Tag: filosofia

Lista das 10 Áreas Menos Promissoras – Um Futuro Triste para o Pensamento.

A revista americana Forbes, levando em consideração o mercado de trabalho nos Estados Unidos, fez um ranking com as dez profissões menos promissoras. Foram usados quatro critérios: salário dos recém formados, salários dos profissionais mais experientes, taxa de desemprego entre recém formados e taxa de desemprego entre profissionais mais experientes. A pesquisa considerou recém formados os jovens entre 22 e 26 anos, e os mais experientes, os profissionais com idades entre 30 e 54 anos. Confira abaixo as dez profissões menos promissoras:

  1. Antropologia e Arqueologia
  2. Artes relacionada a vídeo e fotografia
  3. Artes plásticas
  4. Filosofia e teologia
  5. Artes
  6. Música
  7. Educação física
  8. Design gráfico
  9. História
  10. Literatura e letras

Continue reading

O Homem Bicentenário – O que é o Ser humano?

leWfVzSmV50Fb1Idg5qRczw4nww

Estou neste momento assistindo mais uma vez a esse filme que sempre me faz pensar, “O Homem Bicentenário”, baseado na obra de Isaac Asimov. Esse filme é um profundo questionamento sobre o que nos torna humanos, desde a biologia até a psicologia, a filosofia e a ética. Refinando a trama do filme, que conta a história de um robô defeituoso, que misteriosamente nasceu com propriedades comportamentais próximas do humano, como a criatividade. Ele tem um ótimo senso artístico e cria relógios de pêndulo, com formas magníficas. Aos poucos ele revela outro potencial humano: o da interrogação sobre si mesmo. Não chamaria isso de consciência, mas se equivale a ela. Os humanos tem esse potêncial de reconhecer a si mesmos, e a comparar-se com os outros. Mais que isso, tem o potencial de questionar sobre si, suas origens e sobre o que o faz ser o que é.

Continue reading

Um Ótimo Debate sobre a Existência do Jesus Histórico

Gostei muito desse Debate, por isso gostaria de compartilhar com vocês as informações expostas nele.

Quatro especialistas discutindo a existência do Jesus mitológico, histórico e místico, só fiquei triste de não relacionarem muito a história de Jesus com outras religiões, há apenas uma rápida menção de Mithra, mas há muitos outros que também há referências astronômicas disfarçadas em sua história, ou mitologia. Como por exemplo o dia 25 de dezembro que é aniversário de muitas figuras mitológicas é porque no dia 25 termina o solstício de inverno, ou seja, há 3 dias de escuridão, ou de menos sol dependendo do lugar, e três dias depois do dia 22 de dezembro, o Sol nasce denovo, a referência fica no fato de vários deuses terem como símbolo o Sol, e até uns terem como história serem seres (deuses) vindos do Sol.

Um livro que aconselho muito a ler sobre o assunto é o Assassinato de Cristo do psicólogo Wilhelm Reich tão falado aqui no site.  Há uma sensibilidade incrível por parte de Reich ao tentar entender a mente de Jesus na época, um Homem normal com idéias novas para a região, e como a visão dos seguidores de seu “messias” influenciaram e muito as histórias contadas anos depois.

Deepak Chopra também fez um romance sobre Jesus, mas não cheguei a ler, vocês também podem procurar um quadrinho Yeshua.

Espero que gostem, esse Mário Cortella é sempre muito didático, são muito bons os videos que vocês encontrarão deles.

TEDxDaLuz – Robert Happé – Servindo a onda da luz

Uma incrível mensagem de amor e consciência.

Outra Entrevista.

 

O que falta não é energia, mas Teleologia!

 

Pintura de Alex Grey

Estava hoje lendo na internet sobre o conceito de energia. Para falar a verdade, não entendo nada de física, não a estudei na escola nem para o vestibular. Sempre tive problemas com cálculos, e estudar as fórmulas era inútil. Mesmo assim, sempre senti um profundo respeito por essa área, e li algumas coisas sobre vários assuntos dessa disciplina, sobretudo os livros que “romantizam” a física, ou seja, que traduzem as fórmulas em teorias mais fáceis de serem compreendidas por nós, pobres mortais…

Fico sobretudo atento aos novos avanços da ciência física, principalmente a quântica, e os efeitos que elas criam em nossa concepção de realidade. Muitos se baseiam nessas novas teorias, como o caso das ciências noéticas, que mostram o poder da consciência e do pensamento em modificar o mundo. Esse é o novo paradigma: temos o poder para mudar tudo, para criar novas realidades. O pensamento possui um poder gigantesco, que se souber ser usado daria conta dos fenômenos parapsicológicos, como mover objetos (telecinesia) ou ler pensamentos.

O conceito de energia aqui ganha um estatuto essencial: compreende-se que o corpo possui campos energéticos, alguns provados e outros a serem provados, o que daria status científico a essas explicações.

Entretanto, acho que o buraco é mais embaixo… ou seja, compreender a mecânica de como o corpo realiza esses fenômenos ainda não aceitos pela ciência oficial, compreender também que há, para além do corpo físico, um corpo energético capaz de sobreviver após sua decomposição no mundo físico, tudo isso somente possibilita para a gente dizer: tá, é assim que funciona!

Sim, esses fenômenos seriam então considerados reais, novas pesquisas seriam realizadas e o campo científico seria modificado grandemente. Sim, as religiões teriam muito de seus dogmas confirmados ou refutados, as pessoas repensariam na forma como vêem o mundo… mas ainda falta algo, que a explicação em termos da física ainda não dá conta.

– Em primeiro lugar, é o que se chama de Teleologia, o estudo das finalidades últimas das coisas. Esse mundo que temos aqui, ele é gratuito? Ele surgiu do nada, por uma explosão (Big Bang), sem causa e nem motivo? Há algo que age, como em Aristóteles, como causa final, aquilo que explica o porquê de todas as coisas?

– Em segundo lugar, a Liberdade: há alguma liberdade, ou seja, alguma escolha livre e indeterminada, que parte de algum lugar, ou de alguém, ou de algum ponto no espaço? Ou tudo tem uma determinação específica, tem uma causa e um efeito específico?

Ora, não importa que haja uma alma, ou seja, que haja uma espécie de “corpo espiritual” exterior ao corpo material, biológico. Interessa sim se essa alma, ou mesmo esse corpo biológico antes da morte, possui uma liberdade de escolha, uma individualidade que opta por algo. E, no contexto mais geral, como é que fica a questão entre o mundo ter uma finalidade, um propósito, ou em ser aleatório, determinado pela rede de causa e efeito?

Assim, a questão muda de figura. Os espiritualistas querem a física para se mostrarem reais e científicos, mas o que fica de lado é o essencial. Somos livres? somos determinados? há um propósito em tudo isso? Não posso responder diretamente a essas questões. Muito o que diria seria crença, fé, ou apenas opinião. Me entusiasmo mais em achar a verdadeira questão do que em respondê-la. Pergunto à vocês, leitores, o que acham? Qual a opinião de vocês e como vocês defendem essa opinião? Vou deixar aqui duas perguntas, e seria interessante se quiserem se envolver nesse debate.

– Existe liberdade? onde (no espiritual, no material, etc) ou em quem (no homem, em Deus, na alma, em todos os seres, etc)?

– O que existe possui finalidade, propósito? Essa finalidade, se existe, é vontade de alguém (ou seja, os homens ou Deus ou qualquer outro ser é quem deseja e faz o mundo ser o que é), ou ela é fruto do acaso, das coisas como surgiram (por exemplo, somo o que somos pois as vivências que tivemos aumentaram a possibilidade de sermos desse jeito)?

E aí, o que vocês acham?


Debate: Corpo, alma e consciência: somos o mesmo depois da morte?

Para esquentar as discussões no site, começaremos a promover, esporadicamente, discussões entre os moderadores, tendo um tema em comum e buscando conflitar ideias, debater pontos opostos, para que todos possam ver os diversos lados que cada reflexão pode nos levar.

O tema desse debate, realizado entre Vitor e Mako, foi a questão da alma, da consciência e da vida após a morte. a inspiração para essa discussão está nesse texto (clique aqui) postado no site, sobre Reich.

Vitor:

Sabe q to ensaiando ler Reich? Gosto da ideia das couraças de carater, mas não entendo de onde ele tira a ideia do orgônio, essa energia única que move o individuo. Eu acredito em multiplas energias. Você já leu Frijof Capra, principalmente o livro “A teia da vida”? O interessante de sua teoria é que a vida é considerada um sistema sintrópico (o oposto da lei da entropia – enquanto a entropia fala da tendência à desordem, ao menor nível de energia, a sintropia fala das organizações que visam manter um nível estável de tensão, como os organismos vivos, que precisam constantemente de energia, senão morrem), uma organizacao contraria a entropia, e que necessita de um constante fluxo de material e energia para que mantenha a organizacao.

Entao, creio q somos, como dizem as modernas filosofias, uma “dobra”. Imagine o mundo como um conjunto de forças, que se degladiam constantemente. Em um determinado momento, essas forcas exteriores se dobram, criam um “dentro”, o sujeito. A dobra, como um espelho, reflete as forcas (Quem quiser saber mais sobre isso, leia o livro de Deleuze sobre Foucault, clique aqui, principalmente a partir da página 101)… ou seja, o sujeito adquire a capacidade de manipular o mundo, mudar suas forcas… surge uma forma de liberdade.

Entretanto, essa ideia de sujeito acaba por eliminar a vida eterna, pois a dobra se desfaz com a morte. A não ser que se considere haver um “tecido” que mantenha a forma, a dobra, sem o mundo.

Essa é a questao da alma. A alma seria compreendida como uma forma, que existiria fora da matéria. Mas na teoria do Capra, a materia que se organiza, e a forma depende do fluxo de materia. Se cessa o fluxo (ar nos pulmões, água, comida, e a saída, urina, fezes, isso sem falar na entrada e saida do fluxo de informação e de conhecimento), cessa a forma, como quando forma um redemoinho de agua na pia, que acaba quando a agua acaba.

A questao é: quem garante a forma do espirito? Teríamos que imaginar que as formas são independentes, e que elas vem de outro lugar. Esse seria um problema semelhante ao de Platão, aristóteles, Descartes, das filosofias religiosas, etc., de todos que acreditavam em algo fora da matéria.

Perguntaria pra você, como provocação: de onde vem a alma?

Mako:

 Nunca li Capra, mas milhares de pessoas ja me falaram para ler…. Reich eu acho demais, queria ler mais sobre ele, o Orgone que ele fala seria o Chi dos chineses e o Ki dos japoneses, uma energia que participa da vida e a move, seria uma energia eletromagnética de algum tipo de frequência alguns dizem, mas acho que está além do que nossa ciência consegue captar por enquanto, assim como a teoria do Campo morfogenético, algo que não compreendemos totalmente por enquanto, pelo menos a maioria das pessoas, mas que desconfiamos de sua existencia pelo simples fato de sentirmos ela…

É claro, existem estudos sérios sobre chakras e canais de energia no corpo, mas energia que fica a solta na natureza como o orgone ainda não há estudos pelo o que eu sei.
Muitos pensadores tentam explicar a alma, mas quando se fala na alma se vê a necessidade de separá-la do corpo, e mostrar que ela pode sim existir depois do término do corpo físico. Mas ela faz parte das engrenagens da vida, eu costumo dizer para as pessoas que, quanto menos algo é sólido, mais necessitamos dele, se formos colocar em ordem, sem comida duraríamos uma semana, sem água alguns dias, sem ar, alguns minutos, sem energia, nenhum segundo.
Nos meu estudos sobre espiritismo e o mundo espiritual,percebo que a alma é algo constante, ela está entrelaçado com várias coisas e pessoas, não de um modo físico, como por exemplo você se amarra a sua TV, celular e computador na sala com linhas, mas sim algo de frequência, como na física quântica (que fótons distantes vibram na mesma frequencia e agem da mesma forma a milhões de km de distância), há uma conexão ainda não desvendada.
No espiritismo parece que vamos perdendo a “forma” com o elevar da consciência até nos tornarmos parte do todo, ainda não descobri o propósito de crescer pessoalmente, e nem de onde surgiu a iniciativa de se ajudar as pessoas para isso, mas como tudo indica que há um caminho correto, esse caminho tem que ser algo que faz parte da estrutura do universo, como o sentimento de amor ter a frequência que une pessoas, tudo é interconectado.
É como você falou de multiplas energia, eu realmente acredito que elas existam, mas tendemos a acreditar que quando falamos de algo mais “sutil” estamos determinando sua energia, como por exemplo o chakra ser um campo eletromagnético, os estudos indicam e confirmam que sim, mas se for muito mais,  e se tivermos esse véu de ignorância e limitações tecnológicas nos privando de ver um pouco mais do que chamamos de realidade?
É muito provável que sim.
Outra questão:
Como deixar de ter consciência de si mesmo com um individuo único pode significar a morte? Acho que a morte foi mal compreendida, ela é apenas uma palavra para identificarmos o fim de uma fase, não diriamos que os peixes estão mortos por não terem consciência de si próprios, eles, assim como os outros animais e plantas, fazem parte de um organismo maior, que seria o Planeta inteiro sendo um ser vivo, eles (os animais) fazem parte da mecânica, ou se preferir, consciência da Terra, acho que perdemos a capacidade de nos distinguir dos outros seres vivos é rumar em direção a fonte primordial da vida, do universo, fazer parte do todo de novo.
Realmente acho que não perdemos a consciência, e sim iremos fazer parte de outra ainda maior, que contém outras da nossa frequência, ou elevação espiritual, e todos desse nível teriam a mesma compreensão do universo, sendo assim tomando as mesmas decisões, e nunca entrando em conflito, como olhar para um cardume de sardinhas e ver que apesar da gigantesca numerosidade delas, elas nunca colidem. Acho que deixamos o que nos faz humano para tras e nos tornamos algo a mais.
Muitos escritores de ficção cientifica se deparam com algo parecido quando vão falar de vida artificial, ou seja, robôs, alguns teriam uma consciência compartilhada, um cérebro que controla todos, outros teriam a noção de indivíduo e nunca tomariam decisões contando com todos, pois ele não faz parte daquele grupo.
Mas não diria que um deles é mais evoluído que outro, mas com certeza ter uma consciência compartilhada tem suas vantagens.
Vitor:

A questão aqui, creio que não é a morte, mas a concepção de sujeito por trás de tudo. Homem e animal são vivos, mas não há como saber se o animal possui uma subjetividade.

O homem enquanto sujeito já está integrado a um todo, ele não é um indivíduo isolado. Porém, isso não tem relação com o que se chama de alma. O conceito de alma, historicamente falando, se associa a uma essencia individual, ou seja, a algo que determina a individualidade de uma pessoa. Estou falando de forma grosseira, mas a questão é: essa mudança de fase que a morte cria, ela mantem essa “individualidade”? Se unir ao todo, á consciência do todo, é se ver misturado ao outro. Ora, o que marca nossa relação com o mundo é a diferenciação/identificação: como em Espinoza – algo nos compõe e algo nos decompõe. Para ser afetado, deve haver uma relação de diferença, para haver diferença, não pode haver o todo. Ser tudo é, ao mesmo tempo, ser nada.

Como conceber que somos uma alma que se integra ao todo, e ainda tem conciência dessa união? Se não é importante ter consciência de si, o conceito de alma se torna irrelevante, pois a materia do corpo e sua energia já se integram ao todo do mundo. Nossos átomos estão por aí a bilhões de anos.

Creio que ai está um problema: de que tipo de sujeito falamos? Um sujeito, totalmente consciente de si, cuja unidade persiste depois da materia, ou uma subjetividade momentânea, que depende das relações que traça com as coisas e com os outros?

A ideia de alma perde sentido quando se fala em uma consciencia partilhada. Aliás, consciência de si implica em um poder de conhecimento para além do que o homem pode ter, e por isso hoje vemos tantas críticas as teorias de Descartes.

Creio que a ideia de se sentir parte de um todo maior é somente pensar numa consciencia em grande escala. Um Deus formado por todos os seres unidos. Aí, a individualidade e a consciência de si, que não sentimos no unico homem, passa a fazer parte da Terra, um ser cósmico.

Então, a questão seria: há um ser cósmico? Bom, essa e outra questão, e não cabe aqui, talvez para uma próxima conversa…

Entrevista: Robert Happé – Consciência é a Resposta


Parte 2
Parte 3
Parte 4

Uma Chuva Torrencial de Sabedoria, fico muito feliz quando vejo que existem pessoas que pensam exatamente como eu, esse video eu tinha colocado como referência em outro post, mas de tão bom resolvi dar a devida importância/destaque a ele.

 

O Homem e a Queda de seu Pedestal

Falar sobre o homem, a humanidade, é uma tarefa complicada. Isso, pois não estamos falando de um objeto visível à nossa frente, ou de uma bactéria em um microscópio ou qualquer fenômeno a ser testado. Nem mesmo do corpo enquanto esse conjunto de células que os biólogos e médicos tratam. Falar do homem é tornar-se objeto a si mesmo. Ou seja, é olharmo-nos no espelho, é ver o que somos, mas sabendo que somos nós mesmos quem questiona. Somos o ponto de partida e de chegada dessa questão.

O texto que escrevo aqui é introdutório dos temas que irei tratar com mais cuidado ao longo de minha contribuição para o blog. Assim, já destaco os riscos que correremos nesse caminho, preparando-nos para as discussões já feitas e para as que virão. Destruir dogmas, essa tarefa não é fácil. Temos que abalar suas estruturas, para que elas caiam por conta própria, caso o leitor assim o queira. Se estamos na física, na biologia, na química, etc., eliminar dogmas seria mais fácil, isso no sentido de que, assim que uma teoria se confirma ao longo dos estudos, pouco resta aos outros cientista senão adotar esse ponto de vista, nem que seja para tentar provar seu erro. Assim foi com as grandes viradas de nosso conhecimento, Galileu, Newton, Einstein, e isso para ficar nos mais conhecidos da física.

Agora, e quando nos passa pela cabeça aquelas perguntinhas já piegas de tão repetidas: o que somos? de onde viemos? Onde estamos? Por mais que pareçam ridículas, elas refletem algo que sempre nos incomoda. Respondê-las é difícil, pois se tratam de coisas que não estão facilmente a nosso alcance, e que não nos fornece dados diretos na realidade que vivemos. Assim, várias correntes, abordagens e teorias se formam na busca dessa explicação. Mostrar o erro de alguns pontos de vista depende cada vez mais da crença de cada um, ou dos poucos dados que pode obter. Principalmente quando perguntamos sobre nós mesmos. A Psicologia, que se propõe a estudar o sujeito humano (definindo-o de acordo com sua posição teórica e ideológica, mas que em geral refere-se a nós mesmos, pessoas, indivíduos, etc), é composta por inúmeras abordagens diferentes, cada um dando conta de alguns fenômenos sobre nosso psiquismo, mas deixando de compreender outros. Cada um prega um tipo de homem diferente, e fica difícil a tarefa de criticar cada corrente.

Continue reading

Frases de 2009

Lista

A infelicidade não está no sofrimento, e sim na falta de competência de dar significado a ele. Sofrimento é complementar a vida.

A Sabedoria dos Pequenos Sobrepojará Qualquer Penumbra dos Fracos de Espirito.

A arte é a melhor maneira de catarse para os evoluÌdos de espÌrito, e excluídos de leis.

Tentar esquecer uma experiência de vida é decaptar uma boa chance de evoluir intelectualmente.

As pessoas que bebem alcool com frequÍncia são as que não conseguem se sentir felizes ou alegrar o ambiente sem um artifício. Se é que conseguem fazer com um.

Assim como numa onda de som, quanto mais baixo você desce, igualmente alto subirá.

Todos em nossas vidas temos a missão pre determinada de alcançarmos a iluminação/perfeição, mas poucos entendem que o sofrimento são os degraus da vida, não a felicidade, ela que se encontra no topo dessa escada, e um pouco a cada passo dado.

A dor mais desumana será ofuscada pela luz da vitória.

As melhores histórias de heróis depende unicamente da complexidade do vilão, pois só com uma escuridão envolvente e aterrorizante que a verdadeira luz divina do herói poderá sobrepujá-la.

A maior e mais aterrorizante forma de manipulação é aquela que não podemos ver nem ouvir, na verdade quase não nos damos conta dela, mas ela nos envolve como o ar a nossa volta.

A luta contra um exército sem um propósito/lider é igual derrubar ume castelo de cartas e deixar sua mão parada, algumas cartas batem na sua mão, mas no final o castelou desabou.

A coisa mais rara no mundo é ver pessoas atrás da verdade, para chegar até ela é preciso fazer perguntas, enquanto que para chegar nas mentiras basta ficar em silêncio.

*Antes de começar o blog eu só fazia frases, postarei minhas idéias e reflexões em forma de frases.
Por Marcos Paulo G. Abe

O Maior Clichê do Mundo

concentracao

Desejo a Paz Mundial

Existe muita plasticidade e imcropreensão da Mente Humana nesse desejo.
As guerras podem acabar, as mortes e as perdas, mas será que isso basta?

É realmente efetivo esse desejo? Imagine uma lei no Mundo – Não pode Haver Guerras- chegaremos a paz, mas apenas, todo o pré-conceito, ódio, falta de compreensão e injustiça permanecerá, a guerra é apenas o epifenômeno de muitos outros fatores que se acumulam e multiplicam suas potências para igualar num desastre.
Fridrich Nietzsche dizia que devemos sofrer para sermos felizes, a felicidade dele, e realmente concordo e acrescento umas frases que formulei faz tempo, “Sofrimento não significa infelicidade, a infelicidade vem da sua imcopetência de dar significado ao sofrimento”, “Assim como numa onda de som, quanto mais baixo você desce, igualmente alto subirá”, Nietzsche fez uma frase parecida também “A árvore que queira crescer até o céu deve mandar suas raízes até o inferno”, o sofrimento faz parte da vida e não deve ser evitado nem esquecido, o sofrimento destrói pessoas que levam ele para o lado negativo, tomando outra frase famosa “O que não me mata, me fortalece”.
As leis impostas não mudam a essência do povo, zeitgeist de hoje em dia está destinado a se corromper, claro, existe exceções, e essa são as que tentarão mudar isso, são os Jihad(na essência da palavra, aquele que luta contra seus desejos, contra si mesmo).

Se tivesse que pedir algo, pediria Compreesão, paciência, determinação e coragem, acho que mudando ou tendenciando a essência dessas virtudes entraríamos no novo estágio de consciência.

A Paz pode ser aparente, mas dentro das mentes estará borbulhando furacões tempetuosos de emoções, e mesmo assim, tudo parece calmo.

Facebook