Como Fazer Alguém Virar Ateu?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

darth-vader-star-wars

Como Fazer Alguém Virar Ateu?

Frequentemente ouço isso, antigamente me perguntava isso também.

Fazia esquemas, juntava argumentos imaturos usando a bíblia como fonte, e as contradições dela e das pessoas que pensam viver segundo sua palavra.

Um ateu nasce de uma revolta para com o sistema religioso que nos envolve hoje, pela descrença nas divindidades, por um simples trauma ou por ter uma falsa idéia que é o mais lógico não acreditar em Deus e tirar o crédito de milhares de anos de sabedoria escrita em todas as religiões.
Ser ateu é apenas o outro lado da moeda, é ser tão cego quanto um crente fanático, devemos como diria Buda, “Seguir o caminho do meio”,pois apenas com o equilíbrio é que se consegue viver feliz e em harmonia.
Mas o que venho falar aqui na verdade não são palavras zen apenas, e sim mostrar uma outra razão por trás das crenças religiosas.

Ateus geralmente estudam bastante as ciências para ter argumentos contra religiosos, mas esquecem um fator muito importante, “Como viver a vida?”. Qual seria a importância de saber, ou pensar saber, sobre todas as ciências e esquecer de como se comportar, como tratar as pessoas, como respeitar e ser alguém moral? Além de estudarem algo totalmente distorcido como é a ciência que nos apresentam hoje em dia (resultados são manipulados para o bem das multinacionais), pois me responda uma coisa, você leitor, acreditar em algo sem você mesmo ter tirado de veracidade dela, é ter naquele que dizem que é certo? E isso se assemelha muito ao que as pessoas religiosas fazem, mas existe uma diferença, e claro existem exceções em todos os casos, uma pessoa que procura Deus não como fim, mas como meio, é muito tranquila e geralmente está feliz, sim, muitas vezes isso é uma felicidade ilusória passada pela igreja, mas ela encontra tranquilidade, e existem muitas pessoas sábias e inteligientes que gostariam de acreditar ou acreditam, e a bíblia foi a primeira experiência e a mais próxima que apareceu para eles.

Dizem que a religião roubou a moralidade, e sim muitos religiosos afirmam isso com seus discursos sobre bem e mal, mas existe muita coisa por trás do que simples mitologias.

Mas o que eu quero dizer na realidade é, de que adianta tentar converter um religioso, mostrar as “falhas” ou “má compreensões” de seus ensinamentos se ela vive tranquilamente, tem gente que não está preparado para ouvir certas coisas, e existem pessoas que precisam de certezas para viver suas vidas, como crentes e ateus, já outras apenas vivem, como os agnósticos, e na realidade é isso que importa, é o jeito que você vive a vida.

Se tudo fosse destruido, e nada sobrasse do mundo, você ateu ia ser uma pessoa melhor que um religioso? Essa é a questão, crenças as vezes ajudam as pessoas a se tornarem melhores.

Tem uma frase da bíblia que me lembro, “os justos terão o caminho eterno”, algo parecido.
E com certeza é nisso que devemos nos focar.

Não tente converter ninguém, tente compreendê-lo, pois até por que como venho mostrado aqui no site a compreensão do que é Deus verdadeiramente está longe das que nos vendem em igrejas e mesquitas no mundo.

Veja o Episódio de South Park que serve para tirar uma dos Mormons, mas no final eles mostram essa visão que tenho.
Baixe por aqui.

8 Comments

  1. Concordo com você que não devemos tentar converter ninguém. Mas discordo de você sobre a fé. Ciência não tem nada haver com fé. Os estudos são feito dentro do método científico, um conjunto de regras básicas para desenvolver uma experiência a fim de produzir novo conhecimento, bem como corrigir e integrar conhecimentos pré-existentes.

    Eu sou ateu e respeitos todas as religiões. Não gosto de discutir a fé das pessoas, acho que a fé faz bem, e religião conforta. Não gosto quando tentam me converter, nem gosto de ver qualquer um, mesmo ateu, tentando converter outro. Eu não tenho fé e mesmo assim vivo uma vida feliz e plena.

    Adoro aprender com a história, leio e estudo sobre tudo: filosofia, teologia, da Arte da Guerra à Nibelungenlied, de Musashi à Ilíada, de Todtenbuch à Kama-Sutra. E Buda, Jesus, Maomé e tantos outros sempre buscaram a harmonia e o equilíbrio, como você mesmo disse. Devemos buscar ver o que é certo e errado em todas as coisas. Como diria, Zoroastro devemos seguir a Verdade.

    Essa Verdade é ver o que é bom em tudo. Assim como você vê distorções na ciência, existe o mesmo na religião. E o único problema é também a solução: o Homem.

    O Homem distorce a história, para buscar o poder. Isso aconteceu em todas as áreas e em todos os cantos do mundo. Aconteceu na religião, na política e na ciência.

    Gostaria de lembra que Albert Einstein, um grande físico, disse uma vez “Melhor ser um otimista e estar errado do que ser um pessímista e estar certo“. Einstein era judeu e cientista.

    Essa frase define bem o que você queria dizer sobre “se tudo fosse destruído“, é um ponto de vista que eu respeito. Mas eu vejo o mundo de forma otimista também, embora não acredite em vida após a morte ou reincarnação, acredito que a vida é preciosa de deve ser aproveitada. Breve e bela.

    • Concordo com você em tudo marcelus,

      só entenda uma coisa quando digo que muitas vezes as pessoas tem fé na ciência, pois muita coisa da ciência que é imposta como paradigma hoje em dia é baseada em invertezas, teorias, e são postas como certezas sem outras formas de interpretação.

      e você acreditar em algo jogado pra você sem saber sua real origem, versão ou caracteristicas/detalhes é que chamo de fé, e de certo modo é sim, pois a partir do momento que você acredita em algo sem saber se é verdade e declara a si mesma como realidade, isso é de certo modo ter fé, ou credo, como preferir.

      Não desvalorizo as experiências cientificas, muitas, talvez a maioria com seu valor inquestionável, o que digo é não aceitar tudo que ti jogam.

      e mais uma vez, obrigado pelo ótimo comentário.

  2. Sei que é assim que tem que ser, mas fica difícil quando se tem a família toda contra voc, ainda mais quando sai a frase: não acredito em deus, ai o bicho pega; são tantas as palavras, tipo: a ovelha negra, voc está possuido, voc vai para o inferno, voc é louco. Fico triste com meus pais, “eles vivem para servir ao senhor”.
    Tenho uma família grande, quatro irmãos, é um estilo de vida cristão de ser, ter filhos, não importa quantos; parece que alguns come quando está na depressão, mas outros tem filhos.Desculpa, estou fugindo do comentário, é esse meu problema, fico chatiado por não ter á família, por ter pessoas do meu sangue que vivem na mesma casa, mas que não liga para o seu corpo, o dispresa, só liga para sua “alma”.minha maior preoculpação é minha irmã de 4 anos, cara, ela é muito inteligente; não quero isso para ela, mas o que posso fazer ?!!!
    Como voc disse: não devemos se impor na vida das pessoas…
    Como podemos viver assim, ver uma geração inteira se deteriorando; essa é nossa sentença, nosso legado… Foi para isso que nascemos, aprendemos, usamos a lógica para chegar aqui, sentar ajeitar o corpo e olhar, olhar pessoas na mídia, nas ruas, no trabalho, em um parque, em qualquer lugar falando bobagem; mas isso não é nada comparado a atitude que eles estão tendo, de certa forma estamos sendo sufocados pelos líderes religiosos, estão com muito poder, eles tem um exército de ignorantes e podem atacar nossa sociedade, começando pelas leis, (claro que isso já acontece a muito tempo), mas pode piorar; todos nós conhecemos a bíblia, a história sempre está ligado aos dias das pessoas, isso quer dizer que a história não acabou.
    Está vendo meu amigo, me preoculpo de mais com as coisas, e estou me perdendo entre a raiva de viver entre a ilusão e a dor de não poder mudá-la, de que adianta então… brincadeira…rs sei que adianta mas é pesado, sufocante…
    “caramba, já é tarde, tenho que ir”… sabe qual é meu problema, não conheço nenhum ateu, acho que é isso, me sinto em uma cela… tai…
    Fui…………..

    • entendo o que você passa, mas aviso desde já, conhecer outros ateus vai ti dar um alívio passageiro, você vai perceber depois que o que importa é como a pessoa vive sua vida, deus, deusas ou seres humanos super estimados não deve ser o fator principal de seu julgamento.
      Se as pessoas pesam tanto sobre a questão de ser ateu, talvez seja porque você as lembre a todo instante, tem pessoas que conehco q nunca soube a religiao dela, e me dei muito bem.

      • O piór é que eu seu disso !… mas de certa forma á uma pressão entre o que se acredíta… Sei que devo ser calmo ! O caminho não chegou ao fim, tenho muito o que aprender ! Mas isso atrasa qualquer um… A verdade é que eu, por pensar no que é certo, acabei pensando só no futuro, sendo que; tenho que viver o presente, tenho que enfrentá-lo, assim, vou se sentir mais forte !
        Sou um ser humano, tenho que se adaptar ao ambiente, já ouvi até a frase “voc é anti-social”…ainda bem que foi somente uma pessoa que disse, não irei esperar pela segunda…rs
        É isso ai Mako, de uma tela para outra (foi um prazer)…fui~~~~~~

  3. Sobre seu post, achei muito boa a parte onde vc fala sobre seguir o caminho do meio entre o fanatismo religioso e o fanatiamo ateísta. No livro “A Genealogia da Moral”, Nietszche fala no terceiro capítulo que o ateu é o ponto culminante do fanatismo religioso. Creio então que não é a religião ou o ateísmo que importa, mas sim a presença ou a ausência de uma posição crítica.

    Sobre a presença de uma fé na ciência, O filósofo Merleau-ponty, no livro “O visível e o Invisível” já discutiu o fato de que a ciência repousa sobre uma fé de que o mundo está aí, presente, mas não discute essa presença, constrói um modelo de mundo por cima dele. Além disso tem o ótimo livro do epistemólogo Thomas Kuhn “A estrutura das revoluções científicas” que mostra que o “método científico” não é tão rigoroso assim, livro de fácil leitura e de grande impacto.

    Bom, só dei referências mas não minha opinião rsrsrs, mas outra hora podemos discutir melhor essa questão

  4. A verdade é que todos somos culpados por essas brigas inuteis de quem está certo e quem está errado. o ser humano vem distorcendo a verdade a milhares de anos… Eu acredito que a maioria dos que se entitulam ateus, fazem mais por “raiva” e “ódio” a uma religião… até porque quase todos já foram a igreja, porém tentaram doutrina-los, coisa que não se faz… quando se estuda história se descobre que os cultos a menos de 200 anos não tem nada a ver com o que é feito hoje, atualmente seguimos as regras, tem uma maneira de rezar, uma maneira de ler a palavra, ao invés de estuda-lá… gostei muito de quanto vi em uma igreja Adventista a atitude de que ao invés de “pregar” a palavra, ela era discutida, sobre varios aspectos, e cada um, tirava sua conclusão e o seu melhor aproveitamento… Mas o mais importante de tudo é lembrar da necessidade da religião na vida da maioria das pessoas, todos nós precisamos acreditar em algo, e para alguns, essa idéia pronta de onde viemos, para onde vamos, é a mais aceita, e todos deveriam respeitar isso. Se você não precisa de uma palavra para viver e ser feliz, tudo bem, mas entenda que há quem precisa, e ninguém tem o direito de privar-lhes este direito. Fui claro? Então quero pedir a todos ateus que parem de zuar com as religiões, porque nas horas ruins vcs também oram, e imploram a Deus por perdam…

    Espero que compreendam, Abraços.

  5. “Um ateu nasce de uma revolta para com o sistema religioso que nos envolve hoje, pela descrença nas divindidades, por um simples trauma ou por ter uma falsa idéia que é o mais lógico não acreditar em Deus e tirar o crédito de milhares de anos de sabedoria escrita em todas as religiões.”

    Mako, leia meu livro e meu blog: h t t p : / / i m p i o . c o m . b r /

    Aprenderão muito sobre o assunto.

    Mas suas colocações são imprudentes e errôneas. Primeiro que você não comprova nada desta besteira que que há sabedora nas religiões; sendo que é facilmente provável que existe sim é muita invenção de verdades com objetivo de manipulação da população.
    Um ateu se faz de um crescimento intelectual e mais que isso, é uma conclusão infantil na verdade. É o mínimo aceitável. Como diz Ponde: “O ateísmo é uma conclusão óbvia, não há nenhuma grande inteligência nisso. Qualquer golfinho consegue ser ateu.”

    Estude um pouco Marcosta, e aprenderá sobre deus e o mundo:

    * Texto originalmente publicado no blog Hagia Ecclesia, de autoria de Luiz Felipe Pondé *

    O “ASSUNTO Deus” é complicado. Em jantares inteligentes, é mais fácil você confessar que faz sexo com dobermans, prova de que seu gosto ultrapassou formas sexuais conservadoras. Mas, se falar sobre Deus, há risco grave de que não te convidem mais. E aí nunca mais aquela cozinha vietnamita. Melhor se dizer um budista light.

    Mas a mania que muito religioso tem de achar que tudo na vida se deve a Deus (ou similares) é um saco! Isso fala mais de sua preguiça e medo do que de Deus.

    Entendo o bode dos ateus com essa gente. Para mim, essa conversa é semelhante ao papo de que você tem câncer porque não resolveu adequadamente seus conteúdos emocionais. Ora bolas, isso quer dizer que, se todo mundo um dia for feliz, ninguém vai ter câncer? Ou que, pior, além de ter câncer, você é um babaca responsável pelo câncer porque não fez terapia? Conheço gente que se diz ateia (e com isso se acha mais inteligente, como de costume) e acredita nessa baboseira de que o amor cura câncer. Mas, desculpe-me, ateísmo é coisa banal. Quando eu tinha oito anos era ateu. O ateísmo é óbvio (por isso comecei a desconfiar dele), diante do lamentável estado da vida: somos uma raça abandonada (Horkheimer). Ateísmo não choca mais ninguém (pelo menos quem já leu uns três livros sérios na vida), porque ateus já são vendidos às dúzias em liquidações. E mais: ser ou não ateu não diz nada acerca de como a pessoa se comporta com os outros (ao contrário do que muitos ateus e não ateus pensam). Existem canalhas de ambos os lados do muro.

    Deus, como se diz em filosofia, “é uma variável sem controle epistemológico”, isto é, não se testa Deus em um laboratório.

    Mas, antes, uma pequena heresia.

    Mais chocante hoje é alguém confessar que não crê no aquecimento global, pelo menos na versão que aconteceu nesse espetacular concílio bizantino em Copenhague, reunindo toda a gente legal do mundo.

    Confesso minha fraqueza: sou um herege, não acredito que meu pequeno carro aqueça o planeta, mas já estou pagando mais imposto por isso e tenho certeza de que outros virão. Acho essa história uma mistura de ego inflado (disputamos com o Sol para ver quem aquece mais?) e tédio (que tal salvar o planeta? A vida está tão chata na Dinamarca!). Meu cachorro anda triste? Deve ser o aquecimento global.

    Sei que dizem que é fato científico, mas, para mim, que sou um medieval, só acredito na ciência quando vem no formato de resultados de exames do Fleury ou do Delboni, e não quando tem a ONU no meio e gente ganhando milhares de euros salvando o planeta.

    Para mim, Copenhague foi aquele tipo de concílio onde se discutia se a roupa de Jesus era dele ou não. Temperamentos autoritários gozaram de tesão em Copenhague.

    E o ateísmo? A constatação de que o mundo é péssimo e, por isso, Deus não deve existir é razoável. A primeira vez que isso me ocorreu foi quando descobri que existiam colegas mais felizes do que eu na escola, e aí eu julguei o mundo injusto. Se Deus, como todo mundo me dizia, era bom, por que eu não era o cara mais forte do mundo? Decidi que Deus não existia. Ou não era bom. O ateísmo é uma conclusão óbvia, não há nenhuma grande inteligência nisso.Qualquer golfinho consegue ser ateu.

    Anos mais tarde, fosse eu uma dessas pessoas legais que creem no marketing do bem, concluiria que o mais justo seria que todos fossem igualmente felizes, e aí Deus teria sido democrático. Graças a Deus nunca passei pelo ridículo de pensar assim. Quanto a Deus ser mau, concluí que melhor seria mesmo considerar o universo indiferente e cego e mecanicamente cruel. Naquele dia, tornei-me um trágico (antes de ler Nietzsche ou Darwin).

    Poucos ateus não são descendentes de uma criança infeliz e revoltada (e, veja, 110% das crianças, esses pequenos lindos monstros malvados, são infelizes porque sempre existem crianças mais felizes do que você). A prova disso é que ateus gostam de falar mal da igreja (nunca superaram aquela freira azeda), de Deus (esse malvado que não me fez mais forte), ou do pai judeu (que me obrigou a só namorar judias).Ou acham que, se formos todos ateus, o mundo será melhor. Se você é assim e tem orgulho de ser ateu, você é um rancoroso.

    Quando se deixa de acreditar em Deus, passa-se a acreditar em qualquer besteira (Chesterton): na Natureza, na História, na Ciência, na Dinamarca, em Si Mesmo. Essa última crença, eu acho, é a pior de todas. Coisa de gente cafona.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×