0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×


 

Já percebeu como existem algumas pessoas diferentes apenas e outras milhares que você provavelmente fica classificando em “divertida”, mal humorada” e outras coisas?!

Nós nascemos com infinitas variantes de personalidade, gostos, desejos e jeitos, até nossa fase adulta nós conseguimos batalhar para termos ainda nossa persona intacta e autosuficiente, mas sofremos golpes demais da mídia, de parentes ortodoxos, das religiões, e das culturas, tentaram nos dobrar a sua maneira, mas percebemos que ainda temos sonhos, gostamos de investigar e fantasiar sobre as coisas, nossa curiosidade continua lutando para perpetuar a faísca singular que temos em nós.
Mas infelizmente nossos sonhos são subjugados pela realidade fria e dominadora quando alcançamos a fase adulta, e pessoas que tinham muito potencial acabam por se corromper com as leis do mercado/sociedade, e aos novos valores impostos a essa nova era de sua vida, o leão se cansou de rugir e acabou apenas aceitando a comida que vem no mesmo horário todos os dias.

O que todas as pessoas querem, mas são desviadas por todos esses fatores citados acima  é o amor apenas, é a única coisa essencial e eterna em nossas vidas, quando criança queremos carinho e atenção, quando adolescente queremos nos enquadrar, e para isso nos sujeitamos aos padrões declarados na sociedade de como fazer isso, e muitas pessoas não conseguem sair dessa fase até o final de suas vidas, já quando adulto queremos nos projetar, ir estabelecendo nosso terreno, ter o poder de aplicar suas idéias seria uma dessas fases, mas ela foi apagada do plano que se tem para nós, e poucos conseguem alcançar essa fase.

E para que tudo isso seja feito bem é preciso domar nosso animal interno, até porque nós somos animais, mas decidimos ser “humanos” para melhor nos organizarmos e sobreviver, e ser um “humano” é algo que exige ação, não apenas passividade, é preciso se conhecer, e saber quais são os valores que ajudam sem prejudicar ninguém, tarefa essa que pode durar a vida inteira, mas que deve ser incansável.

Esse tipo de coisa que deveria ser ensinada na escola dá lugar a um tipo de ensino falido e sem sentido, ensinar coisas que são fúteis na sua vida futura não ajuda nem a aumentar o Q.I., não se pode ensinar a martelar, tem que se ensinar a construir antes, e os benefícios da construção, para depois falar do prego, martelo e tijolos. Antes de cair no mundo “real”(depois da adolescência) deve-se saber pra qual objetivo você pode usar seu potencial, o que podemos aprender que seja eterno e nos ajude a utilizar com sabedoria qualquer ferramenta que nos desse na mão?!

Essa é a pergunta chave para a verdadeira educação!

Se não me engano Paulo Freire (famoso escritor sobre educação) fala um pouco sobre isso também.

A segunda parte desse projeto de ensino deveria ser o ensino de Valores para as pessoas, que são bombardeadas de mensagens pelos canhões midiáticos incessantemente, e é difícil para alguém jovem valorizar algo que provavelmente o afastará das outras pessoas, ou o tornará desinteressante, pois os Badguys são sempre o centro das atenções na maioria dos casos (na minha adolescência via-se isso, mas com meu amigos isso não acontecia muito), portanto a mudança deve ocorrer nas duas vias simultaneamente (Jacque Fresco fala que seria suficiente apenas o ambiente mudar, mas uma ajudinha a mais sempre é bom.)

E a terceira parte e que deve estar presente sempre é o como fazer o ensino ficar interessante, no Ted Talk desse ano foi muito abordado esse tema e viu-se que a gameficação do ensino é maravilhoso para os jovens, tornar a informação divertida deveria ser o objetivo número um dos professores, mas poucos conseguem pensar fora da caixa já estabelecida, e poucos tem a liberdade para tal.

As pessoas também confundem quando falam que Certo e Errado é Relativo, claro que é, mas na perspectiva cultural, mas em sua essência ela nem existe se tivermos um olhar frio e calculista, pois são apenas ações que determinar o futuro de seres, números, apenas números e propabilidades. Porém felizmente somos seres com emoções que buscam alcançar algo nesse mundo, mesmo que esse algo ainda seja desconhecido, a jornada é mais importante que o ponto de chegada, no final todos acordaremos para tal inexorável verdade.

Procure se determinar, procure descobrir.

Vemos que hoje os jovens já descofiam e muito da ervilha antes imperceptível debaixo dos colchões, e procuram fazer a diferença, é só ver o tanto de pessoas (voluntários) que as ongs e as passeatas (já banalizadas em são paulo) tem hoje em dia, e isso é só o começo dessa nova geração de pessoas preocupadas com o mundo.

Descobrimos que somos um organismo só.

fonte:

Video: Robert Happé (1/4) – Consciência é a Resposta
Video: Sonho Brasileiro Manifesto