Tag: doença (page 1 of 3)

Se você teve, ou tem, uma doença grave e não é otimista, seus dias podem estar contados

122 homens que tiveram um primeiro ataque cardíaco foram avaliados quanto ao grau de otimismo ou pessimismo. 8 anos depois, dos 25 mais pessimistas, 21 haviam morrido; dos 25 mais otimistas, apenas 6. A forma como encaravam a vida revelou-se um melhor previsto de sobrevivência do que qualquer outro fator clínico de risco, incluindo a extensão do dano causado ao coração no primeiro ataque.

Nosso sistema nervoso e imunológico são ligados às emoções.

Nosso corpo é uma máquina e nossas emoções fazem a manutenção de tudo no devido tempo. Mas as vezes podemos não estar animados e a máquina funcionará mal, causando assim doenças ou complicações.

Quando o paciente vai começar uma cirurgia é muito importante saber o estado emocional dele, pois caso ele esteja nervoso ou com medo as chances de criar infecções, ou o que acontece com mais frequência, a veias se dilatam por causa do stress e há perda considerável de sangue, muitas vezes levando a morte.

Os pessimistas já são descuidados com a saúde, eles fumam mais, bebem mais , e fazem menos ou não fazer exercícios.

A esperança é outro fator que ajuda muito na recuperação, principalmente em casos de danos da coluna que vai envolver longos períodos de tratamento para conseguir um pouco mais de mobilidade e melhorar o seu desempenho socialmente.

O isolamento social também é um grande problema para a saúde, representando umas das taxas de mortalidade tão importantes quanto o fumo, pressão alta,colesterol alto.

O cigarro aumenta a chance de morrer e contrairmos doença em 1,6%, o isolamento em 2%.

São muitos os fatores para se ter uma vida saudável ou para recuperarmos a saúde , mas hoje temos pesquisar suficientes para apontarmos as mudanças necessárias se quisermos viver mais e melhor.

*Fica a pergunta: Se você tivesse uma doença agora quem você seria, o pessimista ou o otimista?

A resposta pode determinar o seu futuro, caso não goste da resposta, o que você pode fazer pra mudar?

O surpreendente lado ruim de ser bonito

É praticamente impossível para a maioria de nós imaginar que ser bonito demais pode ser algo negativo, a ponto de prejudicar vários aspectos da vida de alguém.

Mas para uma dupla de psicólogas da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte, nos Estados Unidos, que analisaram centenas de estudos sobre o assunto realizados nas últimas décadas, a beleza traz suas maldições.

Diante das evidências coletadas, Lisa Slattery Walker e Tonya Frevert perceberam que, de maneira superficial, a beleza é algo que carrega uma espécie de aura. “Quando vemos alguém com um atributo positivo, nosso subconsciente, por associação, acredita que aquela pessoa também tem outras qualidades”, explica Walker. “Isso é uma característica que identificamos nas primeiras interações de um bebê com o mundo”.

Para a Psicologia, essa associação intuitiva explicaria o fenômeno coletivo da premissa de que “tudo o que é bonito é bom”. Walker e Frevert descobriram uma grande quantidade de estudos que mostraram que alunos mais bonitos em escolas e universidades tendem a ser julgados por professores como os mais competentes e inteligentes – e isso se reflete em suas notas.

Além disso, a influência dessa premissa tende a aumentar com o passar dos anos. “Ocorre um efeito cumulativo: ao ser bem tratado, você se torna mais autoconfiante e tem pensamentos mais positivos e mais oportunidades para demonstrar sua competência”, afirma Frevert.

 

‘Efeito penetrante’

Ser bonito pode ajudar na carreira, mas mulheres tendem a ser vistas como menos competentes

 

No ambiente de trabalho, seu rosto pode realmente selar o seu destino. Considerando-se todas as variáveis, foi descoberto que as pessoas mais atraentes tendem a ganhar melhor e a subir mais rápido na carreira do que aqueles considerados fisicamente pouco interessantes.

Um estudo feito com alunos de um curso de MBA dos Estados Unidos mostrou que a diferença entre os salários dos mais bonitos e dos menos atraentes do grupo variava de 10% a 15% – o que significa um acúmulo (ou perda) de até US$ 230 mil ao longo da vida laboral. “As vantagens de uma pessoa bonita começam na escola e a acompanham durante toda a carreira”, conclui Walker.

Até nos tribunais, a beleza parece exercer seu fascínio. Réus mais bonitos têm mais chances de obter penas mais leves ou até serem absolvidos.

Da mesma forma, se aquele indivíduo que entrou com o processo for mais atraente, é para ele que a balança da Justiça tende a pender, fazendo com que ganhe seu caso e consiga indenizações maiores. “É um efeito penetrante”, define Walker.

Prejudicial à saúde

Pesquisas mostram que beleza pode intimidar e provocar inveja e isolamento

Apesar de a beleza ser algo favorável na maioria das circunstâncias, há situações em que ela ainda atrapalha. Enquanto homens bonitos podem ser considerados bons líderes, certos preconceitos de gênero costumam atrapalhar as mulheres atraentes, diminuindo suas chances de serem contratadas para cargos mais elevados, que requerem autoridade.

E, como é de se esperar, os bonitões também são vítimas de inveja. Um estudo revelou que se você é entrevistado para um emprego por alguém do mesmo sexo, corre mais risco de não ser considerado para a vaga se o recrutador achar que você é mais bonito do que ele.

Mais preocupante ainda é o fato de a beleza poder prejudicar a saúde: as doenças são encaradas com menos seriedade quando afetam os bonitões. Ao tratarem de pacientes com dores, por exemplo, os médicos tendem a descuidar das pessoas mais bonitas.

A “bolha” criada em volta da beleza também pode criar um certo isolamento. Uma pesquisa americana mostrou que as pessoas tendem a se afastar quando cruzam com uma mulher bonita na rua – talvez em um gesto de respeito, mas tornando a interação mais distante.

“O fato de uma pessoa ser atraente pode transmitir uma noção de que ela tem mais poder sobre o espaço à sua volta, mas isso pode fazer com que os outros sintam que não podem se aproximar dela”, afirma Frevert.

Um exemplo interessante disso foi a recente informação, divulgada pelo site de encontros britânico OKCupid, de que pessoas que aparecem lindas em seus perfis conseguem menos pretendentes do que aquelas cujas fotos apresentam algumas imperfeições, e, portanto, são menos intimidadoras.

 

Atalho ‘pouco confiável’

Por isso, como você pode imaginar, ser bonito ajuda, mas não é um passaporte carimbado para a felicidade.

Frevert e Walker, no entanto, enfatizam que as influências da beleza são superficiais e não estão arraigadas em nossa biologia, como alguns cientistas já sugeriram.

“Temos um conjunto completo de padrões culturais sobre a beleza que nos permite dizer se alguém é ou não atraente – e através dos mesmo padrões, começamos a associá-la com competência”, diz Walker.

De certo modo, trata-se de um atalho cognitivo para uma rápida avaliação.

“Assim como muitos dos outros atalhos que usamos, esse também não é muito confiável”, rebate Frevert.

E é relativamente fácil diminuir o impacto da beleza – por exemplo, se um departamento de recursos humanos recolher mais detalhes sobre a experiência do candidato antes de fazer uma entrevista, sem se deixar influenciar tanto por sua aparência.

Infelizmente, Frevert ressalta que concentrar-se demais na aparência também pode ser prejudicial se isso criar estresse e ansiedade – mesmo entre aqueles que já são abençoados com esse atributo. “Se você ficar obcecado com a beleza, isso pode alterar suas experiências e relações”, afirma ela.

Leia mais: Por que somos míopes?

Leia mais: Livro reúne fotos de idosos que desafiam o envelhecimento

Leia mais: É possível fazer um ‘back up’ do cérebro?

Leia a versão original em inglês dessa reportagem no site BBC Future.

Continue reading

Antigo Conto Cherokee sobre a Origem das doenças

cherokee

Há muito tempo, os seres humanos e os animais ainda se davam bem. Todos os povos, humana e animal, podiam se comunicar entre si e estavam em paz. Os animais há muito tempo atrás eram muito maiores do que os animais de hoje. De fato, os animais de hoje são apenas sombras daqueles que já foram.

Chegou um momento em que nós, humanos, esquecemos o nosso lugar e quebramos a harmonia. Nós, seres humanos começamos a nos reproduzir em um ritmo alarmante, e nós começamos a produção de todos os tipos de armas destinadas a destruição dos animais: lanças, arcos e flechas, zarabatanas e armadilhas de todos os tipos. Começamos a caçar, e não apenas para obter comida, mas simplesmente pelo prazer de matar. Nós, humanos, também matamos muitos animais apenas por descuido puro, nunca parando para pensar nos resultados de nossas ações. Mesmo enquanto caminhávamos de lugar para lugar, não fomos cuidadosos aonde pisávamos, de modo que muitas das pequeninas criaturas foram esmagadas até a morte ou mutiladas. Alguns seres humanos foram tão longe para matar propositadamente pequenos animais apenas por um sentimento de aversão ou repugnância, sair de sua maneira de pisar em um inseto ou esmagar uma aranha inofensiva. Ficou claro que nós, humanos, acreditávamos ser os únicos que importavam em toda a criação, e à medida que continuamos limpar a terra e construir nossas cidades.

Parecia que logo haveria mais espaço para mais ninguém a viver na terra.

Continue reading

Documentário: Sabe da Verdade Sobre o Leite? / Got the Facts On Milk? (2008)

(EUA, 2008, 88 min. – Direção: Shira Lane)
O que você faria se descobrisse que os países que mais consomem leite são os que mais tem problemas de osteoporose? E se soubesse que o leite e laticínios favorecem enormemente as doenças coronárias, diabetes e o câncer?
Mas não é só isso, artrite, acne e mais inúmeras doenças comuns.
Esse documentário mostra que o leite é um dos alimentos que mais causam doenças e só é popular devido ao grande poder econômico das corporações dos laticínios, que fazem campanhas publicitárias multimilionárias na  TV, sem falar que, através de seu lobby, controlam as decisões do governo no que tangem a promoção e fiscalização desses alimentos.
Das milhares de pesquisas científicas que estudam os laticínios, nenhum os trata como sendo bons alimentos. (docverdade)
Download:
Alternativa para o Leite de Vaca?
Já experimentou o delicioso leite de Amêndoas?
Veja como fazê-lo com o Dr. Alberto Gonzales nesse vídeo.

Documentário: O Homem 2.0 – (2011)

Sinopse:
Como o progresso tecnológico está permitindo que a humanidade conceba um ser humano radicalmente melhorado – o “ser humano versão 2.0”.
O progresso da ciência é tal que as fantasias mais loucas, reservadas até agora ao reino da ficção científica, estão a apenas um tubo de ensaio de distância. Em laboratórios de todo o mundo um novo tipo de ser humano, parcialmente refeito, não está mais apenas no processo de ser sonhado e testado, mas sim fabricado. Alguns cientistas apostam que o Homo Sapiens vai em breve ser considerado uma versão charmosa mas desatualizada do ser humano. Esta é a hora de atualizar para o ‘Homo Technologicus – uma mente melhor, reprodução controlada, um corpo perfeito e sem idade, um cérebro infalível e, a longo prazo, imortal! O documentário explora as fronteiras da natureza humana em uma investigação profunda, mas muito acessível, onde ciência, filosofia e sociologia colidem.
A cura de doenças com o melhoramento do ser humano chegou.
Dica sobre o assunto: Quadrinho Surrogates (substitutos), Anime Ghost in the Shell, Jogo Deus Ex 3: Human Revolution (2011).
Dados do Arquivo:
Direção: Cecile Denjean
Qualidade: TVRip
Áudio: Português (Dublado)
Tamanho: 463 MB
Duração: 00:46:57
Formato: AVI
Servidor(es): Depositfiles (DF) | Rapidshare (RS)
————————————————————————————————————————————–
Download (DF)
Download (RS):
————————————————————————————————————————————–

A Fama do Mendigo de Curitiba

Na falta de uma palavra melhor que Preconceito, usarei “Ignorância” para descrever o que aconteceu com as pessoas que viram e se expressaram com relação à esse mendigo que ficou famoso esse mês passado, em sua maioria.

Pra quem não sabe, ele é de Curitiba, ex-modelo e atual mendigo usuário de drogas (crack ao que tudo indica) que ficou famoso após pedir para alguém tirar uma foto dele, e esse usuário divulgar essa foto no facebook. Resultando em mais de 17 mil compartilhamentos.

Foram milhares as pessoas que soltaram comentários como: “Que mendigo bonito. Precisa de um caça-talentos”; “Mendigo bonito… Vai ficar famoso rapidinho”; “Da até vontade de levar pra casa”; “Traz pra Goiás que pra esse ai dou casa, comida e roupa lavada”, dizem alguns dos comentários.

Ele virou Meme por dias sem saber, viraria notícia nos maiores sites e jornais (globo, uol, folha), viraria conversa de bares, e seria discutido sobre como ele teria virado um mendigo. “-Mendigo? Bonito assim? De olhos azuis?” foi o hino de outubro de 2012. Continue reading

Respeite Minha Religião

Nessa fase da minha vida de muito trabalho e busca pelo deus mais popular do século XXI – o Sr. Dinheiro –  é tão bom encontrar pessoas que expressam o que sinto! Além de me economizar tempo e “penso”* para organizar a escrita, acabo por me expressar sem me atrapalhar com as palavras!

*penso = a trabalheira de pensar, segundo uma mulher muito prática! Um dia conto a historinha desse “neologismo”.

Então, abaixo está um texto da escritora  Dorothy Murdock, mais conhecida  como “Acharya S”expert em religião. O texto foi traduzido pelo querido fundador deste site: o Mako, a quem sou grata! E o texto expressa o que sinto com relação as religiões, e vou além: quando as pessoas trocarem as religiões dos homens por Meditação, aquela que leva ao autoconhecimento e consciência, então o amor florescerá!

“Respeite minha religião” texto de  Acharya S

“Nos dizem freqüentemente para “respeitar a religião das pessoas.” Em primeiro lugar: muitas idéias religiosas são muito desrespeitosas para com o ser humano, assim, não merecem ser respeitadas. Em segundo lugar: e a troca sobre as pessoas respeitarem a nossa religião?

A palavra “religião” vem do latim religiō, que significa, dentre outras coisas, “consciência” ou “escrupulosidade.” Em minha perspectiva da realidade, eu me esforço para ser extremamente escrupulosa e consciente. Portanto, alguém poderia me chamar de “religiosa” e minha perspectiva de “religião”. Continue reading

ONG – Instituto Pensamentos Filmados

Falar da minha cura ativa a cura alheia. E também diante da minha história de vida e de quem eu sou, não me restaram muitas alternativas a não ser fundar e tocar uma Ong – o Instituto Pensamentos Filmados e também escrever para este site “Destruidor de Dogmas”, que é muito interessante e vai de encontro a meu Ser rebelde!

Ao longo de meu longuíssimo caminho da cura, descobri diversas ferramentas, ainda pouco divulgadas como a medicina integrativa, para melhorar da Depressão agressiva que estourou na minha infância devido ao ambiente familiar disfuncional em que vivi, onde apesar de estar junto de adultos inteligentíssimos, amorosos e espíritas kardecistas, sofri abusos morais e sexuais por parte de meu pai, e ninguém me ouviu.

Meu pai foi um médico muito amado e famoso na cidade em que cresci, de uma inteligência (Q.I.) brilhante que o fez passar em uma excelente residência médica, em primeiro lugar do Brasil todo! Mas a falta de conhecimento acerca do funcionamento psicológico e dos mecanismos da mente, a falta de Consciência, como ele mesmo colocou para mim anos mais tarde quando se desculpou por tudo que fizera comigo, o fez se perder.

Continue reading

Médiuns – Cirurgias e Possessões Espirituais Pt 2

spiritual surgery

Cirurgia Espiritual

A expressão tratamento espiritual é utilizada para abranger um conjunto de ações terapêuticas, de fundamentação religiosa, praticados em centros espíritas, espiritualistas, de umbanda, ou afins, que têm como objetivo um auxílio no tratamento de doenças do corpo ou da mente.
São denominados de espirituais pelo fato de, segundo afirmam aqueles que praticam estes tratamentos, serem realizados – no corpo físico ou no chamado perispírito – por espíritos desencarnados, com o eventual auxílio de um médium. Notavelmente, no Brasil, ficaram famosas as cirurgias praticadas pela entidade que se denomina Dr. Fritz (entidade espiritual que, incorporaria médiuns para efetuar tratamentos espirituais) através de vários médiuns, como José Arigó, Edivaldo de Oliveira Silva, Oscar Wilde (irmão de Edivaldo), Maurício Magalhães, Edvaldo Queirós, entre outros, inclusive fora do Brasil, os quais a maioria morreu prematuramente, fazendo com que o espírito passasse para outro médium.

A literatura espírita refere ainda que os chamados “médicos espirituais” se utilizam de uma ampla variedade de recursos, que vão desde aparelhos e instrumentos até fluidos e
medicações. Nesse particular, a doutrina espírita compreende que o pensamento e a vontade possuem a capacidade de modelagem e aplicação desses itens no chamado “mundo espiritual”. Complementarmente, podem recorrer a métodos terapêuticos convencionais, como intervenções cirúrgicas de pequeno porte, a dietética, a medicação alopática e a homeopatia. Ressalte-se que as práticas cirúrgicas encontram na atualidade grandes restrições, principalmente entre os médicos espíritas, pela natureza de sua própria formação.

Continue reading

Older posts