0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

O que seria uma sociedade perfeita, ou que chegue perto pelo menos?

Com certeza seria algo que não dê chances para as pessoas se corromporem, como tirar vantagem de alguém, ou lucrar muito acima, mas como controlar tais desejos? Eles só iriam nascer da necessidade de ter dinheiro ou de valores distorcidos, como comerciais que mandam você ter algo sendo que é óbvia sua inutilidade.

E para que isso aconteça é necessário suprir de maneira adequada ou até razoável as necessidades básicas do ser humano, pois se formos ver a maioria das pessoas não querem no fundo do coração serem ricas e esbanjar futilidades, e sim alcançar uma felicidade mesmo que momentânea com objetos ou situações, mas descobrirão que essas felicidades são importantes, mas não essenciais, mas uma felicidade duradoura é o que no final fazem elas buscarem esses atalhos através de coisas físicas.

O Sistema de ensino e de saúde são duas coisas envenenadas por mentes auto-corruptas, onde não há valorização da criatividade e do potencial humano no sistema de ensino, matando assim qualquer possibilidade de uma visão horinzonal além das montanhas criadas por essas mentes, e o sistema de saúde atrapalhado pela burocracia e empresas farmacêuticas que envenenam as mentes dos médicos fazendo terem diagnósticos tendenciosos ao produto que dê mais lucro algumas vezes. É urgente um novo pensamento, ou talvez a capturação de antigos.

Se a lei da procura e da oferta como você disse é interessante, sim é mesmo, e muito, mas o capitalismo infelizmente não é feito somente disso, visa também o lucro, e o lucro por si só é algo que corrompe, pois abre as portas para suas necessidades futeis, e outras não tanto.

E o que poderia acabar com essa necessidade futil e a corrupção, a necessidade nasce da falta e da impressão de necessidade, a auto-corrupção dos valores distorcidos, então devemos acabar com as fontes deles, ou pelo menos direciona-los para que dê frutos bons. Já vimos que as pessoas mais estudadas ou de consciência maior não costumam ter muitos filhos, e em uma sociedade que não tem uma explosão populacional é muito mais fácil de prover suas necessidades, e provendo elas, não haverá necessidade de passar por cima dos outros e de lucrar, pois a felicidade com relação ao ambiente estrutural já estaria presente, e a educação respeitável também, o que levaria cada vez mais as pessoas a terem menos filhos e por conseguinte tendo menos trânsito também, que daria mais tempo para as pessoas aproveitarem suas vidas.

A robotização de trabalhos braçais é urgentes também, pois já passou o tempo de o ser humano automatizar várias coisas, coisa essa que não aconteceu devido a necessidade de ter empregados quase que obrigatória no mercado, e claro a outra necessidade de ter homens sem estudo, pessoas que simplesmente estagnam pelo conforto.

Se estamos pensando em uma sociedade “perfeita” é necessário que o ser humano trabalhe seu potencial ao limite e por vontade própria principalmente, pois toda pessoa quer fazer algo, não digo ser útil, pois esse “título” carrega muitas idéias que não é o que queremos alcançar aqui. Ser útil é uma vontade não um eufemismo para cumprir a agenda que a sociedade nos empõe sigilosamente.

Para alcançarmos o Übermensch de Nietzsche é preciso quebrar as barreiras limitantes no ser humano para mutualmente ser criado o ambiente perfeito para ele e o ser perfeito para criar um melhor ambiente, é um troca que ascende espiralmente.

Por enquanto acredito que apenas assim conseguiremos alcançar o que seria algo parecido com o Projeto Vênus.

A preocupação com o ser e seu ambiente.

Começar pelo lado mais frio do iceberg é acertar a ponta de forma mais efetiva e definitiva.

Obs: agradeço ao leitor Hiroshi John por ter me ajudado com seus emails a chegar a esse post, que foi uma resposta de um deles. Logo mais postarei os texto que ele me indicou.