0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

EAGLE VISION, Susan Seddon-Boulet

Se a união com o todo é impossível de ser experimentada em sua plenitude, ela não está totalmente perdida, se seguirmos o modelo de pensamento que segui nos posts anteriores (parte 1 e parte 2). Vejam bem:

 – Se o indivíduo é um “dentro”, que é uma dobra do “fora”, então ele não está desligado do fora, mas é uma estrutura desse. De certa forma, estamos todos conectados, sempre. Mas quanto mais nos concentramos nas estruturas de nossa individualidade, quanto mais nossa cultura a valoriza e discrimina as diferenças, mais deixamos de sentir essa ligação original, e assim não temos acesso a essa sensação de união.

 – O sentimento oceânico é real, relatado por muitos místicos e pessoas com uso de alucinógenos. Um ramo da psicologia, a Transpessoal, mostra esse “além da pessoa”, já fez pesquisas com LSD e a sensação de sentimento oceânico que ela proporciona. Entretanto, ele só é sentido em estados de alteração da consciência. A consciência alterada é, de certa forma, um modo de se abrir a dobra, olhar para fora sem as estruturas mentais que controlam nossa percepção, e ver essa união. Mas a experiência só pode adquirir sentido depois, quando ela acaba, pela consciência. Ou seja, ela é realmente sentida depois que termina, que saímos dessa união. Enquanto estamos mentalmente unidos com o todo, não existimos enquanto pessoa, então é como se estivéssemos mortos, temporariamente.

Espero que esse post tenha intrigado vocês, a se pensarem que ALMA E CORPO NÃO SÃO TÃO DISTANTES UM DO OUTRO, e que o mundo chamado de místico pode estar mais perto de você do que parece…