Caos na USP.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email 0 Filament.io 0 Flares ×

Estamos em Greve

Sinto a necessidade de explicar e dar minha opinião sobre o que acontece na Usp.
Moro do lado dela e tenho alguns amigos que estudam lá dentro e consigo sentir o que se passa lá através deles.
O primeiro fator causador dessa greve ou caos, é a imaturidade e egocentrismo de jovens que como todos sabem dedicaram anos estudando para entrar numa faculdade, deixando de sair, deixando de experimentar, deixando de viver, uma pessoa sem contato real com o mundo não sabe como funciona a realidade, e acaba achando que seu mundo pode ser como os livros que ouve falar, de Marx ou Chê.
Muitos que estão lá são crianças querendo apenas baderna, fazendo assim com suas atitudes perderem o valor impactante da conquista, ao usar o movimento de invadir a reitoria como primeira ação pseudo-revolucionária, a greve deveria ser o ultimo recurso, deveria estar além das negociações, além do modo “civilizado” de negociar.
Mas a USP é um universo a parte do outros, pois é auto-sustentável, muitas pessoas vivem lá do dinheiro mandado dos pais, e praticamente não precisam sair de lá. Fazendo com que a maioria siga uma linha de racioncínio, e também uma estética muito parecida. Quando também se invade a reitoria são roubados objetos de lá, fazendo perder o significado da ação por alguns badernistas.
Mas o Catalisador da greve não foi isso, e sim várias outras, pois como dito a invasão da reitoria já tinha perdido seu efeito, e também devo dizer que muitas pessoas não queriam a greve, mas duas coisas mudaram a cabeça das pessoas.
A Reitora pediu para a policia entrar na USP, e não foram poucos, chegando a mais de 200 policiais armados parados lá, formando uma barreira de escudos, mas até então parados, até que os estudantes começaram a cercá-los para intimidar, mas ainda assim fisicamente pacifico, porém xingando muito os policiais, e eles(policiais) não perderam e começaram a jogar bombas de efeito moral para dispersar as pessoas, o que sempre é em efetivo, e certas pessoas correram para os prédios onde os professores estavam, o que também seria inteligente. Mas a policia não se intimidou e além de espantar todos para abrigos mandaram bombas de efeito moral dentro dos abrigos, fazendo as pessoas entrarem em pânico, pois a frase clichê foi posta em prática, ” se fica o bicho come, se correr o bicho pega”, e foi nesse abuso de poder desnecessário em que a maioria da Usp hoje se encontra a favor da greve. Até porque existe a lei que a policia não pode entrar na Usp e todos querem viver no seu mundo seu repressão.

Na minha opinião e acho que na de muitos, os dois lados são muito errados.

O Mnn, pra quem não sabe é o movimento negação da negação, as pessoas desse grupo estão em peso nos C.A.’s da USP, e são os Pseudo-revolucionários que como vimos não argumentam, apenas agem sem negociar, onde já aconteceu de falarem dada seguinte maneira com pessoas importantes da USP: ” Cala Boca, seu Idiota!”. Para mim é o mesmo que ir discutir com uma criança e quando ela ve que vai perder a discussão ela mostra o dedo do meio.

Infelizmente as pessoas que tem comprometimento com algo, são as menos preparadas. Usam a faculdade como trampolim para a política.

O que eles não percebem é que a polícia só estava cumprindo ordens superiores, e que eles são apenas sobreviventes de um sistema educacional falho, em que não se cria pessoas corretas, apenas se valoriza a dedicação para algo que na sua essência não vai ti tornar uma pessoa melhor.

3 Comments

  1. qual é o motivo da invasão ?

  2. Reivindicações
    Reposição da inflação de 6,1%, mais 10% para recuperar perdas históricas, além de R$ 200. Para os funcionários do Centro Paula Souza, a pauta pede reajuste de 10% e recomposição das perdas salariais.
    Democratização da estrutura administrativa, do funcionamento dos colegiados e da gestão financeira e patrimonial das universidades e do Centro Paula Souza. Funcionários e grupos de alunos e professores pedem eleição direta para reitor.
    Autonomia: defesa da autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial das universidades e do Centro Paula Souza, com revogação dos decretos do governo José Serra que, para eles, ferem a autonomia das universidades estaduais – motivo da invasão de 50 dias, em 2007.
    Contratações: pedem contratação por concurso público e revogação das políticas que terceirizam cargos. Pedem garantia da manutenção do emprego dos atuais 5.214 ocupantes de vagas da USP que estão sendo contestadas pelo Tribunal de Contas.
    Ensino a distância: o Fórum das Seis é contra o ensino a distância em todos os níveis educacionais. Quer o fim da licenciatura à distância criada neste ano para professores da rede pública.
    Permanência estudantil: querem dotação orçamentária específica para políticas de acesso e permanência estudantil e sua ampliação nas universidades estaduais e no Centro Paula Souza. E construção de moradia estudantil e restaurante universitário em todos os câmpus das universidades estaduais paulistas.

  3. Pesquisando o ‘causo’ no blog abaixo vai dar uma visão do lado avesso da esquerda que é interessante e completa o panorama. Abraço.

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email 0 Filament.io 0 Flares ×