mais interessantes que encontrei na minha vida, e acredito que seja assim em todo lugar, não tem medo de demonstrar suas pontas logo na fase Redonda (primeira fase), pois ele sabe lidar com essa situação, não é algo a se temer e esconder até se sentir confortável, e sim, faz parte dele desde o começo, e mesmo que isso não seja de agrado da maioria, o assunto (ponta específica) é apenas deixado de lado, pois não vai ser a crença em um Deus diferente, ou um ideal de vida que vai afastar pessoas que se dão bem.

O triste mesmo são as pessoas que se travam muito nas primeiras fases, e vivem/demonstram uma vida totalmente “plástica” e de pouca profundidade. Enquanto também existem pessoas que começam logo com as fases das pontas e causam grande desconforto no grupo de social, chegando até ser odiado ou simplesmente afastado, pois ele não está  em sintonia com o resto do grupo.

Saber lidar com suas pontas e chegar até elas é uma arte no meio social, é preciso um cuidado muito grande com esse percurso, pois não se pode chegar rápido demais ou estagnar em certas situações.

O ideal mesmo seria todos sabermos lidar com nossas pontas, e não haver necessidade de passar por essas fases, sermos verdadeiros no primeiro instante, e não esperar para tal, só não o fazemos por causa do pensamento alheio que pode ser gerado.

Infelizmente o fator determinante social ainda é os outros para a maioria dos casos.

Geoglifos no Acre

geoglifo1

O que são?

Geoglifos são vestígios arqueológicos representados por desenhos geométricos (linhas, quadrados, círculos, octógonos, hexágonos etc…), zoomorfos (animais) ou antropomorfos (formas humanas), de grandes dimensões e elaborados sobre o solo, que podem ser totalmente e melhor observados se vistos do alto, em especial, através de sobrevôo.
Geoglifos podem ser encontrados em várias partes do mundo. Os mais conhecidos e estudados estão na América do Sul, principalmente na região andina do Chile, Peru e Bolívia.
As linhas e geoglifos de Nasca, no Peru, são os exemplos mais conhecidos desses desenhos. Os mesmos foram descobertos em 1927, com o advento da aviação comercial. A Dra. Marie Reich dedicou a sua vida aos estudos dos geoglifos de Nasca. Embora bastante conhecidos, os geoglifos de Nasca ganharam fama mundial com o lançamento do livro “Eram os Deuses Astronautas” de Erich von Daniken.
Há alguns anos geoglifos também foram encontrados na região amazônica brasileira. Mais precisamente no Estado do Acre. Foram percebidos em 1977, quando o Prof. Ondemar Dias, do Instituto de Arqueologia Brasileira do Rio de Janeiro esteve nesta região localizando e estudando sítios arqueológicos, como parte do inventário nacional que estava sendo realizado pelo PRONAPABA – Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas da Bacia Amazônia.
De lá para cá outros locais com estas estruturas foram descobertos e, entre 1985 e 1994 um desses sítios (Los Angeles, na Fazenda Ouro Branco) foi escavado por duas equipes, das quais participaram o Dr. Ondemar Dias (Coordenador), Profa.Mauricélia Sousa, Prof. Marcos Vinícius das Neves (Sub-coordenadores), Dra. Rosângela Menezes, Dra. Jandira Neto Dias, Prof. Divino de Oliveira, Valmir de Araújo, David Barroso, Maria Luiza Ochoa, Dr. Jacó Piccoli e Dr. Ondemar Blasi, entre outros. Os pesquisadores encontraram muita cerâmica indígena, o que indicava locais de antigas aldeias. ((Dias Júnior, O.F. & Carvalho, E.T. 1988 e Neves, M.V. 2002).

Visão Aérea

A real dimensão e extensão da área geográfica de ocorrência dessas estruturas, no entanto, só foi realmente percebida através de observação aérea.
Em meados da década de 1980, o Prof. Alceu Ranzi, ao olhar pela janela de um avião, em vôo comercial entre Porto Velho e Rio Branco, percebeu uma estrutura circular dupla, na margem da BR 317. Na época, em avião monomotor, uma equipe sobrevoou a área e o registro fotográfico foi obtido pelo fotógrafo Agenor Mariano. A nota da descoberta e as fotos foram publicadas na edição de 15 de Agosto de 1986 no jornal “O Rio Branco”.
Em 1999, em outra viagem, um vôo comercial de Porto Velho para Rio Branco, novamente o Prof. Alceu Ranzi, percebeu uma dessas gigantescas estruturas da janela do avião. Passou então a pesquisar o assunto, primeiro conseguindo pequenos aviões para sobrevoar a área, e depois visitando pessoalmente, em terra, para a obtenção de medidas.
A partir de 2000, com as fotos aéreas obtidas pelo fotógrafo Edison Caetano, os geoglifos do Acre tiveram repercussão nacional e internacional.
No dia 16 de abril 2000, os jornais A Tribuna e A Gazeta, ambos de Rio Branco, deram notícias de capa, com fotos aéreas dos geoglifos. Em 17 de abril de 2000 a TV Acre e TV Gazeta, noticiaram o assunto.
A Revista IstoÉ, edição de 23 de junho de 2000, publicou reportagem assinada por Peter Moon, com as fotos aéreas do Edison Caetano.
Com o incentivo positivo da repercussão na imprensa, foi apresentado em 2001, à Fundação Elias Mansour, do Governo do Acre, o Projeto “Geoglifos Patrimônio Cultural do Acre”, o qual foi aprovado para receber apoio financeiro da Lei de Incentivo à Cultura e ao Desporto. Os recursos obtidos permitiram sobrevôos e mais fotos aéreas foram obtidas pelo Edison Caetano.
Em 28 de julho de 2002, reportagem sobre os geoglifos foi divulgada no Programa Fantástico da Rede Globo. O trabalho foi produzido pelo repórter Jefson Dourado da TV Acre.
Em 2005, em vôo patrocinado pela Secretaria de Turismo do Estado do Acre, o fotógrafo Sergio Vale, registrou os geoglifos da região das Quatro Bocas e da Fazenda Colorada.
Até agora está confirmada a existência de pelo menos uma centena dessas estruturas e a cada dia que passa mais geoglifos são descobertos.

Fonte: www.geoglifos.com.br

Para ver mais fotos clique aqui.

ou para usuários do Earth Google

Usuários do Google Earth ou Maps Google podem apreciar alguns dos 120 geoglifos do Acre, a partir das seguintes coordenadas: (10°12′13.32″S 67°10′18.09″W), (10°22′1.61″S 67°43′24.89″W), (10°18′24.51″S 67°13′12.50″W), (10°13′49.01″S 67° 7′26.71″W), (10°17′14.08″S 67° 4′32.97″W), (10°13′5.25″S 67° 9′28.94″W), (10°18′ 06.64″S 67° 41′41.55″W), (10°11′27.65″S 67°43′20.11″W).

Documentário relacionado.
Alienígenas Ancestrais

Facebook