Tag: eletricidade

Tesla inventa um telha solar mais barato que os telhados comuns

Telhado solar da Tesla deve ser mais barato do que telhados comunsA tecnologia já tinha atraído os olhares pelo fato de ter um design mais harmonioso. | Foto: Divulgação

A tecnologia já tinha atraído os olhares dos consumidores e empreendedores pelo fato de ter um design mais harmonioso com os projetos arquitetônicos. As placas criadas pela Tesla não são aplicadas sobre as telhas, como acontece normalmente, o que mantém todo o padrão estético dos edifícios. São as próprias telhas que geram energia.

Divulgação

Além disso, ao anunciar o novo produto que estará disponível em quatro modelos diferentes, Musk ainda garantiu que o sistema é apenas 2% menos eficiente do que os painéis solares tradicionais e é mais durável do que as telha comuns.

“É bastante promissor que um telhado solar irá custar menos do que um telhado comum. Então, a proposta básica deveria ser ‘você gostaria de um telhado que é mais bonito do que os normais, dura, pelo menos, duas vezes mais, custa menos e ainda gera eletricidade limpa? É como perguntar porquê alguém teria qualquer outra coisa”, disse o CEO em anúncio oficial.

Clique aqui para ver os detalhes desta placa solar revolucionária.

Fonte: CicloVivo

Inventaram uma torneira geradora de energia através do movimento da água

Duas coisas que são fundamentais para vida moderna – água e energia elétrica – ainda são artigos de luxo em algumas partes do mundo. Sabendo disso, o coreano Ryan Jongwood criou uma torneira que gera eletricidade com o movimento da água no encanamento. Dá pra acreditar?

Chamada de ES Pipe Waterwheel, o conceito é semelhante ao aproveitamento de energia cinética dos moinhos de água, por exemplo. A eletricidade fica armazenada em lâmpadas específicas e, quando estão carregadas, são utilizadas para iluminação ambiente.

ES Pipe Waterwheel foi finalista no Prêmio IDEA, uma das principais competições de design do planeta. Além de muitos benefícios, o sistema é fácil de usar e instalar no encanamento já existente. Assista ao vídeo ilustrativo, logo abaixo:

Fonte: http://engenhariae.com.br/

Google vai gastar 1 bilhão de dólares em satélites para espalhar wi-fi pelo planeta inteiro, e com isso poderá realizar o sonho de Nikola Tesla

 

O Wall Street Journal divulgou que o Google planeja gastar mais de 1 bilhão de dólares numa frota de satélites que serão usados para fornecer serviço de internet em partes do mundo que ainda não estão totalmente conectadas.

De acordo com “pessoas próximas ao projeto”, o Google usará 180 “pequenos satélites de alta capacidade” que orbitarão em torno da Terra em baixa altitude. A equipe responsável será liderada por Greg Wyler, que criou a startup O3b Networks Ltda., e o Google está contratando engenheiros de empresas que trabalham com satélites, como a Space Systems/Loral LCC, afirma o jornal.

Se a reportagem estiver correta, Wyler está liderando um time que tem “entre 10 e 20 pessoas” e tem se reportado diretamente a Larry Page. O objetivo do projeto é oferecer internet para áreas do planeta que tem pouca ou nenhuma conexão e custará entre 1 e 3 bilhões de dólares, a depender de como ele caminhar e do tamanho final das redes. O jornal também afirma que numa fase posterior, “o número de satélites poderá dobrar”.

Fora esses detalhes técnicos, ainda há poucas informações sobre o projeto, mas vamos nos lembrar de que esse não é o único projeto do Google que fará com que a internet venha do céu: a gigante da internet também está fazendo testes com balões com sinal de rede e, além disso,comprou uma empresa de drones com o objetivo de cobrir o planeta com sinal de Wi-Fi.

Embora as primeiras tentativas de espalhar a internet via satélite pelo mundo não tenham tido sucesso, é bom pontuar que o maior problema era a escalada de custos. Mas agora o Google está trabalhando em três projetos de alto nível que usam aparelhos aéreos para conectar o mundo e o preço claramente não é um problema para a companhia de Larry Page.

Por quê? Bom, além do óbvio — o Google é podre de rico —, disponibilizar internet para locais que ainda não são conectados pode contribuir para abrir uma vastidão de novos mercados e o Google claramente quer que seus produtos e serviços sejam a primeira opção para todas as pessoas do mundo. Todas mesmo. [Wall Street Journal]

Uma outra questão é saber se até lá o Google irá transmitir Wi-Fi ou Li-Fi, que é uma espécie de Wi-Fi mas  é 100 vezes mais rápida.

E outra coisa que pouca coisa sabe também é que hoje em dia já é possível extrair energia via wi-fi, pois ela está sempre no ar indenpendente de você estar usando ou não, e tudo isso pode ser convertido em eletricidade através de um aparelho, isso implicaria no Sonho de Nikola Tesla sendo realizado finalmente.

É possível captar energia das Ondas do mar, conheça a maior usina da América Latina no Ceará

Com orçamento estimado em R$ 18 milhões, o projeto já gera energia em modo experimental na região

Considerado uma fonte estratégica para todo o mundo e, principalmente, para o Brasil, o mar vem chamando a atenção de especialistas em energia, que já testam e implantam algumas alternativas de geração, como a usina de ondas.

Localizada no quebra-mar do Porto de Pecém, a 60km de Fortaleza, a usina de ondas é a primeira na América Latina responsável pela geração de energia elétrica por meio do movimento das ondas do mar. Com tecnologia 100% nacional, a estimativa é de que o equipamento de baixo impacto ambiental esteja completamente pronto para funcionar até o ano de 2020.

O projeto dos pesquisadores da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia (COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é financiado pela Tractebel Energia, dentro do programa de P&D da Aneel, e conta com apoio do Governo do Estado do Ceará. O custo estimado é de R$ 18 milhões.

Deverão ser gerados 100 quilowatts (KW) para o abastecimento de energia do principal porto cearense. Ou seja, é possível abastecer cerca de 60 famílias.

Entenda o funcionamento

A Usina de Ondas traz como principal inovação a construção em módulos, o que permite a ampliação da capacidade.

Cada módulo é formado por um flutuador, um braço mecânico e uma bomba conectada a um circuito de água doce. A medida que as ondas passam, os flutuadores sobem e descem, o que aciona bombas hidráulicas, que fazem com que a água doce contida em um circuito fechado, no qual não há troca de líquido com o ambiente, circule em um local de alta pressão.

Essa água que sofre grande pressão vai para um acumulador, que tem água e ar comprimidos em uma câmara hiperbárica. Além das ondas, o mar oferece a possibilidade de geração de energia impulsionada pela movimentação das marés. De acordo com estudos, o Brasil tem condições de explorar todas essas fontes.

Estima-se que os 8 mil quilômetros de extensão litoral no Brasil podem receber usinas de ondas suficientes para gerar 87 gigawatts. Desse total, 20% seriam convertidos em energia elétrica, o que equivale a aproximadamente 17% da capacidade total instalada no País.

Confira o vídeo do projeto, divulgado pela Coppe UFRJ:

Energia via Wi-Fi, o sonho de Nikola Tesla realizado

PoWiFi, University of Washington, devices powered from thin air, Wi-Fi-powered electronics, WiFi, wireless power, Nikola Tesla, Nikola Tesla dream, battery-free charging, EmTech Digital, clean tech, bright ideas

E se você pudesse carregar o seu Iphone pelo ar? Dispensaríamos aquela já velha pergunta: “alguém tem carregador de iphone?”

Fazer nossa vida sem fio era um dos maiores sonhos do Nikola tesla – um sonho que na Universidade de Washitngton pesquisadores estão realizando com o PoWiFi. Shyam Gollakota e sua equipe demonstram no EmTech Digital em San Francisco que coletar sinais de rádio de retrodifusão para carregar baterias e sensores de cameras. A tecnologia também pode ser usada para carregar Níquel e Lithium, material comum usado em pilhas, até uma distância de quase 10 metros. E em uma matéria que descrevia o trabalho, chamado  Powering the Next Billion Devices with Wi-Fi (Carregando os próximos bilhôes de aparelhos com Wi-Fi), os pesquisadores deram uma descrição detalhada de como conseguiram com sucesso carregar aparelhos sem alterar a performance do roteador.

Continue reading

Bairro Solar na Alemanha produz Quatro vezes mais Energia do que Consome

São 52 casas em uma combinação de construções residenciais e comerciais, que criam uma região habitável com o menor impacto ambiental possível l Fotos: Rolf Disch

Continue reading

2012: O ano em que perderemos contato

Entre o final de agosto e os primeiros dias de setembro de 1859, grandes auroras boreais puderam ser vistas no céu de vários pontos do planeta. O belo espetáculo de luzes esverdeadas foi documentado nos EUA, em partes da Europa, Japão, Austrália e até mesmo no México (!). E o telégrafo deixou de funcionar em vários desses lugares. Não se sabia o que era, mas descobriram logo: Era uma imensa tempestade solar – a maior já documentada. Foi quando se descobriu que elas podem ser belíssimas, mas comprometem os sistemas elétricos.
Em março de 1989, uma tempestade solar intensa afetou os canadenses da região de Quebec. A rede elétrica foi a pico e entrou em colapso. O blecaute durou nove horas e deixou sem energia mais de 6 milhões de pessoas. Na Bolsa de Valores de Toronto, quatro discos rígidos de computador pararam de funcionar um após o outro. O pregão congelou – nem o backup continuava de pé – enquanto a equipe de suporte técnico tentava em vão localizar o causador do mistério. Mais de 6 mil satélites saíram de suas órbitas.
O fato é que várias tentativas de prever com exatidão as tempestades solares falharam. Mas há um indício inegável: as manchas solares desaparecem da superfície do Sol alguns anos antes do acontecimento: é a tal calmaria antes da tempestade. E isso aconteceu em 2006. Mausumi Dikpati, do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR), prevê uma tempestade ainda maior do que a de 1989 (só perderá pra de 1859). E a data, segundo ele, é 2012.

EFEITOS

O primeiro equipmento a ser afetado será o sistema de GPS. Atravessar o Oceano Atlântico de veleiro, nessa época, não será uma boa idéia. Principalmente no hemisfério norte, é bem possível que a rede elétrica pare de funcionar aqui e ali. Esta será a primeira tempestade solar intensa que viveremos em plena era da internet, das redes sem fio WiFi, do GPS de uso vasto. Somos totalmente eletrônicos, digitais. Mas, diferentemente da tecnologia do século 15, a do século 21 é susceptível aos humores da estrela mais próxima. HDs vão deixar de funcionar de uma hora para a outra sem que seus donos compreendam o motivo.
A tempestade começa na superfície do Sol, com um vento solar. É um vento rápido, forte, carregado de prótons e elétrons que são lançados no espaço. A carga afeta os vários planetas do Sistema Solar de forma diferente. O campo eletromagnético da Terra nos protege na maioria das vezes da radiação – mas, nos picos da tempestade, não há jeito que nos salve. Ela vem.
O primeiro resultado é o aquecimento da atmosfera. O ar esquenta, a atmosfera se dilata e abocanha um naco que antes pertencia ao espaço. O resultado prático é que satélites de órbita baixa, repentinamente, não estão mais em órbita e sim na atmosfera. Se bobear, alguns caem.
A radiação de prótons e íons que entram no planeta afetam microchips. Eles param de funcionar. Sim, existem chips resistentes a este tipo de radiação – fundamentais para satélites ou naves espaciais. Mas aqueles encontrados dentro de nossos computadores não são assim.
Outra conseqüência da tempestade solar é que ela induz corrente – sim, surge energia elétrica do nada. Em Quebec, o que ocorreu foi isso. Ao encontrar as linhas elétricas, os elétrons se concentraram ali. Deu sobrecarga, o sistema parou. Na primeira vez em que uma tempestade assim foi documentada, em 1859, enquanto vários telégrafos paravam de funcionar, ao menos dois operadores descobriram, estupefatos, que podiam continuar sua conversa normalmente mesmo após desligarem suas baterias. A linha estava eletrificada!
Ha uma saída, claro: Fazer suas casas como uma Gaiola de Faraday (pondo fios do telhado até o chão, enterrando-se metros abaixo da superfície). Serve para desviar a eletricidade estática e proteger seu interior. Não custa dizer que a idéia é simples, eficiente, mas é bom contratar um engenheiro para desenhá-la.

O SOL, ESTE DESCONHECIDO

Em setembro de 1994 foram detectadas fortes perturbações no campo magnético terrestre, com alterações importantes como a orientação migratória das aves e cetáceos e inclusive o funcionamento da aviação.
Em 1996, a sonda espacial Soho descobre que o Sol não apresenta vários, mas somente um campo magnético, homogeneizado. Em 1997 aconteceram violentas tempestades magnéticas no Sol e em 1998 a NASA detectou a emissão de um potente fluxo de energia vindo do centro da galáxia que ninguém soube explicar.
No dia 15 de agosto de 1999 aconteceu uma misteriosa explosão vindo do espaço, e por causa disso algumas estrelas ficaram em eclipse durante horas. As radiações das ondas de rádio, raios gama e raios X multiplicaram sua intensidade em 120%. Os astrônomos Richard Berendzen e Bob Hjellming, do Observatório Radio astronômico do Novo México, qualificaram esse fenômeno como um enigma “digno de uma investigação minuciosa”.
No dia 20 de janeiro de 2005, uma surpreendente tempestade solar alcançou a Terra com sua máxima radiação 15 minutos após as explosões. Normalmente elas demorariam 2 horas para chegar aqui. Segundo Richard Mewaldt, do Califórnia Institute of Technology, foi a mais violenta e mais misteriosa tempestade dos últimos 50 anos.
Os cientistas acreditavam que as tempestades se formavam na coroa solar, pelas ondas de choque associadas a erupções do plasma. Entretanto, neste caso parece haver se originado estranhamente no interior do astro-Rei, segundo afirmou o professor Robert Lin, da Universidade da Califórnia.
Os astrônomos ficaram perplexos. O professor Lin – principal pesquisador do satélite Reuven Ramaty High Energy Solar Spectroscopic Imager (RHESSI) – expressou sua conclusão com uma frase muito simples: “Isso significa que realmente não sabemos como o Sol funciona”.
Resumindo: O inusitado fenômeno de 20 de janeiro de 2005 acabou com os modelos de estudos da nossa ciência sobre o assunto.
E por que o Sol produziu uma atividade tão intensa e anômala neste momento? O pico máximo de atividade da nossa estrela – no seu ciclo principal de 11 anos – aconteceu no ano 2000. Em 2004 os físicos solares observaram uma ausência total das manchas, onde isso sempre anuncia a proximidade de alguma atividade no Sol. Essa atividade mínima só deveria ocorrer em 2006 (como ocorreu), alguns anos antes da máxima, prevista para 2010 ou 2012.

CALENDÁRIO MAIA

2012 ressurgiu com força total nas fofocas esotéricas por conta do fim do calendário Maia se dar exatamente neste ano. Coincidência? Talvez, mas o calendário deles (cuja origem se perdeu, mas que provavelmente remonta aos Olmecas) é bem resolvido, fechadinho, em Eras (que equivalem a 13 Baktuns). Segundo suas tradições, ao final de cada Era o mundo é destruído e recriado. A recriação do mundo na nossa Era atual se deu em 3114 a.C. e termina numa sexta, 21 de dezembro de 2012. Essa data, ao contrário da piada que diz que eles simplesmente se cansaram de escrever, não foi escolhida à toa. Nesse dia se dará um alinhamento astronômico muito raro, onde o Sol – no Solstício de inverno, que ocorrerá exatamente às 11:11 do horário universal (UTC) – estará alinhado com o centro da nossa galáxia na Via Láctea. Isto marcará o final da Era correspondente ao “Quinto Sol” e o começo de outro ciclo cósmico, chamado “Sexto Sol”.
Segundo as profecias Maias, a causa física desse término é que o Sol receberia um raio oriundo do centro da galáxia e emitiria uma imensa “chama radioativa” que transmitiria a radiação à Terra e, conseqüentemente, a todo o sistema solar. Este evento acontece antes do começo de um novo ciclo cósmico. De acordo com eles, já ocorreram cinco ciclos de 5.125 anos, completando uma série de 25.625 anos, período muito próximo ao da “precessão dos equinócios”, conhecido como “Ano Platônico” ou “Grande ano Egípcio”, correspondente a um ciclo completo formado por 12 eras astrológicas (25.920 anos). Cada ciclo finaliza o prazo de uma humanidade (raça) na Terra – primeiro a destruição, seguida pela regeneração ,que traz o ciclo seguinte. No começo de cada ciclo são feitas sincronizações da “respiração” de todas as estrelas, planetas e seres.
No dia 11 de agosto de 3113 a.C. os Maias fixaram o nascimento do “Quinto Sol” – A era atual – cujo final será em 2012. A era da água acabou com o dilúvio, a seguinte foi com uma chuva de fogo, e a nossa – chamada de “Era do Movimento” – chegará ao fim com violentos terremotos, erupções vulcânicas e furacões devastadores. A mitologia de várias culturas antigas fala de inundações catastróficas que aconteceram há uns 12.000 anos e de misteriosas chuvas de fogo, há cerca de 5.000 anos, onde pesquisadores como Maurice Cotterell associam a um grande cometa que cruzou a atmosfera terrestre.
A profecia Maia também descreve os 20 anos anteriores ao primeiro dia do “Sexto Sol” com certo detalhe. Este ciclo menor, denominado Katum, já chegou a quase dois terços da sua duração total. Ele nos permite verificar até que ponto da atualidade foi cumprido suas profecias e conseqüentemente, decidir se seus acertos merecem suficiente credibilidade. O último Katum – denominado por eles “o tempo do não tempo” – teve início no ano de 1992 do nosso calendário, logo após um eclipse do Sol, que eles profetizaram (calcularam?) para o dia 11 de julho de 1991 (e que aconteceu realmente). Segundo o Chilam Balam (livro sagrado Maia) após sete anos do início do último Katum (1999) começa uma era de escuridão e os desastres na terra (terremotos, furações e erupções vulcânicas) aumentariam consideravelmente.
O eclipse de 11 de agosto de 1999 de fato inaugurou um período de cataclismos naturais: No dia 7 desse mesmo mês houve um terremoto de 5.9° (escala Richer) na Grécia, com 218 mortos. Dia 8, inundações catastróficas na China com milhares de mortos. Dia 17, um terremoto de 7.4º na Turquia com 15.000 mortos. Dia 20, um terremoto de 7.6º em Taiwan, com 2.000 mortos. Dia 22, uma cadeia de terremotos entre 2º e 5.2º em todo o planeta. Um terremoto em Oaxaca (México), seguido de grandes incêndios devidos a explosões de gás com mais de 100 mortos, e dia 10 de outubro as chuvas produziram 300 mortos e 500.000 afetados também no México.
Não se trata de uma lista exaustiva de catástrofes, são somente alguns fenômenos que aconteceram nos dois meses posteriores ao eclipse de agosto.
As profecias Maias também falam da aparição de um cometa com alta probabilidade de impacto com a Terra, mas não falam nada sobre aparição de um outro planeta, o tão falado Planeta X ou Nibiru.
Talvez os Maias tenham se enganado e não seja preciso muitas dores para o parto de uma nova civilização (ou nova mentalidade). Talvez não tenhamos mais catástrofes do que o normal pra um povo que destrói seu próprio ecossistema em nome de um “desenvolvimento” (também conhecido como “muito dinheiro para poucos”). Ainda assim, num mundo onde cada vez mais nossas relações são virtuais e dependentes de aparelhinhos eletrônicos (eu quero meu Iphone!) teremos de nos deparar com o perigo REAL de “tudo” parar em 2012.