Page 2 of 76

A Identidade do agora

Você é quem é somente no agora, apesar de nós acharmos que é difícil mudar, mas é você que escolhe trazer quem você era ontem, ou no passado, pro agora.

Digo isso pois um dia alguém me falou que queria andar com a postura correta como eu ando, e na hora pensei: “eu apenas escolhi andar correto, e andei.”

Temos em nosso entendimento da realidade que somos algo construído com o tempo, algo linear, e realmente faz todo sentido pensar assim, mas também somos o agora, e apenas o agora, o passado já foi, o futuro é incerto e somos apenas o presente, o que vivemos agora, e é você que decide o que trazer de bagagem pro agora.

Você tem a opção de deixar muita coisa pra trás, muito coisa inútil ou danosa, temos muitas delas e digo que algumas é fácil largar, assim como uma postura errada.

O Silêncio pode ser a melhor conversa que você terá hoje

Na hora do chuveiro temos idéias incríveis, antes de dormir também, outro momento em que as idéias surgem são nas férias ou numa viagem, mas por quê?

Todos são momentos de reflexão, introspecção, de silêncio .

O que é a ausência de som, palavras, mensagens para você, vindos de fora é na verdade uma ponte construída para a sua criatividade, seu inconsciente.

Recebemos as mensagens de dentro que tanto repondiamos como ocupado, o mundo físico sempre tinha mais importância, mas teria mesmo no final das contas?

Meditar muitas vezes nos é dito que seria a ausência de pensamento, mas na verdade ela pode ser vista como silenciar o exterior, pois trazemos para a cama ou para o nosso momento sozinho toda a rotina e hábitos do mundo físico e emocional.

São poucas as chances que damos para termos uma conversa com nós mesmos, recebemos informações e insights grandes nesses momentos e devem ser valorizados.

Um caso interessante é o do Leonardo da Vinci, ele costumava dormir/relaxar 15 minutos a cada uma hora, pois entendia os benefícios do silêncio no seu trabalho e nos estudos.

A rotina de sobreviver na cidade pode te privar desse momento precioso que todos deveríamos ter no dia a dia, mas é bem possível alcança-lo em poucos minutos, como disse, momentos naturais em que ele acontece é no banho e antes de dormir.

Procure aquele momento do seu dia em que é possível tirar 5 minutos isolado, para apenas deixar fluir, sem preocupações, apenas respirando, esse é o momento de você se recuperar, e claro, não tenha pressa, ansiedade não é bem vinda aqui.

A viagem de ônibus para casa, o esperar do almoço chegar, no seu dia existem milhares de pequenas janelas utilizáveis para se recarregar/reconectar.

Comece a tentar, mas faça um plano, um desafio para se empenhar, tente durante um mês achar quais são essas janelas, e comece a utiliza-las.

Quando você menos perceber você vai ver o quanto se comunica quando se está em silêncio.

Planeta 9 (Nibiru) pode ser culpado pela inclinação do sol (e de todo sistema solar)

 

O Planeta 9 é um planeta teorizado, mas ainda não descoberto, que estaria na borda do nosso sistema solar.

Ele foi previsto pela pesquisa de Konstantin Batygin e Mike Brown, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos EUA, em janeiro deste ano.

Agora, um novo estudo liderado por Elizabeth Bailey, também do Instituto de Tecnologia da Califórnia, afirma que o planeta parece ser responsável pela inclinação incomum do sol.

Alinhamento

Segundo a pesquisa, o planeta grande e distante pode adicionar uma oscilação ao sistema solar, dando a aparência de que o sol está ligeiramente inclinado.

“Como o Planeta 9 é tão grande e tem uma órbita inclinada em comparação aos outros planetas, o sistema solar não tem escolha a não ser torcer lentamente para fora do alinhamento”, disse Bailey ao portal Science Daily.

Faz sentido

Todos os planetas do nosso sistema orbitam numa superfície plana em relação ao sol, mais ou menos dentro de alguns graus um do outro.

Esse plano, no entanto, gira a uma inclinação de seis graus em relação ao sol, dando a impressão de que o próprio sol está inclinado.

Até agora, ninguém tinha encontrado uma explicação convincente para tal efeito. A descoberta de Brown e Batygin das evidências de um nono planeta, cerca de 10 vezes maior que a Terra e com uma órbita cerca de 20 vezes mais distante do sol do que a de Netuno, muda tudo.

O Planeta 9 parece estar cerca de 30 graus fora do plano orbital dos outros planetas, influenciando a órbita de uma grande população de objetos no Cinturão de Kuiper, que é como Brown e Batygin começaram a suspeitar que um planeta existia lá em primeiro lugar.

“Ele continua a surpreender-nos. Cada vez que olhamos com cuidado, achamos que o Planeta 9 explica algo sobre o sistema solar que tinha sido por muito tempo um mistério”, Batygin afirmou ao Science Daily.

Momento angular

O momento angular do Planeta 9 tem um impacto desproporcional sobre o sistema solar com base em sua localização e tamanho. O momento angular de um planeta é igual à massa de um objeto multiplicada pela sua distância do sol, e corresponde a força que o planeta exerce sobre o giro do sistema global.

Como os outros planetas do sistema solar todos existem ao longo de uma superfície plana, o seu momento angular trabalha para manter tudo girando suavemente.

A órbita incomum do Planeta 9, no entanto, acrescenta uma oscilação a esse sistema. Matematicamente, dado o tamanho e distância hipotéticos do planeta, uma inclinação de seis graus se encaixa perfeitamente.

A próxima pergunta seria, então, como o Planeta 9 ganhou essa órbita incomum. Batygin sugere que o planeta pode ter sido ejetado das redondezas dos gigantes de gás por Júpiter, ou talvez tenha sido influenciado pela força gravitacional de outros corpos estelares no passado do sistema solar.

Por enquanto, Brown e Batygin continuam a vasculhar o céu a procura de sinais do Planeta 9 ao longo do caminho que eles previram em janeiro. Essa busca pode levar três anos ou mais. [ScienceDaily]

Dos astros que possuem água do Sistema Solar a Terra é um dos que menos tem

 

Crédito de imagem: Steve Vance; NASA/JPL-Caltech

Na próxima vez em que alguém lhe perguntar qual o maior oceano, aponte na direção de Júpiter.

Com os seus quase 1,4 bilhões de quilômetros cúbicos de água, o nosso planeta é praticamente um deserto em comparação com outras partes do sistema solar.

Europa – a lua de Júpiter, não o continente -, por exemplo, possui aproximadamente o tamanho da nossa Lua, mas provavelmente esconde um oceano subterrâneo com mais do que o dobro da água existente na Terra.Ganimedes, outro satélite de Júpiter, possui cerca de 39 vezes mais água do que o nosso planeta, apesar da maior parte estar em forma de gelo.

E os cientistas continuam encontrando água onde quer que olhem: em setembro, pesquisadores revelaram que Dione – uma das luas de Saturno – provavelmente também tem um oceano subterrâneo.

O Business Insider, junto do cientista Steve Vance, da NASA, construíram o seguinte gráfico, que relaciona o raio de alguns corpos do Sistema Solar e o raio que uma esfera contendo toda a água do corpo em questão teria.

Quer ser um cidadã0 do primeiro país fora da Terra? Conheça Asgardia

Nação Espacial Asgardia
Divulgação | James Vaughan

 

Se você sempre se sentiu deslocado na Terra, sua hora chegou. O primeiro país espacial foi oficialmente fundado – pelo menos no papel – e você já pode até dar entrada no pedido de dupla cidadania.

A astronação ganhou o nome de Asgardia, em homenagem a Asgard, terra de Thor, Odin e os outros deuses nórdicos. O slogan do país é “Paz no Espaço” e a ambição do projeto é evitar que os conflitos geopolíticos da Terra sejam transferidos junto com a colonização humana do espaço.

Mais de 370 mil pessoas já se inscreveram para ganhar a cidadania de Asgardia. A maioria delas mora hoje na China, nos EUA e na Turquia. Com a população atual, Asgardia seria o 178º país mais populoso do mundo, à frente de Belize e da Islândia, e os números só crescem.

As condições básicas para ser um asgardiano é ter mais de 18 anos e morar em um país que permite a dupla cidadania. Os candidatos  podem se inscrever no Asgardia.space.

A ideia é que os primeiros 100 mil inscritos tenham preferência no processo de seleção, mas os experts por trás do novo conceito de nação também estão buscando as pessoas baseadas em suas competências. Profissionais de tecnologia, ciência e direito espacial estão entre os mais cobiçados. Investidores nessas áreas também podem furar a fila para ganhar a carteirinha de asgardianos.

A nova nação pretende decidir sua bandeira, sua insígnia e seu hino com participação popular. O concurso para o design da bandeira, inclusive, já está disponível. Qualquer um pode mandar sua ideia, que vai ser votada online pelos asgardianos.

Falando sério

O fundador de Asgardia é o cientista e empresário Igor Ashrbeyli, russo nascido no Azerbaijão. Ele se cercou de cientistas renomados para seu projeto visionário. Um dos que mais chamam a atenção é Ram Jakhu, diretor do Instituto de Direito Aéreo e Espacial da Universidade McGill, uma das mais importantes do mundo (a Harvard canadense, de acordo com Os Simpsons).

Em termos práticos, o time de empresários e cientistas por trás da iniciativa está colocando grana própria e buscando parcerias para lançar um satélite na órbita terrestre e dar o primeiro passo na democratização da exploração espacial, que hoje só faz parte da realidade de um pequeno grupo de nações desenvolvidas. A ideia é que esse satélite seja lançado entre 2017 e 2018, em homenagem ao aniversário de 60 anos desde que o primeiro satélite humano entrou em órbita.

Como o lançamento tem que ser feito da Terra e Asgardia não pretende ter território no nosso planetinha, o objetivo dos fundadores é fazer uma parceria com um país em desenvolvimento, que não tem tradição de exploração espacial – tipo o Brasil.

É aí que entra o dilema muito sério que o projeto de Asgardia, por mais bizarro que seja, se propõe a discutir. Só 20 dos mais de 200 países da Terra tem algum acesso ao espaço e alguns deles já estão pensando em como explorar recursos extraterrestres. Enquanto isso, o direito espacial está anos-luz de ter criado medidas regulatórias para lidar com esse tipo de situação. O risco é que se criem monopólios nacionais, que a desigualdade aumente absurdamente (aqui e lá) e que as tensões econômicas e geopolíticas que temos por aqui se reflitam no Universo afora.

No momento, o que Asgardia vai fazer é reunir pessoas dispostas a pensar sobre essas questões indo além das limitações nacionais, porque estariam todos unidos sob a nação asgardiana, para proteger os direitos da humanidade.

Para que o país seja reconhecido pela ONU, ele precisa ter território próprio. Então, a ideia é que Asgardia tenha uma nave tripulada passeando pelo espaço – sim, a nave seria um território perambulante. Mas pode segurar a empolgação. O objetivo não é que Asgardia seja uma nação geográfica, em que todo mundo vive junto. Então, dificilmente todo cidadão vai sair da Terra para conhecer o país.

 Fonte: Super

Laniakea: Cientistas mapeatam 8000 Galáxias (de bilhões) e fizeram uma descoberta incrível

Contar as estrelas no universo é como tentar contar grãos de areia na praia, quase impossível. No entanto a quantidade varia entre os experts, o consenso geral é que há pelo menos 100 bilhões no nosso universo.

Pare um pouco e pense que em cada um delas há bilhões de estrelas em cada galáxia. E esse número pode ser até de trilhões, não há como saber ainda.

A nossa galáxia, a Via Láctea por exemplo,  mede 120.000 anos-luz de um lado para o outro e contém quase 400 bilhões de estrelas.

No vídeo você verá que as galáxias forma um padrão de posicionamento, assim como nosso sistema solar faz parte de um braç da Via Lactea, a Via Lactea faz parte de uma parte da Laniakea, um aglomerado de galáxias gigantesco demais para descrever aqui chamado Laniakea.

 

 

Laniakea

A música mais antiga do mundo é mais bonita do que vocêimaginaria

O assentamento de Ugarit, no norte da Síria, permanecia inabitado desde a era Neolítica, em 6.000 a.C. Porém, no século XV a.C., ela foi transformada numa estratégica cidade portuária, estabelecendo importantes ligações comerciais com o Império Hitita, o Egito, e mesmo a longínqua Chipre. Essas conexões com outras cidades-Estado atingiram seu apogeu entre os anos de 1.450 a.C e 1.200 a.C., período de maior glória de Ugarit, fato que pode ser comprovado mediante as evidências arqueológicas da região. Ali foram erguidos grandes palácios, templos e bibliotecas, contendo placas de argila com escrita cuneiforme. Contudo, além desses vestígios, singulares nesse período, os pesquisadores também encontraram, no ano de 1950, uma placa contendo o trecho de uma partitura musical, composta na língua hurrita, que remete a pelo menos 3.400 anos, sendo, portanto, a mais antiga música do mundo já encontrada até então.

A compilação musical (encontrada sob a forma de um sistema de notação de músicas, gravada em tábuas de argila), é mais conhecida como as “canções hurritas”. Provavelmente, elas eram tocadas com uma lira contemporânea. A maior parte dessas séries musicais eram dedicadas à deusa de Ugarit, Nikkal, mais tarde também adotada com divindade no panteão fenício, protetora dos pomares e jardins. Destarte, uma equipe de especialistas foi capaz de traduzir a escrita cuneiforme das placas contendo as “canções hurritas”, recriando assim a melodia. Abaixo, segue uma versão mais moderna da mesma, baseada numa interpretação feita por Anne Draffkorn Kilmer, professora de Estudos Assírios na Universidade da Califórnia, em 1972.

Caso a versão acima não tenha lhe agradado, é possível conferir a mesma canção, tocada em lira. Os professores Anne Draffkorn Kilmer e Richard Crocker produziram uma variante da melodia, mais de acordo com a forma com que ela era originalmente tocada. O músico Michael Levy também produziu uma interpretação em lira, que pode ser escutada no player abaixo:

Fontes: Realm of HistoryWFMU / MentalFloss – Acesso em 01 de outubro de 2016.

Somos todos Pavões apaixonados pelas nossas próprias caudas

Somos quem nós somos, mas o que mais somos?

Todos temos características, personalidades, estilo, preferências, movimentos, muitas coisas diferentes.

Ao nos enxergarmos como indivíduos percebemos que somos nós mesmo, não nos confundimos com outros, apesar de muitas vezes encontrarmos pessoas parecidas.

Mas o mundo não é apenas nosso reflexo na superfície de um lago como Narciso viu, somos também o que os outros vêem, somos muitas vezes o que não somos para os outros.

Proposital?

Sim e não.

Continue reading

Inventaram uma torneira geradora de energia através do movimento da água

Duas coisas que são fundamentais para vida moderna – água e energia elétrica – ainda são artigos de luxo em algumas partes do mundo. Sabendo disso, o coreano Ryan Jongwood criou uma torneira que gera eletricidade com o movimento da água no encanamento. Dá pra acreditar?

Chamada de ES Pipe Waterwheel, o conceito é semelhante ao aproveitamento de energia cinética dos moinhos de água, por exemplo. A eletricidade fica armazenada em lâmpadas específicas e, quando estão carregadas, são utilizadas para iluminação ambiente.

ES Pipe Waterwheel foi finalista no Prêmio IDEA, uma das principais competições de design do planeta. Além de muitos benefícios, o sistema é fácil de usar e instalar no encanamento já existente. Assista ao vídeo ilustrativo, logo abaixo:

Fonte: http://engenhariae.com.br/

Não há só uma pessoa pra você no mundo

Todo mundo quer seguir o sonho infantil de achar a alma gêmea, mas será que existe realmente só uma cara metade por aí sua?

Acho que não.

Continue reading

« Older posts Newer posts »