0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

Primeiramente você iria precisar de uma máquina do tempo, voltar em torno de 2 mil anos e viver lá durante um tempo para aprender a cultura local, ver os castigos e sofrer tudo o que um povo arcaico pode proporcionar as pessoas que pensam diferente ou tem azar.

Claro, isso não tem nada a ver com o islamismo em si, mas com diversos povos que hoje em dia se recusam a progredir, modernizar, e isso infelizmente vai propagar o sofrimento de muita gente.

Muitos países apoiaram, ou melhor, não fizeram nada contra o estado islâmico, pois ele estava derrubando Assad, e isso deu no que deu, agora eles tem verba para provocar ataques em qualquer lugar do mundo.

Mas isso é atualidade, vamos voltar um pouco, algumas centenas de anos.

Vou começar com a palavra assassino, que muitos podem não saber, vem da palavra árabe Haxaxin, que deriva de haxixe, uma droga muito forte, que era usado pelos Haxaxin, um grupo de assassinos árabes, um clã, que matava pessoas usando sua própria vida se necessário, pois seu único propósito era completar sua missão.

Na época de Gengis Khan (Séc. XII) ele tentou fazer comércio com os árabes após derrotar a China, e teve todos seus comerciantes mortos. Ele então decidiu ir a guerra, já que alguém zombava dele, e um assassino foi mandado para matá-lo, mas falhou, porém conseguiu envenenar Gengis, que ficou mal durante um ano.

Gengis então resolveu ir atrás desse grupo de assassinos, xiitas, e descobriu como eles viviam, logo depois derrotou o Califa árabe.

Os haxaxin usavam haxixe para matar, seja por envenenamento, uma simples facada, o modo mais sutil possível, para virar um haxaxin era preciso conhecer o pior da podridão, usavam a droga e jogava o jovem numa sala onde ele se sentia no inferno, cheio de podridão, e depois o jogavam com mulheres lindas, ele estava vendo como seria o céu, e isso dava um objetivo para ele, pois ele nunca sentiria aquela sensação de novo, pois sua consciência estava alterada.

O Harém de 72 virgens estava a sua espera, ele só precisava completar sua missão.

Não preciso nem dizer que as mulheres eram escravas, e os jovens iludidos.

Claro que muita coisa aconteceu nesse tempo, mas o pensamento dos extremistas conservadores ficou bem enraizado, apesar de Gengis e seu filho terem destruidos alguns castelos desses assassinos, muitos sobreviveram para reconstruir sua cultura.

E hoje em dia vemos um povo que diz ter um califado, não um país, mas algo que transcende um país, pois é baseado em poder e controle, não em bordas.

Como no vídeo acima, vemos que muitas dessas pessoas pensam do mesmo jeito que centenas de anos atrás, e com certeza não papo, pois quando se bota um objetivo metafísico na vida de alguém, nada nesse plano vai convencê-lo que o que ele faz é errado, afinal, ele só segue as palavras de Alah, mesmo quedistorcidamente, e claro, totalmente datadas.

Muitos podem pensar que o islamismo é algo demoníaco, mas a igreja católica já mostrou suas presas com a inquisição e muito mais, assim como a evangélica mostra as suas também agora, claro, cada uma numa magnitude diferente, mas a religião, ou melhor, o entender da realidade que tem como base algo metafísico, como Deus, é muito forte.

E é exatamente isso que muitos jovens querem, algo maior que eles, pois eles não se sentem encaixados no mundo, e ninguém está disposto a mostrar o caminho pra eles, a não ser claro, um extremista do oriente médio que até acolhe ele, treina, dá um propósito e os meios para chegar no seu Harém.

O papa atual entende a necessidade de atualizar uma religião, afinal, o mundo muda, e se a religião não mudar vai virar história como Zeus já virou, como Osíris já virou, como Enki já virou.

Óbvio que os EUA tem uma grande parte de culpa nisso, sem nem contar muito provável conspiração que foi o 11/9, esse dia ficou pra história como o dia que alguém enfrentou os terroristas, mas ninguém fala que eles já estavam matando gente na áfrica e oriente médio a muito tempo, mas claro, matar pobre não tem relevância.

Daqui a 100 anos olharemos pra trás e veremos o EI como um novo nazismo, e quem sabe contaremos uma história que tenha o final feliz.

Por enquanto a conversa está simplesmente impossível.

Obs: perceba que não falo aqui o porque a guerra aconteceu, ou porque há terroristas, mas sim de onde poderia ter saido a estratégia mental deles. Para entender a parte histórica veja esse vídeo