Category: Destruidor de Dogmas (page 1 of 19)

Qual será a economia em Marte?

Na próxima década já está marcado que iremos para Marte, colonizar o planeta vermelha nomeado com o nome do Deus da Guerra, centenas ou milhares de pessoas irão ter o trabalho árduo de lentamente terraformar o planeta, podendo ficar apenas alguns anos por causa da radiação e gravidade muito menor que a Terra.

E como Philip k. Dick prevê em seus livros, e eu concordo, haverá de alguma maneira contrabando, ou, no melhor dos casos, apenas comércio, mesmo que as pessoas tenham tudo nas mãos, como é na estação internacional, mas com tantas pessoas acredito que haverá desejo por coisas, seja para passar tempo ou para gerar prazer/interesse.

E como precisarão disso num mundo de tédio e atividade repetitivas.

Mas que tipo de economia será implantada mesmo que não oficial?

Será que começará com o escambo e a partir daí surgirá a necessidade de uma moeda marciana?

Talvez.

Ou será que criarão uma moeda desde o início e transportaremos o capitalismo para o lugar mais distante de sua origem?

Imagino que nenhuma dessas opções seja a ideal.

Muitos falam que no planeta Terra o melhor seria começar do Zero, alguns países mostraram que é possível uma grande revolução e ascensão de uma sociedade através de planejamento.

Mas começar do zero dá uma oportunidade jamais vista na humanidade.

Finalmente será possível como sociedade sem dinheiro? Se há um primeiro bom momento para isso será agora em alguns anos.

Mas talvez o investimento de países diferentes na colonização impeça esse sonho.

Afinal de contas, Marte precisará de uma constante e enorme necessidade de suprimentos que serão mandados pelos terráqueos.

Caso realmente aconteça como Marcianos e terráqueos se sentirão com essa grande diferença de estilo de vida?

Talvez um inicie a mudança no outro, estou sendo bem otimista aqui.

Não tem como dar previsões, mas com certeza seria incrível a humanidade dar esse passo nesse momento, não seria?

Comente abaixo o que acha que acontecerá ao colonizarmos Marte.

O futuro sem dinheiro de Star Trek

Alguns anos atrás, Manu Saadia, um fã de longa data de Star Trek, foi à procura de um livro sobre a economia de Star Trek. Quando ele não conseguiu encontrar um, ele decidiu escrever o seu próprio. O resultado, Trekonomics, atraiu elogios de economistas como Brad DeLong e Joshua Gans. Saadia diz que Star Trek é um dos poucos universos de ficção científica que lidam com a ideia de que o dinheiro pode algum dia se tornar obsoleto.

“É claro e enfatizado várias vezes no decorrer do programa que a Federação não tem dinheiro”, diz Saadia no episódio 205 do podcast do Guia do Geek para a Galáxia. “Você tem o capitão Picard dizendo: ‘Nós superamos a fome e a ganância, e não estamos mais interessados ​​no acúmulo de coisas’“.

Saadia é fascinada pela ideia de uma sociedade na qual a riqueza material tornou-se tão abundante que possuí-la não tem mais apelo. Em tal mundo, a única maneira de ganhar status seria cultivando talento e intelecto.

“O que realmente faz sentido no universo de Star Trek e na sociedade Star Trek é competir por reputação”, diz ele. “O que não é abundante no universo de Star Trek é a cadeira do capitão.”

Ele aponta para tecnologias como GPS e internet como modelos de como podemos nos estabelecer no caminho para um futuro de Jornada nas Estrelas.

“Se decidirmos, como sociedade, disponibilizar mais dessas coisas cruciais para todos como bens públicos, provavelmente estaremos indo bem para melhorar as condições de todos na Terra”, diz ele.

Mas ele também adverte que a tecnologia por si só não criará um futuro pós-escassez. Se não tivermos cuidado, poderemos acabar como o ganancioso Ferengi, que cobra dinheiro pelo uso de seus replicadores em vez de disponibilizá-los para todos.

“Isso não é algo que será resolvido por mais aparelhos ou mais iPhones”, diz Saadia. “Isso é algo que tem que ser tratado em um nível político, e nós temos que enfrentar isso.”

Ouça nossa entrevista completa com Manu Saadia no episódio 205 do Geek’s Guide to the Galaxy (acima). E confira alguns destaques da discussão abaixo.

Manu Saadia em Isaac Asimov:

“Em 1941, ele publica sua primeira história sobre robôs e sua grande ideia e insight é que os robôs não serão nossos inimigos ou nossa desgraça como uma sociedade, como os robôs geralmente eram retratados, como Frankensteins. Os robôs nos libertarão, e assim Asimov está tentando descobrir um mundo onde o trabalho humano não seja mais necessário para a sobrevivência. E isso é algo que você vê ao longo de Star Trek, muito mais em The Next Generation do que na série original. Em The Next Generation, você tem essas máquinas incríveis que farão qualquer coisa para você no local e sob demanda – os replicadores – e, de certa forma, o replicador é uma metáfora para a automação universal da maneira descrita nas histórias dos robôs de Asimov. ”

Manu Saadia em personagens de Star Trek:

“Eles são consistentes com as circunstâncias econômicas em que vivem. Imagine-se crescendo em uma sociedade onde nunca há necessidade ou insegurança financeira de qualquer espécie. Você será uma pessoa muito diferente. Você estará absolutamente desinteressado em consumo conspícuo. … Você provavelmente estará interessado em coisas de natureza superior – o cultivo da mente, educação, amor, arte e descoberta. E assim, essas pessoas são muito estóicas nesse sentido, porque não têm interesses mundanos com os quais nos relacionamos hoje. Eu costumo dizer que eles são todos alienígenas, de certa forma. Meu amigo Chris [Black], que escreveu no programa, disse que foi muito difícil para os roteiristas, porque é um drama no ambiente de trabalho, mas não há drama. ”

Manu Saadia no Ferengi:

“Eu amo os Ferengi porque eles são uma espécie de paródia dos anos 90 ou dos anos 2000 do empresário aquisitivo americano. … Os Ferengi são realmente ignóbeis, pessoas realmente terríveis, e eles são muito engraçados como resultado. Mas eles mudam com o tempo. Quando você assiste a todo o arco dos Ferengi em Deep Space Nine, os Ferengi, apenas por contato com a Federação, se tornam mais parecidos com a Federação, eles se tornam social-democratas Keynesianos, no final. De repente você tem o direito de ter sindicatos e greves, e há cuidados de saúde para todos. … Eu sempre achei que essa história do Ferengi se tornando mais humanitária apenas pelo contato com a Federação era uma metáfora para todos nós nos tornarmos melhores assistindo Star Trek. ”

Manu Saadia no Borg:

“Os borgs são ótimos vilões porque são muito parecidos com a federação, quando você pensa sobre isso. Os borgs têm perfeita alocação de bens, e oferta e demanda, e todos estão conectados a todos na colmeia, e eles parecem ser extremamente eficientes. Eles também são a outra sociedade em Star Trek que poderia ser caracterizada como “pós-escassez”. Qualquer drone Borg nunca quer ou precisa de nada, é sempre fornecido pelo Coletivo. Assim, é a imagem espelhada – e quase a imagem perigosa – de como uma sociedade redistributiva e saciada poderia parecer. É quase como se os escritores tentassem incorporar as críticas à sociedade que propuseram. ”

Fonte: www.wired.com

 

A aceitação budista e o quanto não somos especiais

Faça esse teste comigo.

Perceba o seguinte, nós fazemos parte do universo, universo esse que foi criado bilhões de anos atrás, tudo perfeitamente alinhado e organizado, e isso demorou uma grande quantidade de tempo, mas agora há equilíbrio.

Somos consequência desse movimento inicial que foi ficando cada vez mais complexo, ao ponto de acharmos que tudo é caos de tão difícil que é compreender a escala do espaço em que vivemos.

Nessa equação nasceu a vida, somos o que há de mais complexo em centenas de milhões de anos de vida na Terra, e assim como outros animais nos organizamos para criar um equilíbrio, garantir sobrevivência, e depois que ela foi mais ou menos garantida começamos a nos comunicar, criar regras, vilas, cidades, comércio e aí o ser humano começou a ficar bem complexo, assim como o universo já o é.

Agora vamos lá, imagine os eventos da sua vida, tudo que aconteceu na sua vida, os momentos bons e ruins que a marcaram, eles aconteceram, muitos deles tinha uma alta chance de acontecer, não havia como evitá-los, faziam parte desse movimento inicial que começou bilhões de anos atrás, também fazemos parte desse universo, apesar de sempre queremos ser diferentes, a mais.

Tudo que acontece conosco deve ser aceito, pois é preciso viver com tudo, quem disse para você que a vida deve ser só felicidade? A vida nunca fui só felicidade, essa afirmação é irreal assim como as fotos das pessoas do instagram.

A vida, assim como o universo é cheio de nuances, e pode haver momentos de caos, como na explosão de uma supernova (a morte de uma estrela), outras situações são lentas e acabam com a gente pouco a pouco, como um buraco negro, ao ponto de nem saber que nos perdemos até desaparecer.

A vida  contemporânea quer que nos vejamos como especiais, únicos, somos únicos, mas nem de perto especiais, somos pó estelar, como diria Carl Sagan, e somos parte do universo, pois somos composto pela exata proporção de matéria que existe no universo.

Agora lembra dos acontecimentos da sua vida?

Aceite eles, já aconteceram, alguns ruins vão acontecer de novo, você não se livrou deles, mas saiba que é libertador saber que você não é especial, sua vida talvez não chegue nesses sonhos absurdos que nos vendem, e com isso com certeza você tirará o peso que não te deixa ser todo o seu potencial.

Não ser especial é libertador.

Por que mesmo pessoas que são ameaçadas pelo Bolsonaro votam nele?

Durante todos os milênios que a humanidade viveu ela teve que ter apenas algumas coisas para garantir a sua segurança no dia a dia, comida, moradia, água e não confiar em estranhos, outros grupos de humanos, sua família era o núcleo, sua cultura estava ali e sua ética também, um estrangeiro que se aproximasse seria abalar tudo isso, não era atoa que comerciantes eram os poucos que viajavam.

Era preciso ser minimalista, seguir poucas regras que garantiriam sua sobrevivência.

O incesto era uma delas, procriar dentro da mesma família criava humanos com deficiência, diminuindo as chances de sobrevivência, muitas vezes até exterminando o grupo de dentro pra fora.

Apesar de ter passado milhares de anos desde que morávamos nas cavernas ou que éramos caçadores coletores, antes da revolução agrícola, ainda temos isso dentro de nós .

Ainda queremos sobreviver.

Claro, o desejo de sobreviver mudou enormemente de escala, mas ainda existe bem forte em nós, e é fortalecido durante a vida dependendo das suas experiências.

As emoções tem grande responsabilidade na sobrevivência também, a empatia permitia cuidar das crianças, idosos e feridos, mas isso só acontecia quando realmente pudesse acontecer.

Na natureza a raiva e o medo tem um maior poder defensivo e agressivo, essas emoções liberam altas quantidades de adrenalina e prepara o indivíduo para lutar ou fugir.

É possível observar o discurso de ódio no candidato Bolsonaro, ele mesmo falou que irá governar para as maiorias, ou seja, excluindo os fracos, algo muito semelhante ao o que o nazismo fazia o mesmo.

O seu grupo deve sobreviver, deve florescer, e isso aconteceu em vários momentos da humanidade, um dos primeiros que se sabe foi quando o ser humano atual aprendeu a se comunicar, a chamada Revolução Cognitiva, isso deu a ele um poder estratégico para derrotar as outras raças irmãs da humanidade, hoje em dia elas não existem mais, o último morreu a mais de 10 mil anos atrás.

Tudo isso era pra sobrevivência claro, na época não tinham uma mente afiada como a nossa hoje em dia.

E isso pode parecer chocante para muitos, mas somos animais, nos comportamos com um ainda, apesar de sabermos fazer coisas incríveis, ainda nos comportamos como animais, temos medo, ansiedade, fome, sentimos carinho pelos outros e ódio também, tudo depende do ambiente, da cultura e das experiências dadas.

Por exemplo, os cachorros viraram amigos do homem, pois o homem domesticou o lobo, um animal feroz, que ataca quando sua matilha está em perigo e para caçar, mas o humano começou a domesticar só os que eram mais calmos, e foi fazendo uma espécie de seleção inteligente das espécies, que fazemos até hoje, cachorro que morde muitas vezes é morto, e isso se fazia antigamente também, até termos hoje em dia apenas bolas de pelo felizes.

Não necessidade de ser feroz mais.

Mas hoje em dia há uma onda de querer voltar a ser lobo de novo, de tratar o outro como inimigo, de querer sobreviver quando sua sobrevivência nem está em risco.

E para resolver tudo isso o candidato quer dar possibilidade das pessoas terem armas.

“Com um martelo na mão se enxerga tudo como prego, com um arma na mão, se enxerga tudo como inimigo.”

Não é preciso ter inteligência aguçada para ver que liberar armas só cria mais crimes e satisfaz o ego dos homens que querem se defender de criminosos que não vêem, de golpes comunistas que não existe, e de tudo que ameace sua masculinidade.

Claro, já existiu muitas vezes na história da humanidade momentos em que todos andavam armados, e até mulheres tiveram que assumir posições militares, como no Japão feudal, Dinamarca antiga, Armênia, mas esses povos estavam em risco direto, podendo ser mortos a qualquer ataque, o que não é o caso do Brasil, felizmente.

O nacionalismo também se trata desse protecionismo com o grupo em que você se identifica, mudar significa abalar, gera fragilidade, por isso o militarismo é tão atraente, deve seguir regras, nada de inovar, discutir gênero na escola ou mesmo abortar, assumir feminicidio, essas coisas já acontecem a anos, não há porque discutir eles.

Aprendemos tantas coisas com os nossos milênios de existência, conseguimos de certa maneira deixar o modo animal para trás e sermos humanos, criar uma sociedade que funciona, e infelizmente esse candidato simboliza a nossa volta aos desejos mais primitivos, um retrocesso.

Antigamente tudo era simples, tinha poucas opções para resolver problemas, a violência era uma delas, talvez a mais recorrente, mas não somos mais animais selvagens, não precisamos nos render ao sentimento de sobrevivência, de medo e raiva, somos seres humanos, podemos ter empatia pelo próximo, podemos abraçar nossos irmão, não disputamos comida, água, moradia, e nem território (a não ser no caso dos índios e do MST).

Há soluções inteligentes que não precisam de violência, e toda decisão tomada com raiva é uma decisão ruim.

Existe até uma história de samurais antiga que fala que o samurai que ataca com raiva é um samurai que perdeu a batalha.


“Agarrar-se à raiva é como segurar um carvão quente com a intenção de jogá-lo em alguém; você mesmo se queima”.
– Buda –


E queria finalizar dizendo que essas pessoas que votaram no Bolsonaro, não são pessoas ruins muitas vezes, vemos hoje que nossa família vota, amigos, namorados, gays, negros, não é uma questão de ética muitas vezes, apesar que muitas vezes é, e sim uma questão mais intrínseca, se deixaram levar pelo seu lado animal, ainda está forte neles, mas ainda podem ter controle de suas percepções e reflexões, mas para isso é preciso ter experiências e mudanças de perspectivas.

Não excluam essas pessoas de suas vidas, elas são as que mais precisam de vocês, e talvez vocês delas.

Ninguém sai perdendo com a riqueza de olhares e percepções, por isso é tão bom viajar.

E ter Bolsonaro como presidente seria um retrocesso, justamente por voltar milênios de avanço civilizatório e ameaçar muitas das pessoas que você ama, e como falei, só há espaço para empatia quando deixamos o medo e a raiva de lado.

O que é um “homem de verdade”? – Dica de documentário e websérie

O que é um homem de verdade?

São tantas as coisas que definiriam o que é um homem de verdade, e devo dizer que com certeza não seria uma só coisa que definiria o que é ser um homem, ou o que é a masculinidade.

Felizmente esse é um assunto muito abordado hoje em dia, mas ainda não o suficiente ainda, e podemos ver esse documentário sensacional que está na Netflix, The Mask you live inque aborda como o padrão de masculinidade sufoca e limita o homem, mostrando que muitos de nós, somos sensíveis e que não encaixamos nesse molde que a sociedade criou desde a antiguidade.

Devo também falar do porquê temos seguido esse padrão, e não só ele, temos seguidos milhões de padrões desde que o ser humano era macaco, ou até antes, e tudo isso serve para se organizar a sociedade, seguimos esse grupo de regras para podemos nos comunicar e nos entender, até hoje buscamos nos entender e buscar o que nos conecta como um todo, seguindo esse mapa invisível de comportamento, mas agora estamos recriando esse mapa, repensando suas formas e caminhos, e como sabemos, todo local novo ou situação nova assusta.

Devo citar aqui também outra feliz dica de um leitor, o Kaique Rezende, que é a websérie que está no Instagram chamada Homem de verdade, que também discute sobre as relações de gênero no mundo atual, em situações do dia a dia. Realmente muito rico.

Somos seres fluidos hoje em dia, como diria Bauman, estamos nos reinventando e isso causa certa perturbação dessa harmonia social.

E devemos saber que não há como frear isso, e mal sabemos o que está por vir, provavelmente essa será uma das muitas mudanças desse século, ainda teremos humanos com partes robóticas, manipulação de DNA, BODY HACK, e por aí vai.

Essa é só uma das primeiras, melhor ir se acostumando com mudança.

 

É possível ter amizade com quem não te oferece nada?

Com o passar dos anos os clubinhos que formamos na escola, faculdade, e cursos vão se desfazendo, e nos vemos cada vez mais passando tempo com nossos companheiros(as) ou namorados (as), cada pessoa começa a focar em outras coisas que não a amizade, e acabam procurando pessoas que facilitem coisas para elas, portanto se você muitas vezes perde a função que você representa na vida do seu amigo, ele acaba se afastando.

Como por exemplo, se você vê um amigo tomando decisões erradas e você começa a dar conselhos ou a criticar essa pessoa, ela uma hora vai perder o desejo de andar com você, pois você agora simboliza um momento de reflexão e autocrítica que essa pessoa não quer ter, ela queria você para se divertir ou apenas ouvir seus problemas.

Outro exemplo clássico que gosto de falar é sobre o amigo(a) que está atrás de “acasalamento”, e no momento exato que ele acha alguém ele some com essa pessoa, e quando termina volta falando que não deveria ter sumido e tal, mas logo em seguida faz a mesma coisa. Esse tipo de pessoa tem um vazio interno que é preenchido pelo companheiro, e não pela amizade, infelizmente demora um pouco para o amigo perceber que faz isso.

Um dado interessante é que somos capazes de ter até 150 amigos no dia a dia, os macacos fazem grupos de no máximo 60, se passar disso o grupo se divide em dois, pois cada um tem um objetivo, uma expectativa e um desejo, a sincronia disso tudo é que torna as amizades interessantes, muitas vezes ocorrem atritos, mas as diferenças são as melhores coisas sobre a amizade, pois sair com gente igual a você não rende muito tempo e nem muitas experiências, é preciso sair da bolha e ver novas perspectivas.

Netflix e semelhantes é algo que desperta a preguiça nas pessoas também, e acho difícil de acreditar que uma série pode ser mais valiosa que duas horas em um bar, ou almoçando com um amigo, mas  passar a noite no Netflix é visto como se fosse, e hoje em dia é até algo que se tem orgulho de falar.

Estamos cada vez mais evitando experiências reais, e perdendo o tato social, evitando conflitos, ou simplesmente bloqueando nas mídias sociais quando a relação ficou difícil.

Você já deve ter visto ou feito isso, bloquear alguém quando essa pessoa te irritou, ou excluir, é engraçado como fazemos isso com apenas um botão, muitas vezes nem nos esforçamos para tentar achar um terreno em comum, assim como o divórcio hoje em dia, é mais fácil começar de novo do que tentar entender e sincronizar a relação de volta.

Muitas vezes falamos sobre a situação que não tem volta mais, mas será que não tem? Ou é você que não enxerga? Ou é você que fez um cálculo de esforço e acha que não vale a pena? Quem valeria? Será que a outra pessoa também não pensa que você também não vale a pena, por isso a situação se tornou insustentável?

Amizade é uma via dupla, é preciso doar para receber.

Conte seus amigos nos dedos e veja o quanto de tempo e disposição você tem para eles.

A conta fecha?

 

Pablo Vittar e por que destruímos o que é diferente?

Yuval Hararim, autor do do Best Seller Sapiens, fala em seu livro como milhares de anos atrás quando ainda existia várias raças de ser humano, nós fazíamos apenas uma coisa quando encontrávamos outra raça, ou outro grupo, e era entrar em guerra com o diferente.

Depois da revolução cognitiva, quando aprendemos de forma simples a nos comunicar, era possível se organizar e brigar melhor, e por isso exterminamos todos as outras raças.

Ela não deixariam de existir por causa da evolução, ela foram exterminadas pelo nosso medo do diferente, por causa da disputa, da falta de consciência.

Ao contrário do que Pablo Vitar fala em sua músicas eles eram bem destrutíveis, aliás, as pessoas são destruídas até hoje por serem diferentes, vide o caso Dandara e tantos outros homossexuais ou trans que sofrem esse tipo de tratamento.

O ser humano tem um instinto natural de sobrevivência, e isso inclui os costumes, pois quanto mais harmonioso seu grupo, mais eficiente e mais fácil de compreender. Já hoje em a humanidade progride em todas as áreas, estamos constantemente abrindo espaço para ser cada vez mais, já não somos os semi animais de 32 mil anos atrás, somos uma sociedade que consegue enxergar o limite do universo, que consegue dividir as menores partículas já descobertas, que consegue transplantar cabeças, e irem fazer e ser cada vez mais coisas incríveis.

E coisas incríveis assustam, dão medo, são totalmente diferentes, e se a ideia for boa não haverá nada que pare o seu avanço, e o crescimento de seus adeptos.

Agora, o que você faz com isso? Isso que importa!

Como você reage com relação a essa mudanças?

Você se adapta ou tenta negar um avanço que você não tem poder nenhum para parar?

Quis fazer essa analogia com nossos antepassados com relação ao diferente fisicamente, mas o diferente ideologicamente também acontece.

Imagino que buscaremos a harmonia física e ideológica de toda essa revolução sexual que está acontecendo, ou melhor, que sempre aconteceu, mas agora, com uma mídia forte, ganha destaque no mundo inteiro.

Mas essa mudança deixa os desatualizado de ideias e experiências muito assustado, e infelizmente esse medo gera fuga ou violência.

Não repitamos o erros de nosso antepassados, como diria Paulo Freire, grande educador brasileiro: “Amar é um ato de coragem”

Não seja um covarde.

Por que trabalhar é sofrido? Existe solução?

A palavra trabalho tem origem no latim tripalium, que significa “três madeiras” e era o nome dado a um instrumento de tortura constituído por três estacas de madeira afiadas.

Na Europa antiga, escravos e pessoas que não podiam pagar impostos eram torturados no tripalium. Assim, a palavra trabalhar
significava “ser torturado”.

A ideia de trabalho como tortura acabou sendo estendida para além do tripalium: a atividade física exaustiva de camponeses, artesãos e construtores era vista como torturante. O termo passou para o francês travailler, que significa “sentir dor” ou “sofrer” e, com o passar do tempo, o sentido da palavra passou a ser “realizar uma atividade exaustiva, dura”.

De acordo com o autor do livro ‘Sapiens’, gastávamos muito menos energia e vivíamos muito mais livremente quando éramos coletores-caçadores. A ideia de que plantar era um avanço acabou nos dando ainda mais trabalho – e não iríamos obter energia suficiente para repor esse desgaste. Isso foi evoluindo até os dias de hoje. Cada vez trabalhamos mais, por menos.

Em algumas civilizações, porém, foi possível não trabalhar – e, por isso, muitas delas floresceram.

Platão: “o cidadão deveria ser poupado do trabalho”

Aristóteles refere-se ao trabalho como atividade inferior que impedia as pessoas de terem virtude. Era algo degradante, inferior e desgastante.

Claro que eles viviam em uma era em que havia outro tipo de trabalho, o escravo, e quando você tem pessoas para fazer o trabalho braçal por você, você vai fazer coisas que te preenchem a alma, como a filosofia, artes, ou qualquer outra coisa.

No futuro próximo, a automação vai nos possibilitar não fazer o trabalho braçal, mas ainda não se sabe se ganharíamos ou não com isso, pois pensadores precisam trabalhar também, pelo menos alguns poucos, como Spinoza. Ele trabalhava com lentes e óculos. Já muitos outros nunca sentiram uma gota de suor pingando.

No futuro, teremos outro foco: não esse que simula a selva na cidade, que precisamos sofrer com o trabalho para sobreviver. No futuro, criaremos. A criatividade será nossa maior arma e maior valor.

Resta saber quão bem e quão rápido os governos mundiais perceberão isso.

Pois muita gente já está chegando a exaustão já, ou adquirindo a chamada síndrome de burnout, um sinal da escravidão moderna.

Mas a geração humanware já está chegando.

Nos tornaremos todos preguiçosos com a automação?

Para Platão o cidadão deveria ser poupado de trabalho
Para Aristóteles quem precisa trabalhar não poderia pensar, o trabalho era considerado inferior e desgastante.

Os ricos apenas viviam a vida plena.

E os escravos faziam todo o serviço braçal.

Com os robôs essa era viria também.

Trocaremos os escravos de Roma por máquinas, e ficaríamos com a consciência limpa.

O autor do livro  Sapiens diz que se criará uma classe de inúteis no futuro com a automação, eu diria que será uma nova de foco no ser humano, no desenvolvimento e criatividade.

No livro Despossuídos, de Ursula D. le Guin ela fala que as pessoas deverão fazer trabalhos bestas e farão pelo simples fato de poderem ter contato humano, e se divertirem com isso.

Na idade média os principes que não eram primogênitos não tinham nada para fazer e muitas vezes iam pra artes, pois, como todos sabemos, a arte preenche a alma, e focar em algo, em um trabalho ou prazer pode ser muito compensador.

Agora, quem iria ser inútil numa era em que se poderia fazer qualquer coisa, seja no mundo real ou virtual?

O ser humano vai sempre cometer os mesmos erros?

São vários os milênios que vivemos nesse planeta e sempre procuramos ser os seres tecnológicos em constante evolução, mas somos os mesmo seres, apenas em tempos diferentes.

Tivemos a revolução cognitiva que foi quando aprendemos a falar, depois a revolução agrícola que foi quando aprender a plantar e ficar em um lugar só, em seguida foi criado o status, o trabalho, as formas de governo, a educação e vemos que mesmo assim ainda cometemos os mesmos erros.

O que estaria faltando?

Parece que a raça humana anda em direção ao precipício e quando olha para ele alguém ou algo chega e salva todo mundo, as vezes ela perde o equilíbrio, as vezes só toma um susto e fica com vertigem. O que daria uma conduta melhor para a humanidade?

Acredito que estamos sempre passando por novas eras, e estamos chegando perto de mais uma, a revolução digital já está acontecendo e estará nos livros de história, mas a revolução humana mesma a que foca no nosso emocional e nas nossas capacidades ainda está para chegar, e vai ser ela que vai nos dar um empurrãozão em direção a vida mais harmoniosa.

Mas para ela acontecer é preciso ter um ambiente bom, acesso a informação e coisas básicas, é preciso ter menos gente no mundo, e é preciso estudar até além dos 30 anos.

Uma coisa muito observável em minha vida é ver o perfil de pessoas do Brasil e da Europa, aqui no Brasil temos problema em nos sustentar, tudo é muito caro, cheio de tarifas e o salário é baixo demais, na Europa o problema deles é outro, eles tem países que funcionam, que entregam coisas boas para a população, as pessoas tem qualidade de vida e vêem seus governos trabalhando para tudo dar certo, e claro, ganham muito bem, podem viajar sempre, existe transporte e a moeda vale muito, mas o problema deles é pessoal, lá eles sofrem como indivíduos e não como profissionais.

Aqui não temos tempo para sofrer como indivíduos, claro, muitos sofrem, e como sofrem, mas a grande maioria do brasileiro aprende a engolir o choro porque precisa ganhar dinheiro.

95% de nossas decisões são tomadas pelo nosso emocional, podemos até racionalizar o emocional, mas é ele que comanda nossas decisões, por isso que enquanto não conseguirmos focar nesse simples e importante fator ainda cometeremos os mesmos erros, por mais informação e tecnologia que tivermos.

Foque em crescer e ter mais consciência/experiências, só assim para parar essa corrente.

Older posts
Facebook