Nos tornaremos todos preguiçosos com a automação?

Para Platão o cidadão deveria ser poupado de trabalho
Para Aristóteles quem precisa trabalhar não poderia pensar, o trabalho era considerado inferior e desgastante.

Os ricos apenas viviam a vida plena.

E os escravos faziam todo o serviço braçal.

Com os robôs essa era viria também.

Trocaremos os escravos de Roma por máquinas, e ficaríamos com a consciência limpa.

O autor do livro  Sapiens diz que se criará uma classe de inúteis no futuro com a automação, eu diria que será uma nova de foco no ser humano, no desenvolvimento e criatividade.

No livro Despossuídos, de Ursula D. le Guin ela fala que as pessoas deverão fazer trabalhos bestas e farão pelo simples fato de poderem ter contato humano, e se divertirem com isso.

Na idade média os principes que não eram primogênitos não tinham nada para fazer e muitas vezes iam pra artes, pois, como todos sabemos, a arte preenche a alma, e focar em algo, em um trabalho ou prazer pode ser muito compensador.

Agora, quem iria ser inútil numa era em que se poderia fazer qualquer coisa, seja no mundo real ou virtual?

O ser humano vai sempre cometer os mesmos erros?

São vários os milênios que vivemos nesse planeta e sempre procuramos ser os seres tecnológicos em constante evolução, mas somos os mesmo seres, apenas em tempos diferentes.

Tivemos a revolução cognitiva que foi quando aprendemos a falar, depois a revolução agrícola que foi quando aprender a plantar e ficar em um lugar só, em seguida foi criado o status, o trabalho, as formas de governo, a educação e vemos que mesmo assim ainda cometemos os mesmos erros.

O que estaria faltando?

Parece que a raça humana anda em direção ao precipício e quando olha para ele alguém ou algo chega e salva todo mundo, as vezes ela perde o equilíbrio, as vezes só toma um susto e fica com vertigem. O que daria uma conduta melhor para a humanidade?

Acredito que estamos sempre passando por novas eras, e estamos chegando perto de mais uma, a revolução digital já está acontecendo e estará nos livros de história, mas a revolução humana mesma a que foca no nosso emocional e nas nossas capacidades ainda está para chegar, e vai ser ela que vai nos dar um empurrãozão em direção a vida mais harmoniosa.

Mas para ela acontecer é preciso ter um ambiente bom, acesso a informação e coisas básicas, é preciso ter menos gente no mundo, e é preciso estudar até além dos 30 anos.

Uma coisa muito observável em minha vida é ver o perfil de pessoas do Brasil e da Europa, aqui no Brasil temos problema em nos sustentar, tudo é muito caro, cheio de tarifas e o salário é baixo demais, na Europa o problema deles é outro, eles tem países que funcionam, que entregam coisas boas para a população, as pessoas tem qualidade de vida e vêem seus governos trabalhando para tudo dar certo, e claro, ganham muito bem, podem viajar sempre, existe transporte e a moeda vale muito, mas o problema deles é pessoal, lá eles sofrem como indivíduos e não como profissionais.

Aqui não temos tempo para sofrer como indivíduos, claro, muitos sofrem, e como sofrem, mas a grande maioria do brasileiro aprende a engolir o choro porque precisa ganhar dinheiro.

95% de nossas decisões são tomadas pelo nosso emocional, podemos até racionalizar o emocional, mas é ele que comanda nossas decisões, por isso que enquanto não conseguirmos focar nesse simples e importante fator ainda cometeremos os mesmos erros, por mais informação e tecnologia que tivermos.

Foque em crescer e ter mais consciência/experiências, só assim para parar essa corrente.

Replika, o app que pode ser o seu melhor amigo. “Her” da vida real.

Você pode se apaixonar por uma inteligência artificial?

Essa pergunta está cada vez mais próxima de ter uma resposta.

No filme Her vemos o nosso protagonista criando um laço afetivo com a I.A. (inteligência artificial), e ela tem um poder de comunicação muito grande, preenchendo a solidão que Joaquin Phoenix sentia com o personagem, e estando 24 horas presente na vida dele, se importando e cuidando dele de certa forma. Emocionalmente.

O futuro pode ser que apps como o replika consigam suprir nossa carência emocional.

Esse app consegue aprender conversando com você, e virando futuramente seu melhor amigo, vale muito a pena testar, uma pena estar apenas em inglês e ser um pouco difícil conseguir um convite.

Hoje em dia já estamos acabando com o trabalho braçal, talvez programas como esse podem ser nossos novos confidentes, lembro-me de um estudo que indicava que mais de 60% dos americanos não tinha um, e imagine quantas pessoas não sofrem com essa solidão, com esse aprisionamento emocional que passam.

Acredito que um dia poderemos simular a dinâmica das emoções digitalmente, e isso dará ao atendimento um outro nível, imagine ser atendimento por um robô ou holograma que nunca muda de humor, está sempre disposto a te ajudar, rapidamente o ser humano será substituídos nos serviços mais triviais e será obrigado a diminuir sua população por conta da escassês de trabalho simples.

O acolhimento emocional e o entendimento das frustrações humanas pode ser o que fará com que saiamos mais de casa, mais informação ao nosso redor, na palma da mão, poder conversar com nosso computador está um degrau antes de nos integrarmos a ele por completo, o que acho que acontecerá nesse século ainda.

É possível andar na linha sem o medo do Inferno ou de algum ser do além?

No zoroatrismo Deus e o mal estão em todos nós, independente de quem você seja.

Mas será que essa visão de maldade sem um ser, um inimigo agindo em nossas vidas é suficiente para nos colocar no caminho correto?

Acredito que sim.

Vemos o impacto negativo e positivo do ambiente nas pessoas, eu mesmo trabalhei na Bienal e era muito claro que de onde as pessoas vinham influenciavam tremendamente em sua educação e receptividade as novas ideias.

Educar os filhos é uma tarefa enorme, eu, por enquanto, só posso teorizar sobre isso, ainda não tenho filhos, mas estudo bastante a questão de comportamento, e posso apontar que é possível ser um ser moral/ético, tudo depende de como educamos eles moralmente, através de incentivo ou castigo?

Piaget, um dos maiores estudiosos de como o ser humano adquire conhecimento teorizou 3 fases da moral:

1- Anomia, seria o ser que não obedece as leis, que as evite e as infringe.

2- Heteronomia, seria o ser que aprendeu que certas coisas são erradas de fazer em uma sociedade, existe o socialmente aceitável, e ele deve aprender isso  se não haverá castigos ou punições. Muitas vezes o ser heteronomio faz algo considerado errado calculando o ganho dessa atitude com a punição. Esse tipo de visão pode gerar deliquentes.

3- a chamada Autonomia deveria vir na adolescência, mas a maioria das pessoas não entra nessa fase durante a vida toda. Essa fase o ser já teria as leis dentro de si, por exemplo não seria preciso uma multa para a pessoa andar na velocidade correta, ela faz a coisa certa, pois sabe o benefício que isso traz a sociedade, como são muitos europeus e americanos. Outro exemplo seria o metro não precisar de catraca para as pessoas pagarem.

A educação de uma sociedade nasce antes do berço e não tem aonde acabar.

Para se alcançar a autonomia é preciso recompensar as boas atitudes e não castigar as más como diria Piaget.

Sabendo como nossa moral se desenvolve é possível largar as velhas mitologias e dar um passo a frente, podemos criar novos contos, contos que façam sentido pra essa geração G (G de Gamer), pois caminharemos para um equilíbrio jamais visto na humanidade, talvez ainda nessa século.

Espero estar vivo até lá.

Achar que você tem que ser bom em apenas uma coisa é uma babaquice

Nunca fui alguém que acreditasse nisso, e acho que ninguém deveria acreditar também.

Muita gente fala que você tem que ser muito bom em uma coisa, e que essa coisa vai te dar o sustento e a felicidade que procura, mas será que isso é verdade?

Ao meu ver o que o mundo precisa é muito menos de especialista e muito mais de pessoas que consigam enxergar a conexão entre áreas, assim como num time que cada um pode contribuir com a sua visão.

Um equipe consegue ir mais longe, vemos isso em todos os filmes e empresas, é preciso ter uma multiplicidade de conhecimentos para se destacar, sem muito bom em algo é bom, mas se interessar por outras áreas é ótimo.

Imagine que existem muitos psicólogos no mundo, mas psicólogos especializados em inteligência artificial já não tem ninguém ou muito poucos,

Poder trazer bagagens diferentes, perspectivas diferentes é um ganho que vai te destacar.

Na Grécia antiga e na renascença a pessoa que buscar conhecimento buscava várias áreas ao mesmo tempo, tendo consciência do entrelaçado que é as áreas do conhecimento.

seja especialista, mas seja também alguém interessado em expandir sua área, você mesmo.

 

“Quando o homem é presa de suas emoções ele não é senhor de si mesmo, fica a mercê da sorte” – Spinosa

Venho estudando nos últimos anos bastante sobre emoções e como domá-las, ou pelo menos discipliná-las.

Hoje em dia a grande maioria é refém desse artifício mental criado para sobrevivência e convivência, não somos capazes de refletir sobre elas, quando alguém age de forma que ofende ou chateia os outros as pessoas muitas vezes deixam pra lá falando que essa pessoa sempre vai ser assim.

Não é verdade.

Vivendo numa sociedade e nos infatiliza, nos traz desejos que nos infatiliza, temos que ter tudo, ser melhor que todos, buscar o sucesso, mas que sucesso é esse, essa vida que nos vendem é boa pra quem, será que dá pra criar um modelo de sonho e ter certeza que vai deixar todo mundo feliz?

Dá pra criar, mas com certeza não encaixa em muita gente, vemos hoje em dia a depressão e ansiedade como as maiores doenças da atualidade.

A infantilização vem desde o que queremos até ao como nos sentimos na sociedade, no universo, somos eternamente incompletos, sempre em busca algo novo, e sempre há coisas novas.

Mas e quanto a nós mesmos, a parte interna?

Esquecemos que o equilibrio é o maior objetivo da vida.

Hoje em dia já sabemos que somos seres emocionais, mesmo as pessoas mais frias e calculistas, e não nos ensinaram nenhum dia das nossas vidas a como lidar com nossas emoções, com as emoções dos outros e com o humor também, que é uma emoção constante.

E isso cria atrito demais em nossas vidas, pois queremos sermos quem já somos e não nos adaptar aos outros, entender os outros, somos seres que tem empatia, mas é muito difícil ver ela nas situações de nossas vidas.

Saber que as coisas são transitórias seria um grande evitador de sofrimento, pois estamos acostumados a ter tudo a todo tempo, ou pelo menos a desejar tudo a todo tempo. A vida não é feita para se ter satisfação a todo instante e sim para  ter equilíbrio, e para ter equilíbrio é preciso domar o mar das emoções.

Nos perguntamos sempre como as pessoas antigamente eram felizes, a questão não era ser feliz, mas em como se achava amor nas coisas que se faziam.

Mas como amar algo que não tem as mesmas características que nós?

Ao domar nossas emoções, estar alerta ao que nos faz feliz, ao que nos irrita, aos outros poderemos ver que o que importa no final de tudo na vida é a sua evolução pessoal, não é atoa que existem milhares de coaches hoje em dia, as pessoas não estão conseguindo ser elas mesmas, estão sujeitas a crenças, emoções, gatilhos emocionais, e sequestros emocionais também, que são aqueles momentos nem lembramos de tanta raiva que passamos, perdemos o controle, falamos coisas que não queríamos e machucamos as pessoas que amamos, pelo simples fato de sermos reféns de nós mesmos.

É possível se libertar dessa prisão, só pelo fato de você ter vindo até aqui ler esse post mostra que você está disposto.

Para todo furacão primeiro uma borboleta bateu sua asa em algum lugar.

Comece a bater suas asas.

10 documentários para expandir a sua mente

Aí vamos nós:

1. Life of a cell

“Life of a cell” (A vida de uma célula, em português), é a verdadeira guerra nas estrelas.

Este documentário nos mostra uma incrível batalha que está acontecendo no seu organismo neste exato momento, entre corpos e anticorpos.

O enredo se desenrola na história de uma infecção viral por conta da qual se inicia a batalha pela vida de uma célula.

É uma obra-prima no quesito animação que nos leva a uma viagem para dentro das células do nosso próprio corpo.

2. Human

Da minúscula célula para o globo terrestre.

Enquanto “Life of a cell” trava uma guerra interna, em “Human” (Humano, em português), a câmera nos leva a uma viagem ao redor da Terra para descobrir as verdades essenciais sobre o que significa ser humano.

Através de uma série de mais de 2000 entrevistas realizadas em 60 países, o diretor Yann Arthus-Bertrand expressa com êxito a experiência humana coletiva em todas as suas formas.

Isso inclui desde histórias profundamente pessoais de pobreza, abuso doméstico e angústia, até histórias de amor, e alegria por estar vivo.

3. The transcendental object at the end of time

O objeto transcendental do fim do tempo – esta é a tradução livre deste documentário dirigido pelo autor, conferencista, filósofo e explorador xamânico Terence McKenna.

Ele falou e escreveu sobre uma variedade de assuntos, incluindo a metafísica, a alquimia, a linguagem, a cultura, a tecnologia e as origens teóricas da consciência humana.

Ele divide opiniões desde a: “tão distante… ninguém sabe o que ele está falando” até : “o pensador mais inovador dos nossos tempos“.

Para sacudir-nos do nosso torpor perceptivo, McKenna empurrou nossos olhos às mais exóticas e escandalosas invenções da ciência e da tecnologia moderna.

O que o elevou acima da maioria dos outros profetas foi que ele entregou suas profecias ao reconhecimento de que a realidade é mais estranha do que podemos supor.

Veja no Youtube.

4. Planetary

Esta é uma obra-prima fascinante sobre a dinâmica social e econômica dos dias de hoje, em comparação com antigas civilizações poderosas que caíram.

A obra explora os problemas cada vez maiores que enfrentamos em nossa cultura e explora soluções tecnológicas ponderadas que podem ser colocadas em prática imediatamente se trabalharmos em conjunto.

Clique aqui para assistir.

5. NOVA: The Fabric of the Cosmos. The illusion of Time

Albert Einstein, um dos maiores gênios cientistas que já existiu afirmava que “o tempo é uma ilusão“.

NOVA: a fábrica do cosmos. A ilusão do tempo” é um chocante documentário que desafia nossas perguntas tradicionais sobre o tempo tais como: ‘ele flui em uma direção ou flui em tudo?‘; ‘todo mundo experimenta o mesmo agora?‘; ‘é possível viajar no tempo?‘; ‘o tempo chegará ao fim?‘.

Eintein certamente ficaria entusiasmado!

Assista no Youtube.

6. Samadhi

A separação é uma ilusão? Qual é a fonte da consciência que está lendo estas palavras?

Este documentário é um mergulho incrivelmente profundo na filosofia da meditação explorando o conceito de Samadhi – a experiência direta de unidade com o universo.

Grande parte da obra se baseia na compreensão básica da não-dualidade, da kundalini e da espiral primordial (também conhecida como fibonacci).

Conceitos explorados pelo cineasta Daniel Schimidt em outros trabalhos podem ser acessados no site Innerworldsmovie.com.

Clique aqui para assistir ao Samadhi.

7. Ashes and snow

O filme Ashes and Snow (Cinzas e neve, em português) captura momentos extraordinários de contato entre pessoas e animais, vistos através das lentes da câmera do artista em mais de trinta expedições a alguns dos lugares mais remotos da Terra.

Escrito, dirigido, produzido e filmado por Gregory Colbert, trata-se de um estudo de campo poético que descreve o mundo não como ele é, mas como poderia ser – um mundo no qual as fronteiras naturais e artificiais que separam os humanos de outras espécies não existem.

Clique aqui para assistir.

8. Kymatica

Podemos ser rápidos em culpar organizações secretas, corporações gananciosas e políticos corruptos pelo estado do meio ambiente e da economia.

A dura verdade é que o mundo está em seu estado atual porque a humanidade, como uma população mundial, está evoluindo e levando o mundo com ele.

Todos nós agora estamos no precipício do maior desastre que a humanidade já conheceu, mas esse pode ser um grande momento de despertar em massa.

Das lendas das antigas tribos xamânicas através dos anais da religião organizada, pistas sutis de nossa salvação foram deixadas para nós descobrirmos.

A ciência quântica e a metafísica estão confirmando o que esses antigos sabiam, e esses segredos para a salvação da humanidade estão apenas começando a ser revelados.

Clique aqui para assistir.

9. Cowspiracy

As maiores organizações ambientais do mundo estão falhando em abordar a única força mais destrutiva que o planeta enfrenta hoje.

Cowspiracy” – uma brincadeira com as palavras “cow” (vaca, em português) e “conspiracy” (conspiração).

É uma viagem chocante, mas bem-humorada, de um ambientalista que busca a solução real para as questões ambientais mais urgentes e o verdadeiro caminho para a sustentabilidade.

Este documentário está disponível na Netflix.

10. The Dhamma Brothers

O Oriente encontra Ocidente no Sul Profundo.

Uma prisão de segurança máxima superlotada – o fim da linha no sistema correcional do Alabama – é dramaticamente alterada pela influência de um antigo programa de meditação.

Por trás de torres de alta segurança e uma linha dupla de arame farpado e cerca elétrica, habita uma série de condenados que nunca vai ver a luz do dia.

Mas para alguns desses homens, uma faísca é acesa quando realizam um retiro Vipassana, um curso emocional e fisicamente exigente de meditação silenciosa que dura dez dias.

Os Irmãos Dhamma” (em português) conta o drama humano e transformador por meio das histórias dos prisioneiros entram neste programa árduo e intensivo.

Clique aqui para assistir.

Bônus: Innsæi

“Innsæi” é uma palavra islandesa de múltiplos significados, cuja interpretação se concentra no “olhar para dentro“.

Este documentário discorre de maneira leve, inspiradora e encantadora sobre o poder da intuição e sobre a arte de se conectar no mundo distraído, separado e estressante de hoje.

Eu já assisti ao Innsæi cinco vezes!

Este documentário está disponível na Netflix.

Você já assistiu algum desses documentários?

Divida sua experiência com a gente. Depois de assistir a algum deles, volte aqui pra conversarmos. 🙂

Fonte: livelearnevolve.com

Vídeo: Robôs merecem direitos? E se tiverem consciência?

Continue reading

Conheça sua Personalidade com um esses 3 testes

 

O Eneagrama é um estudo da personalidade de origem Sufi baseado num diagrama de 09 pontas. No mundo moderno, a presença do eneagrama se deve a George Ivanovich Gurdjieff, filósofo armênio que ensinou filosofia do autoconhecimento profundo no começo do século passado.

Clique aqui para fazer o teste

Esse teste de personalidade do Jung é o mais completo que já fiz, até fiz um post sobre ele há uns anos. Demora um tempo considerável, mas me parece bem preciso.

http://destruidordedogmas.com.br/os-tipos-psicologicos-de-jung/

Esse é bem fácil e rápido –  o meu deu Executivo.

https://www.16personalities.com/br/teste-de-personalidade

Renda básica universal (UBI) e o Triângulo de Maslow

A UBI, universal basic income (renda básica universal), já é uma realidade/necessidade.

Quem ainda reluta contra isso ainda não entender como estamos em questão de tecnologia, automação e inteligência artificial. Muitos dos empregos de fábricas vão ser dizimados e isso tem que ser feito estrategicamente, pois não dá pra jogar milhões de trabalhadores na rua, na verdade dá, mas é preciso pensar em soluções para essas pessoas.

Muitos países tem população descontrolada e muito acima da média, alguns estudiosos falam que a população ideal para o mundo seria menos de 1 bilhão de pessoas, e no futuro provavelmente alcançaremos esse número, ou chegaremos perto, pois para a renda básica universal funcionar é preciso ter menos gente no mundo. Como na Europa que alguns países para para pessoas terem filhos, ou simplesmente morarem em certas regiões, lá é possível, pois há uma população numericamente viável para se governar.

Um caso interessante é  como o fundador do eBay, Pierre Omidyar, pretende fazer um dos primeiros testes sobre a renda básica universal. Ele pretende financiar durante 12 anos as pessoas do Kenia e ver  qual vai ser o impacto disso. A ONG  GiveDirectly irá dirigir o processo que terá o investimento da empresa filantrópica de Pierre, a  the Omidyar Network.

Já é realidade e muito perceptível pra quem quer ver que quem tem mais acesso a cultura e  informação produz menos filhos, pois acaba focando em outras atividades, e existe um esquema que explica um pouco do porquê a UBI vai dar muito certo, ele se chama o Triângulo de Maslow.

A ideia é que para se alcançar a realização pessoal é preciso preencher com sucesso as partes inferiores, claro, nem tudo é tão quadrado assim, mas se olharmos atentamente muitas situações que já vimos em nossas vidas refletem isso.

E Dando a população as duas partes inferiores com a UBI as pessoas poderão focar em outras coisas de uma forma mais saudável, poderão fazer tudo de uma forma melhor e não se preocupar em trabalhar para sobreviver, a sobrevivência já estaria “garantida”, e essas duas partes são as maiores, assim deixando nossa atenção voltada a família, relacionamentos, realização pessoal e tudo isso feito de forma mais harmoniosa e não sofrida.

Hoje em dia um garoto que passa na FUVEST morador da favela é algo raro e digno de notícia, como se o que faltasse para as outras pessoas da favela é esforço, mas na verdade não, se as pessoas tivessem mais acesso a informação e não ter que trabalhar com 14 anos muitos poderiam ter sucesso e assim aumentando a taxa de negros em faculdades também.

E Refaço agora a pergunta que o governo suiço fez à sua população na primeira imagem desse post:

“O que você faria se sua renda fosse dada pelo governo?”

O que você faria?

A renda mínima universal não é de esquerda ou direita. É pra frente.

« Older posts
Facebook