7029-workaholics-workaholics

 70% dos profissionais estão insatisfeitos com  seus empregos. ADVERTISEMENT Entre as principais desculpas para tal situação desesperadora, uma das responsáveis pela pesquisa aponta que “(…) essa insatisfação é relativo a famosa Geração Y que possui muito menos paciência para esperar que as coisas aconteçam”. Claro. A culpa é dos funcionários e não das empresas que não se atualizam. Arram. Acontece que a nova moda no mundo empresarial é culpar a Geração Y.

A empresa oferece salários de merda para empregos de bosta e quando o profissional vai pedir um aumento ou promoção, falam que o mesmo é jovem demais e está com pressa. Ou que o mercado está foda – a mesma desculpa de sempre. Oferecer boas condições de trabalho, plano de carreira ou perspectiva ninguém quer. É mais fácil contar com escravidão voluntária de centenas de jovens que se formam nas faculdades todos os anos.

scott_pilgrim_vs_the_world_trailer_2_image_27_zpsed08cbfb

As reclamações são sempre as mesmas:

-Maldita geração Y que acha que um profissional deve ser promovido ou receber aumento de acordo com o quanto trabalha ou realiza;

-Maldita geração Y que quer um ambiente de trabalho mais harmonioso e que inspire criatividade;

-Maldita geração Y que não quer ouvir broncas de um chefe estúpido que não explica suas ações;

-Maldita geração Y que quer fazer horários alternativos para poder escapar do trânsito;

-Maldita geração Y que não quer ficar presa 60 horas por semana dentro do escritório.

Se você é gestor e está reclamando da “maldita geração Y,” deixa eu te contar: Não são os profissionais que estão ruins, é a sua empresa que oferece empregos de bosta. Falo isso por experiência própria. Já tive um cargo de gestor e vi muitos talentos indo embora porque minha empresa se recusava a oferecer perspectiva ou até mesmo aumentos de salário. Isso que eram cargos “pequenos”.

 Enquanto isso, gestores dinossauros ganhavam uma bolada para ficarem sentados em seus tronos de marfim reclamando que seus funcionários precisavam ser mais proativos ou empreendedores. Não é a toa que, nos 4 anos que estive lá, vi projeto atrás de projeto afundar.

Continue reading