Tag: consciência (page 1 of 5)

O conto japonês sobre conhecer a si mesmo

Um guerreiro samurai, conta uma velha história japonesa, certa vez desafiou um mestre Zen a explicar os conceitos de céu e inferno. Mas o monge respondeu-lhe com desprezo:

– Não passas de um bruto… não vou despediçar meu tempo com gente da tua laia!

Atacado na própria honra, o samurai teve um acesso de fúria e, sacando a espada da bainha, berrou:

– Eu poderia te matar por tua impertinência.

– Isso – respondeu calmamento o monge – é o inferno.

Espantado por reconhecer como verdadeiro oque o mestre dizia acerca da cólera que o dominara, o samurai acalmou-se, embainhou a espada e fez uma mesura, agradecendo a revelação.

– E isso – disse o monge – é o céu.

______________________________________________________________________________________

A súbita consciência do samurai sobre o seu estado de agitação ilustra a crucial diferença entre alguém possuído por um sentimento e tomar consciência de que está sendo arrebatado por ele. A recomendação de Sócrates“conhece-te a ti mesmo” – é a pedra de toque de inteligência emocional: a consciência de nossos sentimentos no moment oexato em que eles ocorrem.

Os sentimentos podem parecer óbvios para todos nós, todos sabemos quais são eles, mas quando somos tomados por eles perdemos o nosso jeito de pensar automaticamente, por mais que pensemos que temos controle da situação, com a poluição de algum sentimento temos nossos atitudes sujeitas para o bem e para o mal. E quando simplesmente entramos em fúria completa e muito as vezes até esquecemos o que aconteceu, essa situação é chamada de “Sequestro emocional”.

Para ilustrar bem essa situação de influência da emoção sutil, posso citar uma experiência feita nos EUA em que antes de fazer uma prova os alunos tinham que anotar de que raça/cor eram, e isso influenciou negativamente todos os negros da sala.

Outro caso também é o que um professor falou para metade da sala que tinha certeza que eles iriam bem na prova, mas essa metade era aleatória, e foi possível observar que essa metade realmente foi boa e o resto que ouviu que seria pior realmente foi.

São pequenas coisas mas que influênciam nosso pensamento e nossas decisões.

Outro caso para finalizar, é o que antes de fazer um teste algumas pessoas viram um filme de terror e outras pessoas viram um filme de ação ou de aventura, que tenha um final feliz, e pode-se observar a influência que algo tão pequeno tem no resultado de um teste.

Para se conhecer é preciso observar, e não só a nós mesmos, mas os outros também, tentar achar soluções melhores e deixar de viver no automático, pois quem vive sem refletir vai repetir os mesmos erros e não vai saber o porquê de estar tudo errado, na maioria das vezes a culpa é nossa, até nos casos que não fazemos nada.

Documentário: Eu Maior

O Documentário que eu queria ter feito.

Sente-se e aprecie essa incrível obra brasileira.

Como é que ele sabia?

 

O jornalista Ben Fulford

O jornalista Ben Fulford

 

Benjamin Fulford é um jornalista canadense radicado no Japão. Altamente controverso, foi inúmeras vezes acusado de “teorias da conspiração” sem bases efetivas. Apesar das opiniões, um fato se impõe:  em 3 de dezembro de 2012 ele escreveu que o papa (então Bento XVI) havia perdido poder e influência e deveria em breve correr o risco de ser processado pelo tribunal internacional. Em 4 de fevereiro, de fato, um processo foi registrado, embora não tenha sido declarada a prisão.

Em seguida, no dia 5 de fevereiro, comentando a renúncia da rainha Beatrix, da Bélgica (que ele havia indicado que aconteceria, antes de qualquer outro veículo noticiar), Benjamin arrematou a notícia com a seguinte frase: “Now it’s Pope Maledictus (SIC) turn”. (agora é a vez do Papa Maledictus XVI – fazendo um trocadilho com o nome papal Benedictus, ou Bento XVI).

Como todos sabemos, no dia 11 de Fevereiro, o Papa anunciou sua renúncia, que aconteceria no dia 28 do mesmo mês; o que foi recebido por toda a imprensa internacional; inclusive os vaticanistas e especialistas eclesiásticos como uma absoluta bomba, completamente inesperada. Além da Rainha da Bélgica, houve ainda a renúncia da rainha da Holanda, igualmente prevista por Fulford. Entre todos os monarcas apontados por Fulford, apenas a Rainha Elisabeth da inglaterra não renunciou, ao menos até aqui. Claro que nem tudo que Fulford escreveu cumpriu-se exatamente; mas o fato é que sabia das renúncias, inclusive a do Papa, pelo menos seis dias antes.

Outro dos avisos de Banjamin Fulford dizia respeito ao colapso do sistema bancário; especialmente dos grandes bancos internacionais. Em dezembro de 2013, Ben Fulford escreveu que no ano de 2014 veria-se muitas prisões, fugas e eventualmente mortes e “suicídios” (aspas originais de Ben Fulford). Segundo ele, muitas das mortes seriam queimas de arquivo, embora algumas pudessem de fato ser de pessoas desesperadas temendo seus destinos, ou ainda alguns talvez genuinamente arrependidos. Independente da apuração das razões, o fato é que desde janeiro ocorreram 14 mortes de banqueiros ou executivos diretamente ligados a grandes bancos, como seguradoras ou jornalistas que cobriam notícias sobre o assunto. A lista completa depende da fonte, mas há quem indique que já seriam 20 mortes misteriosas relacionadas de alguma forma. Em resumo, apenas o J. P. Morgan Chase, um dos bancos mais citados por Ben Fulford como operador global de fraudes financeiras, viu 5 de seus executivos morrerem em circunstancias estranhas, inclusive um vice-presidente que teria se atirado do topo do edifício do banco em londres, minutos após ter ligado para a namorada e ter dito a ela que estava saindo e chegaria em meia hora.

As mortes dos banqueiros continuam bastante misteriosas; mas talvez ainda mais intrigante seja a questão sobre as controvertidos artigos de Benjamin Fulford. Porque, tenha a explicação que tiver; o fato é que ele publicou tudo isso antes…

Links:

Blog de Benjamin Fulford

A Infância Eterna

BabyPointing_JSolisPor Paulo Ferreira
(out. 2013)

“Biologicamente, um adulto é de um ser humano ou outro organismo que é de idade reprodutiva (maturidade sexual). No contexto humano, a idade adulta, adicionalmente, tem significados associados a conceitos sociais e legais, por exemplo, um adulto legal é um conceito legal para uma pessoa que tenha atingido a idade da maioridade e, portanto, é considerada como independente, auto-suficiente, e responsável (contrastando com “menor”). Além disso, a idade adulta adulto humano engloba o desenvolvimento psicológico.

Definições da vida adulta são muitas vezes inconsistentes e contraditórias, uma pessoa pode ser biologicamente um adulto, e têm um comportamento adulto, mas ainda ser tratado como uma criança, se eles estão abaixo da maioridade legal. Por outro lado, pode ser legalmente um adulto, mas não possuem a maturidade e responsabilidade que pode definir o caráter adulto.” (Wikipédia)

Neste mês de outubro, o conceito do potencial e da proteção dos seres que são de fato crianças, seres muito jovens; que representam toda a possibilidade do futuro e estão cheios da inocência própria da idade está bastante presente; temos muitos lembretes desse aspecto sendo feitos por muitos. Gostaria de aproveitar o destaque do tema para focar outro aspecto; que é o da “infância eterna” que aflige muitos que já não tem poucos anos de vida. A imaturidade que persiste mesmo em muitos que já não sendo tão jovens, e nem inocentes (em muitos sentidos) continuam comportando-se como crianças já tendo vivido décadas.

Maturidade é o entendimento e reconhecimento da existência e igual relevância de direitos e liberdades dos seus semelhantes. Uma criança tem uma visão limitada do mundo, no sentido que é uma visão pouco ampla. A criança coloca-se sempre no “centro do mundo” – e para a percepção infantil, as eventos só existem na medida da relação com ela mesma; portanto, todos os eventos percebidos devem ser “motivados”e “dirigidos” a ela e por ela. Por isso, a criança muito nova não reconhece, não entende a necessidade do adulto por dormir, quando ela mesma está acordada. Partindo do pressuposto infantil de que “o mundo existe PORQUE eu existo”, ela não pode conceber que alguém tenha necessidades não relacionadas a ela. Isso está fora do escopo de compreensão de uma criança de 2 anos de idade, o que, nesta fase, é apenas natural.

Agora, pense por um instante em quantas pessoas com décadas de idade você conhece que agem exatamente da mesma maneira. Incapazes de perceber que o mundo não existe “por elas”. Incapazes de conceber que outro individuo tem necessidades que não se relacionam e ela.

Mesmo que esta pessoa tenha 20, 30 ou 80 anos… sua mentalidade é imatura: esta atitude não é adulta. Esta atitude é de uma criança, mesmo que o indivíduo em questão tenha 60 anos de idade. Quando alguém age “sem reconhecer” a existência e as necessidades do outro, esta atitude é idêntica àquela da criança que ainda não sabe que não é o centro do mundo.

Quando alguém ocupa um lugar reservado num ônibus, ignora as outras pessoas e passa-lhes à frente numa fila; “atropela” descuidadamente, ignorando e empurrando as outras pessoas num lugar cheio; quando alguém ouve musica num carro ou num celular num volume alto o suficiente para afetar as atividades dos semelhantes à sua volta… todas essas atitudes denotam uma completa falta de maturidade e entendimento do mundo adulto, que demanda o reconhecimento da existência do “outro” a sua igualdade de direitos e liberdades.

Todos estes exemplos acima são bastante simples, externos e visíveis. Mas nem tudo no mundo da maturidade é tão visível e claro.

Quando alguém tenta impor a outro ser que aja de um modo específico, apenas por um desejo pessoal de que isso seja feito; qual seria a diferença real entre isto e a atitude da criança de 2 anos que não entende como a mãe possa querer dormir, se ela mesma já está acordada? Nenhuma diferença. Tentar impor a sua vontade ao outro é exatamente AGIR como uma criança de 2 anos. É um comportamento aceitável para a criança de 2 anos. E é absolutamente vergonhoso e inaceitável num ser que julgue-se adulto.

Quando alguém tenta impor que algo aconteça imediatamente, apenas para satisfazer a sua própria ansiedade; qual a diferença entre isso e a atitude de uma criança de 2 anos que chora porque a mãe foi ao banheiro?

Quando alguém se permite ofender ou ser ríspido com o outro, apenas porque algo que foi feito não lhe agrada, qual a diferença entre isso e a criança que grita com o amiguinho que não lhe dá o brinquedo?

Desde cedo, a maioria dos pais busca ensinar, de algum modo, que não se deve “impor” a sua vontade ao outro; e essa atitude tem muitos nomes: é chamada birra, mimo, descontrole. O termo em inglês para isso é bastante interessante: spoiled. A mesma palavra usada para dizer que algo está estragado. Um ser humano que age assim, está, de fato, estragado.

Mas o que dizer de alguém que exige que outro ser cumpra um prazo insensato para a entrega de um trabalho, apenas porque a falta de planejamento ou a sua vontade pessoal assim deseja? É absolutamente a mesma coisa. O que dizer de alguém que altera ou frauda uma licitação, roubando o dinheiro dos contribuintes, apenas para guardar para si mesmo ou seus amigos? E absolutamente a mesma coisa. É somente a incapacidade de entender que o mundo não gira ao seu redor. Que há outros seres no mundo, e que estes tem o mesmo direito e merecem a mesma liberdade. O que dizer de um ser que destrói uma floresta para ali fazer um empreendimento particular que dará lucros e benefícios a uns poucos?

Na mesma medida em que devemos proteger e cuidar da verdadeira infância, daqueles que são de fato pequenos e inocentes, devemos exigir de nós mesmos uma atitude adulta e madura em TODOS os aspectos da nossa vida, uma vez que deixemos os primeiros anos de vida.

O estado atual da maioria dos governos, que age apenas por interesses próprios, econômicos e de curto prazo, jamais pensando no bem comum; assim como o estado atual do ambiente no planeta, são um exemplos claros de que temos sido crianças soltas numa loja de doces: bagunçando tudo, experimentando tudo, absolutamente indiferentes ao que pode acontecer, absolutamente ignorantes do fato que estamos destruindo, inclusive, a nós mesmos, através da destruição da nossa casa.

Mais dia, menos dia (como sabe qualquer adulto) a vida manda a conta por todas as nossas atitudes.

O Ser da Quarta Dimensão

Primeiramente queria pedir desculpas por esse texto bem grande, pois não costumo fazer isso, mas prometo a vocês que valerá a pena.

Livro Nada Brahma,  pg.119 …


Ao tentar tornar compreensível a natureza “ilusória” de nosso conceito de espaço e tempo, é comum posrtular-se  existência de dois seres dimensionais como um espécie de “ponte mental” pois, se não conseguimos imaginar um mundo com mis de 3 dimensões, só podemos até certo ponto abordá-lo imaginando-o com menos de três dimensões. Ele conhece apenas duas dimensões: altura e largura. Para esse ser, “um círculo ou um quadrado girando em torno do seu centro será um fenômeno inexplicável e incompreensível por causa do seu movimento duplo, tal como é incompreensível o fenôomeno da vida para o físico moderno”.

Quando um cubo multicolorido passa pela superfície onde vive o ser bidimensional, se uma linha azul substituir uma vermelha, o ser desse plano verá a linha vermelha como um fato do passado. Não estará em condições de captar a idéia de que a linha vermelha ainda existe em algum lugar… No Tertium Organum P.D. Ouspensky fala sobre a multidimensionalidade do mundo. E prossegue:”Para esse ser que vive na superfície existe o que se encontra em cima ou embaixo… no tempo, no passado e no futuro… Portanto, embora ser ter a idéia da forma do seu universo, e olhando-o como infinito em todas as direções, o ser da superfície pensará involuntariamente no passado como algo localizado em algum lugar, em algum ângulo do todo, e pensará no futuro como que estando em algum lugar do outro lado dessa totalidade.

Desse modo, o ser da superfície terá a idéia de tempo. Percebemos que essa idéia surge  porque o ser bidimensional capta apenas duas das três dimensões do espaço a terceira ele só captará depois que seus efeitos se tornarem manifestos na superfície; portanto, ele a vê como algo diferente das primeiras duas dimensões do espaço, e a chama de tempo.” Continue reading

A Constância

O ser humano já foi uma civilização nômade,
O ser humano já foi uma civilização guerreira,
O ser humano já foi uma civilização agrícola,
O ser humano já foi uma civilização escrava,
O ser humano já foi uma civilização meditativa,
O ser humano já foi uma civilização mágica,
O ser humano já foi uma civilização devota,
O ser humano já foi uma civilização castrada,
O ser humano já foi uma civilização de grandes monumentos,
O ser humano já foi uma civilização astronômica,
O ser humano já foi uma civilização aprendiz,
O ser humano já foi uma civilização sobrevivente,
O ser humano já foi uma civilização atroz,
O ser humano já foi uma civilização de amor,

Pra quem diz que as pessoas tem uma natureza, uma essência,
é melhor olhar para tras antes (engraçada a analogia tempo/espaço),
pois o ambiente se mostra muito mais importante do que qualquer pré-disposição. 

Pare de falar que nunca vai mudar, nós sempre mudamos.

A mudança é a única constância.

TEDxDaLuz – Robert Happé – Servindo a onda da luz

Uma incrível mensagem de amor e consciência.

Outra Entrevista.

 

Debate: Corpo, alma e consciência: somos o mesmo depois da morte?

Para esquentar as discussões no site, começaremos a promover, esporadicamente, discussões entre os moderadores, tendo um tema em comum e buscando conflitar ideias, debater pontos opostos, para que todos possam ver os diversos lados que cada reflexão pode nos levar.

O tema desse debate, realizado entre Vitor e Mako, foi a questão da alma, da consciência e da vida após a morte. a inspiração para essa discussão está nesse texto (clique aqui) postado no site, sobre Reich.

Vitor:

Sabe q to ensaiando ler Reich? Gosto da ideia das couraças de carater, mas não entendo de onde ele tira a ideia do orgônio, essa energia única que move o individuo. Eu acredito em multiplas energias. Você já leu Frijof Capra, principalmente o livro “A teia da vida”? O interessante de sua teoria é que a vida é considerada um sistema sintrópico (o oposto da lei da entropia – enquanto a entropia fala da tendência à desordem, ao menor nível de energia, a sintropia fala das organizações que visam manter um nível estável de tensão, como os organismos vivos, que precisam constantemente de energia, senão morrem), uma organizacao contraria a entropia, e que necessita de um constante fluxo de material e energia para que mantenha a organizacao.

Entao, creio q somos, como dizem as modernas filosofias, uma “dobra”. Imagine o mundo como um conjunto de forças, que se degladiam constantemente. Em um determinado momento, essas forcas exteriores se dobram, criam um “dentro”, o sujeito. A dobra, como um espelho, reflete as forcas (Quem quiser saber mais sobre isso, leia o livro de Deleuze sobre Foucault, clique aqui, principalmente a partir da página 101)… ou seja, o sujeito adquire a capacidade de manipular o mundo, mudar suas forcas… surge uma forma de liberdade.

Entretanto, essa ideia de sujeito acaba por eliminar a vida eterna, pois a dobra se desfaz com a morte. A não ser que se considere haver um “tecido” que mantenha a forma, a dobra, sem o mundo.

Essa é a questao da alma. A alma seria compreendida como uma forma, que existiria fora da matéria. Mas na teoria do Capra, a materia que se organiza, e a forma depende do fluxo de materia. Se cessa o fluxo (ar nos pulmões, água, comida, e a saída, urina, fezes, isso sem falar na entrada e saida do fluxo de informação e de conhecimento), cessa a forma, como quando forma um redemoinho de agua na pia, que acaba quando a agua acaba.

A questao é: quem garante a forma do espirito? Teríamos que imaginar que as formas são independentes, e que elas vem de outro lugar. Esse seria um problema semelhante ao de Platão, aristóteles, Descartes, das filosofias religiosas, etc., de todos que acreditavam em algo fora da matéria.

Perguntaria pra você, como provocação: de onde vem a alma?

Mako:

 Nunca li Capra, mas milhares de pessoas ja me falaram para ler…. Reich eu acho demais, queria ler mais sobre ele, o Orgone que ele fala seria o Chi dos chineses e o Ki dos japoneses, uma energia que participa da vida e a move, seria uma energia eletromagnética de algum tipo de frequência alguns dizem, mas acho que está além do que nossa ciência consegue captar por enquanto, assim como a teoria do Campo morfogenético, algo que não compreendemos totalmente por enquanto, pelo menos a maioria das pessoas, mas que desconfiamos de sua existencia pelo simples fato de sentirmos ela…

É claro, existem estudos sérios sobre chakras e canais de energia no corpo, mas energia que fica a solta na natureza como o orgone ainda não há estudos pelo o que eu sei.
Muitos pensadores tentam explicar a alma, mas quando se fala na alma se vê a necessidade de separá-la do corpo, e mostrar que ela pode sim existir depois do término do corpo físico. Mas ela faz parte das engrenagens da vida, eu costumo dizer para as pessoas que, quanto menos algo é sólido, mais necessitamos dele, se formos colocar em ordem, sem comida duraríamos uma semana, sem água alguns dias, sem ar, alguns minutos, sem energia, nenhum segundo.
Nos meu estudos sobre espiritismo e o mundo espiritual,percebo que a alma é algo constante, ela está entrelaçado com várias coisas e pessoas, não de um modo físico, como por exemplo você se amarra a sua TV, celular e computador na sala com linhas, mas sim algo de frequência, como na física quântica (que fótons distantes vibram na mesma frequencia e agem da mesma forma a milhões de km de distância), há uma conexão ainda não desvendada.
No espiritismo parece que vamos perdendo a “forma” com o elevar da consciência até nos tornarmos parte do todo, ainda não descobri o propósito de crescer pessoalmente, e nem de onde surgiu a iniciativa de se ajudar as pessoas para isso, mas como tudo indica que há um caminho correto, esse caminho tem que ser algo que faz parte da estrutura do universo, como o sentimento de amor ter a frequência que une pessoas, tudo é interconectado.
É como você falou de multiplas energia, eu realmente acredito que elas existam, mas tendemos a acreditar que quando falamos de algo mais “sutil” estamos determinando sua energia, como por exemplo o chakra ser um campo eletromagnético, os estudos indicam e confirmam que sim, mas se for muito mais,  e se tivermos esse véu de ignorância e limitações tecnológicas nos privando de ver um pouco mais do que chamamos de realidade?
É muito provável que sim.
Outra questão:
Como deixar de ter consciência de si mesmo com um individuo único pode significar a morte? Acho que a morte foi mal compreendida, ela é apenas uma palavra para identificarmos o fim de uma fase, não diriamos que os peixes estão mortos por não terem consciência de si próprios, eles, assim como os outros animais e plantas, fazem parte de um organismo maior, que seria o Planeta inteiro sendo um ser vivo, eles (os animais) fazem parte da mecânica, ou se preferir, consciência da Terra, acho que perdemos a capacidade de nos distinguir dos outros seres vivos é rumar em direção a fonte primordial da vida, do universo, fazer parte do todo de novo.
Realmente acho que não perdemos a consciência, e sim iremos fazer parte de outra ainda maior, que contém outras da nossa frequência, ou elevação espiritual, e todos desse nível teriam a mesma compreensão do universo, sendo assim tomando as mesmas decisões, e nunca entrando em conflito, como olhar para um cardume de sardinhas e ver que apesar da gigantesca numerosidade delas, elas nunca colidem. Acho que deixamos o que nos faz humano para tras e nos tornamos algo a mais.
Muitos escritores de ficção cientifica se deparam com algo parecido quando vão falar de vida artificial, ou seja, robôs, alguns teriam uma consciência compartilhada, um cérebro que controla todos, outros teriam a noção de indivíduo e nunca tomariam decisões contando com todos, pois ele não faz parte daquele grupo.
Mas não diria que um deles é mais evoluído que outro, mas com certeza ter uma consciência compartilhada tem suas vantagens.
Vitor:

A questão aqui, creio que não é a morte, mas a concepção de sujeito por trás de tudo. Homem e animal são vivos, mas não há como saber se o animal possui uma subjetividade.

O homem enquanto sujeito já está integrado a um todo, ele não é um indivíduo isolado. Porém, isso não tem relação com o que se chama de alma. O conceito de alma, historicamente falando, se associa a uma essencia individual, ou seja, a algo que determina a individualidade de uma pessoa. Estou falando de forma grosseira, mas a questão é: essa mudança de fase que a morte cria, ela mantem essa “individualidade”? Se unir ao todo, á consciência do todo, é se ver misturado ao outro. Ora, o que marca nossa relação com o mundo é a diferenciação/identificação: como em Espinoza – algo nos compõe e algo nos decompõe. Para ser afetado, deve haver uma relação de diferença, para haver diferença, não pode haver o todo. Ser tudo é, ao mesmo tempo, ser nada.

Como conceber que somos uma alma que se integra ao todo, e ainda tem conciência dessa união? Se não é importante ter consciência de si, o conceito de alma se torna irrelevante, pois a materia do corpo e sua energia já se integram ao todo do mundo. Nossos átomos estão por aí a bilhões de anos.

Creio que ai está um problema: de que tipo de sujeito falamos? Um sujeito, totalmente consciente de si, cuja unidade persiste depois da materia, ou uma subjetividade momentânea, que depende das relações que traça com as coisas e com os outros?

A ideia de alma perde sentido quando se fala em uma consciencia partilhada. Aliás, consciência de si implica em um poder de conhecimento para além do que o homem pode ter, e por isso hoje vemos tantas críticas as teorias de Descartes.

Creio que a ideia de se sentir parte de um todo maior é somente pensar numa consciencia em grande escala. Um Deus formado por todos os seres unidos. Aí, a individualidade e a consciência de si, que não sentimos no unico homem, passa a fazer parte da Terra, um ser cósmico.

Então, a questão seria: há um ser cósmico? Bom, essa e outra questão, e não cabe aqui, talvez para uma próxima conversa…

Respeite Minha Religião

Nessa fase da minha vida de muito trabalho e busca pelo deus mais popular do século XXI – o Sr. Dinheiro –  é tão bom encontrar pessoas que expressam o que sinto! Além de me economizar tempo e “penso”* para organizar a escrita, acabo por me expressar sem me atrapalhar com as palavras!

*penso = a trabalheira de pensar, segundo uma mulher muito prática! Um dia conto a historinha desse “neologismo”.

Então, abaixo está um texto da escritora  Dorothy Murdock, mais conhecida  como “Acharya S”expert em religião. O texto foi traduzido pelo querido fundador deste site: o Mako, a quem sou grata! E o texto expressa o que sinto com relação as religiões, e vou além: quando as pessoas trocarem as religiões dos homens por Meditação, aquela que leva ao autoconhecimento e consciência, então o amor florescerá!

“Respeite minha religião” texto de  Acharya S

“Nos dizem freqüentemente para “respeitar a religião das pessoas.” Em primeiro lugar: muitas idéias religiosas são muito desrespeitosas para com o ser humano, assim, não merecem ser respeitadas. Em segundo lugar: e a troca sobre as pessoas respeitarem a nossa religião?

A palavra “religião” vem do latim religiō, que significa, dentre outras coisas, “consciência” ou “escrupulosidade.” Em minha perspectiva da realidade, eu me esforço para ser extremamente escrupulosa e consciente. Portanto, alguém poderia me chamar de “religiosa” e minha perspectiva de “religião”. Continue reading

Older posts