0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×


Elliot Rodger california massacer massacre

“Todas vez que eu saio eu vejo esses jovens casais, eu sinto inveja deles, pois eles me lembra exatamente do que eu estou perdendo na vida… Sexo, Amor e Companheirismo.” – Elliot Rodger

Sim, ele falou Sexo primeiro, o que não seria uma surpresa para um virgem de 22 anos que nunca se relacionou com mulheres em qualquer forma e não tem amigos.

Um garoto que foi diagnosticado como um espectro de autismo depois de ter sido diversas vezes tratado pelos serviços de saúde mental por apresentar transtornos emocionais.

Um garoto que não tinha condições de manipular uma arma, de acordo com o governo americano, mas mesmo assim possuía uma pistola de 700 dólares e ter 400 balas em seu quarto.

Um garoto que gravou diversos vídeos (que podem ser vistos no link no final do post) e um deles no dia em que matou as 7 pessoas, muitos deles falando sobre como se sentia solitário, negado pelas mulheres, e invisível em sua faculdade.

“Eu não sei porquê vocês garotas não gostam de mim. Eu faço tudo que eu posso para parecer atraente pra vocês. Me visto bem. Eu sou Sofisticado. Eu sou Magnífico. Eu tenho um bom carro, uma BMW… Eu sou educado. Eu sou o cavalheiro mor. E ainda vocês garotas nunca me dão uma chance, eu não sei porque.” – Elliot Rodger

Muitos levantaram várias questões sobre isso, mas a maioria girava, infelizmente, sobre o aspecto errado desse acontecimento. Todos queriam questionar a posse de arma…

Não foi a arma que matou essas 7 pessoas e feriu outras, foi a sociedade americana que o fez.

É fácil e rotineiro apontar o dedo para o visível, para a criança com a arma, O Monstro…

O próximo pensamento é comentar o quão violento está a cidade e as crianças, “qual será o futuro do país assim?!”

Mas é ridículo, depois de todos os depoimentos dele nos vídeos sobre suas frustrações, não culpar os valores empregados e implantados em nós, pouco a pouco. E não é preciso ver os vídeos, você também pode ler sua confissão de 141 páginas aqui.

Em um dos vídeos Rodger confirma que é um estudante da UCSB, e declara:

“Eu me sinto tão invisível enquanto ando pelos meus colegas. Seus shorts reveladores, suas cabelos dourados, seus rostos bonitos. Eu queria uma pra ser minha namorada.”

Passamos nossa juventude tentando nos conhecer, tentamos achar o nosso lugar na sociedade, e ainda temos que achar o que nos faz feliz, muitas dessas pessoas no meio dessa jornada ouvem que existem algumas coisas pré estabelecidas que vão fazer elas felizes, como ter uma BMW, um óculos de 300 dólares, e uma loira como namorada para ter uma vida sexual incrível, como disse Rodger em um de seus vídeos. E talvez ser filho do diretor de Jogos Vorazes ajudou nisso tudo.

Ele transformou a mulher num objeto, e engoliu a fórmula que nos vendem nas revistas sobre o que as mulheres gostam, e como nos devemos nos comportar. Felizmente a vida é mais do que isso.

Nos tornamos tão ansiosos com as mudanças e conquistas que dizem que devemos ter que nos afastamos das experiências para saber como elas são.

Deixamos de viver para saber como a vida é…

Um garoto com um nível de autismo não teve essa capacidade de julgamento, que muitas pessoas “normais” também não tem, e infelizmente se afundou na tristeza e frustração de não conseguir seguir a fórmula do sucesso, do Homem Moderno.

Veja um exemplo disso em uma das frases que ele fala em seus vídeos:

“Eu mereço garotas muito mais que todos aqueles patetas… Eu deveria ser o cara com as garotas. Quer dizer, olha pra mim, eu sou maravilhoso. Mas vocês garotas não vêem.”

Muito mais do que um assassino a sangue frio, que muitos devem pensar, ele é uma vítima, e muitos leitores talvez pensem que eu esteja dando de Sheherazade, mas quem pensa isso com certeza ainda não parou de apontar o dedo para o Monstro.

E é triste que tenhamos perdido vida humanas no processo de perceber mais um vez que o nosso sistema de valores está corrompendo e confundido nossos jovens que só querem descobrir e serem felizes juntos.

Mas para isso é preciso perceber aonde erramos, e aonde esses erros nos levam, pois como a descrição diz: O burro não aprende errando, o inteligente aprende com seus erros, e o sábio aprende com o erro dos outros.

Sejamos sábios.

Todos os seus videos pode ser vistos nesse link – http://gawker.com

Devemos lembrar que esse não é o primeiro tiroteio nos EUA, tivemos já Columbine, Virginia High Tech e muitos outros.