Tag: amigos

É possível ter amizade com quem não te oferece nada?

Com o passar dos anos os clubinhos que formamos na escola, faculdade, e cursos vão se desfazendo, e nos vemos cada vez mais passando tempo com nossos companheiros(as) ou namorados (as), cada pessoa começa a focar em outras coisas que não a amizade, e acabam procurando pessoas que facilitem coisas para elas, portanto se você muitas vezes perde a função que você representa na vida do seu amigo, ele acaba se afastando.

Como por exemplo, se você vê um amigo tomando decisões erradas e você começa a dar conselhos ou a criticar essa pessoa, ela uma hora vai perder o desejo de andar com você, pois você agora simboliza um momento de reflexão e autocrítica que essa pessoa não quer ter, ela queria você para se divertir ou apenas ouvir seus problemas.

Outro exemplo clássico que gosto de falar é sobre o amigo(a) que está atrás de “acasalamento”, e no momento exato que ele acha alguém ele some com essa pessoa, e quando termina volta falando que não deveria ter sumido e tal, mas logo em seguida faz a mesma coisa. Esse tipo de pessoa tem um vazio interno que é preenchido pelo companheiro, e não pela amizade, infelizmente demora um pouco para o amigo perceber que faz isso.

Um dado interessante é que somos capazes de ter até 150 amigos no dia a dia, os macacos fazem grupos de no máximo 60, se passar disso o grupo se divide em dois, pois cada um tem um objetivo, uma expectativa e um desejo, a sincronia disso tudo é que torna as amizades interessantes, muitas vezes ocorrem atritos, mas as diferenças são as melhores coisas sobre a amizade, pois sair com gente igual a você não rende muito tempo e nem muitas experiências, é preciso sair da bolha e ver novas perspectivas.

Netflix e semelhantes é algo que desperta a preguiça nas pessoas também, e acho difícil de acreditar que uma série pode ser mais valiosa que duas horas em um bar, ou almoçando com um amigo, mas  passar a noite no Netflix é visto como se fosse, e hoje em dia é até algo que se tem orgulho de falar.

Estamos cada vez mais evitando experiências reais, e perdendo o tato social, evitando conflitos, ou simplesmente bloqueando nas mídias sociais quando a relação ficou difícil.

Você já deve ter visto ou feito isso, bloquear alguém quando essa pessoa te irritou, ou excluir, é engraçado como fazemos isso com apenas um botão, muitas vezes nem nos esforçamos para tentar achar um terreno em comum, assim como o divórcio hoje em dia, é mais fácil começar de novo do que tentar entender e sincronizar a relação de volta.

Muitas vezes falamos sobre a situação que não tem volta mais, mas será que não tem? Ou é você que não enxerga? Ou é você que fez um cálculo de esforço e acha que não vale a pena? Quem valeria? Será que a outra pessoa também não pensa que você também não vale a pena, por isso a situação se tornou insustentável?

Amizade é uma via dupla, é preciso doar para receber.

Conte seus amigos nos dedos e veja o quanto de tempo e disposição você tem para eles.

A conta fecha?

 

Se você teve, ou tem, uma doença grave e não é otimista, seus dias podem estar contados

122 homens que tiveram um primeiro ataque cardíaco foram avaliados quanto ao grau de otimismo ou pessimismo. 8 anos depois, dos 25 mais pessimistas, 21 haviam morrido; dos 25 mais otimistas, apenas 6. A forma como encaravam a vida revelou-se um melhor previsto de sobrevivência do que qualquer outro fator clínico de risco, incluindo a extensão do dano causado ao coração no primeiro ataque.

Nosso sistema nervoso e imunológico são ligados às emoções.

Nosso corpo é uma máquina e nossas emoções fazem a manutenção de tudo no devido tempo. Mas as vezes podemos não estar animados e a máquina funcionará mal, causando assim doenças ou complicações.

Quando o paciente vai começar uma cirurgia é muito importante saber o estado emocional dele, pois caso ele esteja nervoso ou com medo as chances de criar infecções, ou o que acontece com mais frequência, a veias se dilatam por causa do stress e há perda considerável de sangue, muitas vezes levando a morte.

Os pessimistas já são descuidados com a saúde, eles fumam mais, bebem mais , e fazem menos ou não fazer exercícios.

A esperança é outro fator que ajuda muito na recuperação, principalmente em casos de danos da coluna que vai envolver longos períodos de tratamento para conseguir um pouco mais de mobilidade e melhorar o seu desempenho socialmente.

O isolamento social também é um grande problema para a saúde, representando umas das taxas de mortalidade tão importantes quanto o fumo, pressão alta,colesterol alto.

O cigarro aumenta a chance de morrer e contrairmos doença em 1,6%, o isolamento em 2%.

São muitos os fatores para se ter uma vida saudável ou para recuperarmos a saúde , mas hoje temos pesquisar suficientes para apontarmos as mudanças necessárias se quisermos viver mais e melhor.

*Fica a pergunta: Se você tivesse uma doença agora quem você seria, o pessimista ou o otimista?

A resposta pode determinar o seu futuro, caso não goste da resposta, o que você pode fazer pra mudar?

Laços – Uma Evolução Geométrica


A vida social se mostra algo muito complexo nos dias e hoje, são muitas as variações de situações, os obstáculos e os tipos de pessoas que se encontra por aí, e essa grande teia de vidas e acontecimentos ainda aumenta muito nas grandes cidades, onde há maior impacto/atrito social, claro, nem sempre resultando em algo ruim como a palavra atrito pode sugerir, mas também em algo cheio de descobertas sobre o comportamento humano e do mundo.

Conhecer pessoas é um processo delicado, muitas pessoas levam com leviandade, outras sou espontâneas e nem se preocupam com ele, apenas agem de forma instintiva, outras, como eu,  gosta de construir/planejar essa fina linha da construção de uma amizade, não que seja algo demorado, na verdade é algo bem parecido com o espontâneo, mas mais pensado do que instintivo. Claro, existe muitos outros tipos de pessoas, mas esse na minha opinião são os que mais aparecem por aí.

E geralmente para essa inter-relação existe do que eu chamo de uma “evolução geométrica” ou “evolução de formas”, sendo essa evolução o aumento de pontas, arestas e vértices de uma forma geométrica. A maioria das pessoas passa por esse processo quando se conhece alguém ou um grupo de pessoas.

Primeiro geralmente começamos “redondos”, não nos mostramos muito e tentamos ser agradáveis a ponto de tentar não causar atrito nas outras pessoas, as vezes até aceitando certas peculiaridades que não nos agradam em primeira instância, pois queremos ser aceitos pela pessoa ou grupo social em que estamos no momento, e relevamos certas coisas que não aceitaríamos com nossos amigos mais próximos. Depois de estarmos um tempo como forma “redonda” nós começamos a mostrar nossas particularidades, e pouco a pouco mostramos nossas pontas arredondas que tem grandes chances de serem aceitas, pois não provocam nenhuma grande reação das pessoas, seria algo simples como “eu pratico esportes freqüentemente” ou “eu faço aulas de yoga e gosto de pintar” , coisas que singelamente ti definiriam, seria muitos mais coisas relacionadas a ações do que pensamentos, ou ideais, que seria a terceira parte, quando mostraríamos nossas pontas, falaríamos quem realmente somos e o que pensamos, teríamos que ter construído uma boa base nas outras duas fases para começarmos a mostras nossas pontas, algumas delas muito afiadas e cheia de espinhos, dependendo da forma que as outras pessoas estariam você poderia ser muito bem aceito e fazendo ótimos amigos que gostariam de você, mas também poderia causar uma grande aversão deles se não tomar cuidado com o modo de demonstrar tudo isso, alguns temas podem causar esse tipo de situação, como por exemplo ideais políticos, vegetarianismo, religião (altas chances), aborto, drogas, ou mesmo simplesmente o modo como você olha a vida, como você lida com situações, que tipo de humor você tem, são muitos as linhas perigosas, mas para se dar bem num grupo social não é preciso entrar em assuntos “cabeças” e sim saber lidar com eles, aposto que todos temos amigos que nunca ouvimos a opinião dele sobre assuntos importantes, mas gostamos muito de te-los ao nosso redor.

Agora, devo falar que muitas das pessoas mais interessantes que encontrei na minha vida, e acredito que seja assim em todo lugar, não tem medo de demonstrar suas pontas logo na fase Redonda (primeira fase), pois ele sabe lidar com essa situação, não é algo a se temer e esconder até se sentir confortável, e sim, faz parte dele desde o começo, e mesmo que isso não seja de agrado da maioria, o assunto (ponta específica) é apenas deixado de lado, pois não vai ser a crença em um Deus diferente, ou um ideal de vida que vai afastar pessoas que se dão bem.

O triste mesmo são as pessoas que se travam muito nas primeiras fases, e vivem/demonstram uma vida totalmente “plástica” e de pouca profundidade. Enquanto também existem pessoas que começam logo com as fases das pontas e causam grande desconforto no grupo de social, chegando até ser odiado ou simplesmente afastado, pois ele não está  em sintonia com o resto do grupo.

Saber lidar com suas pontas e chegar até elas é uma arte no meio social, é preciso um cuidado muito grande com esse percurso, pois não se pode chegar rápido demais ou estagnar em certas situações.

O ideal mesmo seria todos sabermos lidar com nossas pontas, e não haver necessidade de passar por essas fases, sermos verdadeiros no primeiro instante, e não esperar para tal, só não o fazemos por causa do pensamento alheio que pode ser gerado.

Infelizmente o fator determinante social ainda é os outros para a maioria dos casos.

Facebook